meteorologia

Bacias Hidrográficas

Obra em todo lugar

Veja o que o Governo de Pernambuco está fazendo na sua região.

Blog de notícias

  • SES abre seleção pública simplificada para contratação de 30 profissionais

    | Saúde

    Inscrições começam nesta quinta (27.07) e seguem até 11 de agosto 

    A Secretaria Estadual de Saúde (SES) abre seleção pública simplificada para a contratação temporária de 30 profissionais para atuarem na sede da pasta e também nas 12 Gerências Regionais de Saúde (Geres), distribuídas por todo o Estado de Pernambuco, assim como em unidades hospitalares para supervisão e outras atividades. As inscrições começam nesta quinta (27.07) e seguem até o dia 11 de agosto. A seleção terá prazo de validade de vinte e quatro meses, prorrogável por igual período, a contar da homologação do resultado final, publicada no Diário Oficial do Estado de Pernambuco.

    As vagas são para 12 engenheiros civis (sendo dez vagas para fiscal de obra, contratos e serviços; um para orçamentista e um para calculista), dois engenheiros elétricos, um engenheiro mecânico, cinco arquitetos, um técnico em eletrotécnica, um técnico em refrigeração e oito técnicos em edificações. A seleção pública será realizada em uma única etapa, por meio de avaliação curricular, de caráter classificatório e eliminatório. A divulgação do resultado preliminar da avaliação curricular será no dia 1º de setembro e resultado final no dia 20 de setembro pelo portal da SES (www.saude.pe.gov.br). 

    As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas via sedex ou presencialmente na Diretoria Geral de Gestão do Trabalho, na Rua Dona Maria Augusta Nogueira, 519, no bairro Bongi/Recife. Os requisitos, atribuições, jornada de trabalho, vagas para pessoas com deficiência e remuneração podem ser consultados no edital, disponível no link https://goo.gl/yjgBK8Para se inscrever na seleção, o candidato deverá preencher o formulário de inscrição e o caderno de apresentação de documentos, devidamente acompanhados de cópias dos documentos comprobatórios das informações prestadas. 

    Assuntos: ses, geres
    Compartilhe: Link para o post:
  • Dia Mundial: SES oferece teste rápido das hepatites B e C no Pátio do Carmo

    | Saúde


    A hepatite é uma doença silenciosa que ocasiona inflamação no fígado e pode ser causada por vírus e pelo abuso de medicamentos, álcool e outras drogas. A enfermidade pode ser transmitida pelo contato com sangue contaminado ou sexo sem proteção. Para chamar atenção da população e marcar o Dia Mundial de Luta Contra as Hepatites Virais, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) promove, nesta sexta-feira (28/07), a partir das 9h, uma ação de prevenção e testagem para hepatites B e C, no Pátio do Carmo, no Centro do Recife. Ao todo, serão 100 testes rápidos para cada tipo de patologia.

    Ainda durante a mobilização, serão distribuídos material informativo e camisinhas. Em 2016, Pernambuco confirmou cerca de 160 casos de hepatite B e outros 160 de hepatite C. “Como as hepatites B e C podem ficar silenciosas durante anos, é importante que a população faça a testagem rápida. Esses exames são ofertados de rotina em postos de saúde e também nos Centros de Testagem e Aconselhamento (CTAs). Sabendo do diagnóstico, é possível evitar a transmissão ou a progressão dessas doenças e suas graves consequências”, diz a coordenadora estadual de Hepatites Virais da SES, Adriana Cavalcanti.

    A hepatite B é o tipo mais comum, sendo 90% dos casos curáveis pelo próprio organismo. A principal forma de contágio é pela relação sexual sem preservativos, pelo sangue – compartilhamento de objetos perfurocortantes – ou é passada da mãe para o filho durante a gravidez (congênita).

    A hepatite B tem vacina disponível no calendário vacinal para toda a população. O esquema é feito em três doses: a segunda dose deve ser aplicada 30 dias após a primeira e, a terceira, seis meses após a primeira. Todo recém-nascido deve receber a primeira dose logo após o nascimento, preferencialmente nas primeiras 12 horas de vida. Se a gestante tiver hepatite B, o recém-nascido deverá receber, além da vacina, a imunoglobulina contra a hepatite B, nas primeiras 12 horas de vida, para evitar a transmissão de mãe para filho.

    Já a hepatite C é prioritariamente transmitida pelo contato com sangue contaminado, vias sexuais e transmissão vertical (da mãe para o bebê). Ainda não há vacina para essa patologia.


    As principais formas de se proteger contra as hepatites são:

    - Usar preservativo em todas as relações sexuais;

    - Exigir materiais esterilizados ou descartáveis em estúdios de tatuagem e de piercings;

    - Não compartilhar instrumentos de manicure e pedicure;

    - Não usar lâminas de barbear ou de depilar de outras pessoas;

    - Não compartilhar agulhas, seringas e equipamentos para drogas inaladas e pipadas, como o crack.

    Sintomas: Quando apresentam sintomas, as hepatites podem provocar cansaço, febre, mal-estar, tontura, enjoo, vômitos, dor abdominal, pele e olhos amarelados, urina escura e fezes claras.


    Cidades: Recife
    Assuntos: ses, hepatite
    Compartilhe: Link para o post:
  • Goiana ganha Centro de Reabilitação para crianças com SCZ/microcefalia

    | Saúde

    O Hospital Estadual Belarmino Correia, localizado em Goiana, iniciou nesta quarta-feira (26.07) o atendimento de reabilitação às crianças com Síndrome Congênita do Zika/Microcefalia. No local, os meninos e meninas receberão a assistência de uma equipe multiprofissional formada por fisioterapeuta, terapeuta ocupacional, fonoaudiólogo, ortopedista, assistente social e psicólogo.

    O novo Centro de Reabilitação em Goiana será referência para os dez municípios que compõem a XII Gerência Regional de Saúde (Geres). Ao todo, 16 crianças receberão o acompanhamento no hospital. “O lançamento desse novo serviço para as crianças com síndrome congênita do zika/microcefalia é mais uma medida do Governo de Pernambuco para descentralizar a assistência e oferecer esse acompanhamento mais próximo a casa dessas famílias, evitando que elas precisem se deslocar para o Recife. Aqui, faremos o mesmo atendimento de reabilitação que outros grandes centros”, destaca a diretora do Belarmino Correia, Adriana Lins.

    Com esse serviço, sobe para 32 o número de centros estaduais espalhados por todo o Estado que já prestam algum tipo de atendimento relacionado à microcefalia. No início de agosto, o número subirá para 33 com a inclusão do Hospital Regional Sílvio Magalhães, em Palmares. Com o próximo lançamento, todas as 12 Regionais de Saúde (Geres) de Pernambuco terão, pelo menos, 1 serviço de referência para as crianças com a Síndrome Congênita do Zika.

    DADOS – Desde o início das notificações, em 2015, a Secretaria Estadual de Saúde computou 2.357 casos notificados de SCZ/microcefalia, sendo 420 confirmados.

    Cidades: Goiana
    Assuntos: sds, hospital estadual belarmino correia, centro de reabilitacao, scz microcefalia
    Compartilhe: Link para o post:
  • SES lança informativo sobre esporotricose no 4º Congresso da Amupe

    | Saúde
    Material de campanha incentiva prevenção e tratamento da doença em animais e humanos

    Para incentivar o trabalho de prevenção à esporotricose junto aos municípios pernambucanos - micose subcutânea causada pelo fungo Sporothrix sp., que pode acometer humanos e animais, sobretudo gatos - a Secretaria Estadual de Saúde (SES) lança, nesta terça-feira (25.07), durante a abertura do 4º Congresso Pernambucano de Municípios, no Centro de Convenções, material informativo sobre a doença. O folder traz explicações sobre o fungo causador, sintomas, manifestações clínicas no homem e no gato, diagnóstico e tratamento, além de dicas de prevenção. 

    A intenção é distribuir o material para as secretarias municipais, já que o atendimento a estes pacientes é realizado nos postos de saúde; e também aos serviços de controle de zoonoses, responsável pelo tratamento no animal. "Vamos aproveitar a oportunidade em que os 184 municípios pernambucanos estarão reunidos em um mesmo evento da Associação Municipalista de Pernambuco (Amupe) para apresentação e entrega deste material de campanha. Dessa forma, podemos orientar os serviços e auxiliar a assistência", pontua o gerente de Vigilância e Controle de Zoonoses da SES, Francisco Duarte. 

    A esporotricose tem tratamento, principalmente quando é diagnosticada corretamente e em estágio inicial. É de médio a longo prazo, entre seis meses a um ano, podendo ser mais longo nos felinos, feito por antifúngicos. A ocorrência da doença está relacionada a regiões com umidade elevada e desde o final do ano passado, a SES implementou a vigilância da doença com a notificação de casos, diagnóstico laboratorial e oficinas de trabalho para definir diretrizes e fluxos com municípios. O diagnóstico pode ser clínico (reconhecimento da lesão) ou laboratorial (identificação do fungo). O diagnóstico e as análises laboratoriais em humanos na rede estadual são feitos no Laboratório de Endemias (Labend), unidade do Laboratório Central de Pernambuco (Lacen-PE). No caso do animal, o Laben é responsável apenas pela análise laboratorial. Em 2016, o Lacen confirmou 45 casos em animas. Em humanos, 4 casos. Já em 2017, até julho, foram 65 casos em animais e 8 em humanos. 

    Doença - O fungo causador da esporotricose geralmente habita o solo, palhas, vegetais e também madeiras, podendo ser transmitido por meio de materiais contaminados, como farpas ou espinhos. Animais contaminados, em especial gatos, também transmitem a doença, por meio de arranhões, mordidas e contato direto da pele lesionada. No homem a doença se manifesta na forma de lesões na pele, que começam com um pequeno caroço vermelho, que pode virar uma ferida. Geralmente estão presentes nos braços, pernas ou no rosto formando uma fileira de nódulos e feridas, afetando pele e vasos linfáticos próximos à lesão, mas pode também atacar ossos, pulmões e articulações.  Já nos animais, as manifestações clínicas são variadas. Os sinais mais frequentes são lesões ulceradas na pele, geralmente com pus, que não cicatrizam e costumam evoluir rapidamente.

    Amupe - Durante o Congresso, que ocorre até quinta-feira (27.07), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) estará com estande e distribuição de outros materiais informativos envolvendo as áreas de Vigilância e Assistência em Saúde. Também serão debatidos temas como o financiamento do Sistema Único de Saúde (SUS) e o Sistema de Informações sobre Orçamentos Públicos em Saúde, além do fenômeno da judicialização na gestão municipal, ambos ministrados pela secretária executiva de Coordenação Geral da SES, Ana Claudia Callou, na próxima quarta (26.07).
    Cidades: Recife
    Assuntos: ses, sus, amupe
    Compartilhe: Link para o post:
  • Programa Mãe Coruja implanta Plano de Desenvolvimento Infantil no Sertão do Araripe

    | Saúde

    Iguaracy

    A interação da criança com a mãe, a família e a comunidade, por meio de brinquedos e brincadeiras, é extremamente importante para o seu pleno desenvolvimento cognitivo, motor, emocional e social, especialmente nos primeiros anos de vida. Nesse sentido, como forma de promover o desenvolvimento infantil das crianças nascidas sob a sua rede de cuidados e acompanhamento, o Programa Mãe Coruja Pernambucana implementa, nos dias 25 e 26 de julho, o Plano de Desenvolvimento Infantil (PDI), no Sertão do Araripe, região na qual o programa foi iniciado há dez anos.  

    A ação, realizada em conjunto com a Secretaria Estadual de Educação, na sede da 16ª Gerência Regional de Educação (GRE) do município de Araripina, representa uma formação teórica introdutória para 60 profissionais dos 11 municípios do Sertão do Araripe, sobre o desenvolvimento infantil e seus desdobramentos, que atuarão diretamente com as famílias e crianças. Além de palestras e orientações, a capacitação inclui também oficinas temáticas e avaliações.

    Além da capacitação dos profissionais, o PDI também prevê formações futuras com famílias que se encaixam dentro do perfil inicial previsto, as quais receberão uma cartilha informativa e um kit de brinquedos visando estimular na criança maior ligação entre as atividades lúdicas e o âmbito familiar, contribuindo para o seu desenvolvimento. Compõem o kit brinquedos a serem trabalhados até os seis primeiros meses de vida da criança, como chocalho, tapete Eva, mordedores, fantoches, livros de histórias, entre outros.

    Serão selecionadas mães e crianças cadastradas no Programa Mãe Coruja Pernambucana, residentes nos municípios que fazem parte da 9ª Gerência Regional de Saúde (Araripina, Bodocó, Exu, Granito, Ipubi, Moreilândia, Ouricuri, Parnamirim, Santa Cruz, Santa Filomena, Trindade), com previsão de parto entre junho e dezembro deste ano.  

     “A ação reconhece o desenvolvimento infantil como eixo prioritário da atuação do Mãe Coruja, entendendo-se que a criança é um sujeito de direitos, dando-se importância ao seu contexto pessoal, emocional, social e ambiental. A primeira infância deve ser fundamentada no princípio da proteção integral, levando-se em conta os fatores biológicos, o ambiente e a forma como a criança recebe estímulos e estabelece seus laços afetivos”, explica a diretora geral de Gestão do Cuidado e Políticas Estratégicas do Mãe Coruja Pernambucana, Bebeth Andrade Lima.  

    MÃE CORUJA - O Programa Mãe Coruja Pernambucana completará 10 anos de atuação em 4 de outubro de 2017, sendo um dos programas sociais brasileiros de referência na área materno-infantil, reconhecido e premiado pela Organização das Nações Unidas (ONU) e pela Organização dos Estados Americanos (OEA), como modelo de Gestão de Política Pública.

     Tem como missão oferecer apoio às mães pernambucanas, antes e depois do nascimento de seus filhos, prestando atenção integral às gestantes usuárias do Sistema Único de Saúde (SUS) e aos seus bebês, garantindo a eles um desenvolvimento saudável e harmonioso durante os primeiros anos de vida. O programa representa uma parceria entre Governo de Pernambuco, prefeituras e a sociedade civil, com impacto positivo na melhoria dos indicadores sociais no estado.

    Implantado em 2007, tornou-se política pública de Estado com a Lei nº 13.959, de 15 de dezembro de 2009. Hoje, o Mãe Coruja está presente em 105 municípios pernambucanos, nas 12 Regionais de Saúde do estado, com gestão municipal no Recife e Ipojuca. Ao longo de sua história, o Programa já beneficiou mais 300 mil mulheres e crianças, oferecendo acompanhamento e apoio, empoderamento pela educação e orientação familiar, capacitação em cursos de qualificação profissional e segurança alimentar, entre outras ações.

     Serviço:

     Capacitação de Profissionais do Programa Mãe Coruja Pernambucana na 9ª Geres (Sertão do Araripe)

    Local: 16ª Gerência Regional de Educação (GRE). Endereço: R. Josafá, s/n BR-316 - Km 21 - Araripina - PE

    Público-alvo: Profissionais e professores do Programa Mãe Coruja Pernambucana

     PROGRAMAÇÃO

      25 de julho

    • 8h – 9h: Café da manhã e credenciamento.
    • 9h: Abertura – Fala institucional: Itamara Gomes Ramos, Rita Pontes Silva, Claudia Roberta Gomes, Adriana Toledo, Ana Elizabeth Lima.
    • 9h15 – 10h45 – O desenvolvimento infantil pelo olhar do Mãe Coruja (Virgínia Holanda e Ana Elizabeth Lima).
    • 10h45- 12h30 – Princípios norteadores e aportes teóricos sobre o desenvolvimento infantil (Claudia Roberta Gomes e Adriana Toledo).
    • 12h30 – Intervalo para o almoço
    • 14h – Retomada das atividades e divisão dos grupos para as oficinas (Auditório).
    • 14h20 – 17h – Oficinas temáticas (auditório, sala 1 e sala 2) - móbiles e garrafas sensoriais; - shantala e música; - brinquedos e contação de histórias;
    • 17h – 17h30 - Culminância das oficinas (auditório

     26 de julho

    • 8h – 9h: Café da manhã.
    • 9h – 10h30: Aspectos logísticos: o papel de cada profissional dentro do PDI e em suas oficinas (Rita Pontes Silva).
    • 10h30 – 11h30: Momento avaliativo da formação.
    • 11h30 – 12h: Considerações finais e encerramento.
    Cidades: Araripina
    Assuntos: mae coruja, sertão do araripe, araripina
    Compartilhe: Link para o post:
  • Hospital Miguel Arraes realiza ação contra Hepatites Virais

    | Saúde
    Dentre as cores escolhidas pelo Ministério da Saúde para alertar sobre doenças, coube ao mês de julho a cor amarela como forma de chamar atenção para os riscos das hepatites virais. A hepatite viral é uma infecção que acomete o fígado. Pode ser causada por 5 tipos de vírus, nomeados pelas letras A, B, C, D e E, cada um com características diferentes e formas de contágio e evolução específicas.

    De acordo com o MS, mais de três milhões de pessoas, em todo o Brasil, estão contaminadas com a doença. Em 10 anos, o país registrou mais de 300 mil novos casos, com mais de 37 mil óbitos. A Hepatite C é a mais perigosa e a que mais mata no Brasil, sendo responsável por 70% das mortes. Em todo o mundo, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), 80% dos casos de câncer de fígado são causados por hepatites virais. Para a OMS, as hepatites virais são 10 vezes mais infecciosas que o vírus da Aids.

    O Hospital Miguel Arraes (HMA), em Paulista, atende uma média de 32 pacientes por mês com os sintomas da doença. De janeiro até este mês de julho foram 225 notificações de casos suspeitos.

    Para alertar sobre o perigo das hepatites virais, o HMA promove nesta sexta-feira, 28, Dia Mundial de Luta contra as Hepatites Virais, uma grande ação a partir das 9h. Será realizada uma palestra com a infectologista Cátia Arcuri, coordenadora da Comissão de Controle de Infecção Hospitalar (CCIH), e com Fábio Queiroga, coordenador de Clínica Médica do Hospital Miguel Arraes, que esclarecerão sobre a doença. Em seguida, o Laboratório e o Núcleo de Vigilância Epidemiológica (NEPI) do HMA estarão realizando 200 testes rápidos para Hepatites B e C. O resultado sairá em 30 minutos e os casos positivos serão encaminhados para o IMIP, no Recife. A ação será realizada no auditório do Hospital Miguel Arraes.
     
    SINTOMAS

    Os principais sintomas da hepatite são febre, náuseas, vômitos, mal-estar, pele e olhos amarelados, além de falta de apetite e urina escura. Na presença deles, deve-se procurar uma unidade de saúde para realizar o exame de sangue capaz de detectar a existência do vírus no organismo.

    A mais conhecida de todas é a Hepatite A (HAV), cujo vírus é transmitido por água ou alimentos contaminados com as fezes de um portador humano. Por isso está relacionada às más condições de higiene e/ou saneamento básico. Não há tratamento específico, mas a evolução em geral é boa e a recuperação é completa.

    As mais graves são a Hepatite B e C (HCB e HCV), cujos vírus podem ser transmitidos por relações sexuais desprotegidas ou por procedimentos que envolvem sangue, sem os devidos e fundamentais cuidados de esterilização. O problema da hepatite C é que ela pode ser totalmente assintomática nas fases iniciais. Muitos ficam sabendo que a possuem por exames laboratoriais. Apenas 20% dos acometidos se curam. Os 80% restantes em geral evoluem para quadros crônicos. Desses, uma parcela pode evoluir para cirrose ou para o carcinoma de fígado. 
    Cidades: Paulista
    Assuntos: hma, hepatite,
    Compartilhe: Link para o post:
  • SES inscreve experiências exitosas em saúde para Seminário

    | Saúde

     

    Mostra competitiva visa a valorização das ações realizadas em promoção à saúde do Estado

    Objetivando reconhecer iniciativas inovadoras no âmbito da gestão da saúde e o compartilhamento de experiências dos profissionais que compõem o Sistema Único de Saúde (SUS), a Secretaria Estadual de Saúde (SES) promove o I Seminário de Experiências e Inovações da Vigilância em Saúde. As ações devem ter sido desenvolvidas entre os anos de 2015 e 2017, e terem, no mínimo, seis meses de execução. Os interessados podem se inscrever, gratuitamente, no site www.seminariovs.saude.pe.gov.br, a partir desta segunda-feira (24.07) até o dia 20 de agosto. O seminário será realizado nos dias 9 e 10 de novembro e será composto por mostras competitivas em seis áreas.

    Gestores e técnicos que atuam nas áreas de vigilância em saúde, promoção da saúde, prevenção e controle de doenças e agravos nos âmbitos municipal, regional (Geres) e da Rede Estadual de Vigilância Epidemiológica Hospitalar, poderão participar por meio da apresentação de experiências bem sucedidas e/ou com características de inovação que contribuam para o aperfeiçoamento das ações de vigilância, prevenção e controle de doenças e agravos de interesse da saúde pública. A homologação do resultado final será no dia 28 de novembro.

    O intercâmbio de experiências e de boas práticas de gestão visa contribuir para o aprendizado organizacional e motivar a multiplicação das experiências exitosas que promovam mudanças positivas nas organizações. A comissão organizadora do seminário é constituída pela equipe técnica da Gerência de Monitoramento e Avaliação da Vigilância em Saúde.

    “Pretendemos mostrar o que os profissionais de saúde de Pernambuco têm desenvolvido na gestão e na prática de atividades voltadas para Vigilância. Outro objetivo nosso é o de motivar esses profissionais que trabalham na ponta e que estão pensando de forma diferente e colaborativa. Esperamos que a iniciativa se torne, no futuro, parte integrante dos eventos voltados para saúde pública”, afirmou a gerente de monitoramento e avaliação da Vigilância em Saúde da SES, Yluska Reis.

    O autor principal poderá submeter apenas uma experiência em uma das áreas, que estão divididas em: Informações Estratégicas em Saúde; Promoção à Saúde e Vigilância de Doenças e Agravos Não Transmissíveis; Vigilância das Doenças Transmissíveis e das Doenças Negligenciadas; Vigilância Sanitária, Ambiental e em Saúde do Trabalhador; Vigilância e Controle das Doenças Causadas por Arbovírus; e Gestão da Vigilância em Saúde. Cada experiência poderá conter até cinco coautores, além do autor principal, o qual será o responsável pela submissão da experiência.

    O resultado final será homologado pela Secretaria Executiva de Vigilância em Saúde da SES, por meio de publicação em Diário Oficial e no endereço eletrônico: www.seminariovs.saude.pe.gov.br

    Assuntos: ses, sus
    Compartilhe: Link para o post:
  • Síndrome Congênita do Zika: SES promoveu curso para pais e cuidadores

    | Saúde

    ses

    Atividade foi voltada para famílias da I Geres. Evento reuniu cerca de 200 pessoas

    Para oferecer mais informações às famílias das crianças com Síndrome Congênita do Zika/Microcefalia e ter um momento de escuta qualificada, o Núcleo de Apoio às Famílias com Microcefalia promoveu, nesta sexta-feira (21.07), na sede da Secretaria Estadual de Saúde (SES), no Bongi, um curso para pais, mães e cuidadores dos 20 municípios que integram a I Gerência Regional de Saúde (Geres), que tem sede no Recife. Profissionais de saúde de diversas especialidades foram convidados para participar do momento, como a neuropediatra Vanessa Van Der Linden, a fisioterapeuta Ana Patricia Bahe e a fonoaudióloga Ana Carla Freitas. Cerca de 200 pessoas participaram das atividades.

    No encontro, foram abordados os seguintes temas: os aspectos psicológicos e a importância da estimulação dos pacientes e orientações sobre a dificuldade de alimentação e linguagem. A Celpe também deu orientações de como as famílias podem solicitar a tarifa social de luz.

    “Em 2 anos de aprendizado de uma doença nova, tivemos que estudar bastante para trazer uma melhor solução possível para os portadores e o curso foi importantíssimo para repassar esse conhecimento aos pais e cuidadores.  É importante que eles tenham o conhecimento da doença para poder lutar de uma forma positiva pelas necessidades e melhorar a qualidade de vida dessas crianças”, comentou a neuropediatra,Vanessa Van Der Linden. 

    “Sabemos da importância do acompanhamento multidisciplinar constante, mas os pais, cuidadores ou responsáveis também podem auxiliar nesse processo no dia a dia da criança”, ressaltou a coordenadora do Núcleo, Laura Patriota, sobre a importância da estimulação em casa. Laura ainda esclarece que “o Núcleo está em funcionamento nas 12 Geres do Estado e o contato com as famílias é constante. Por meio desse diálogo, temos ouvido as demandas e, com isso, tentado solucionar as questões com toda a rede de assistência à saúde, além de dar suporte para que essas famílias tenham acesso as demandas de outros órgãos, como com o INSS e Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social”. 

    A expectativa do Núcleo de Apoio às Famílias com Microcefalia é que novos cursos sejam realizados para atender os pais e as crianças dos outros municípios pernambucanos. 

    DADOS – Desde o início das notificações, em 2015, a Secretaria Estadual de Saúde computou 2.357 casos notificados, sendo 420 confirmados. Hoje, 27 unidades da rede estadual já prestam algum tipo de atendimento relacionado à microcefalia, espalhadas por todas as Regiões do Estado.

     NÚCLEO DE APOIO ÀS FAMÍLIAS – Com o intuito de coordenar e monitorar o trabalho relacionado às famílias e crianças com microcefalia, a Secretaria Estadual de Saúde (SES) instituiu, em maio de 2016, o Núcleo de Apoio às Famílias com Microcefalia. Formado por uma equipe de 13 assistentes regionais distribuídos nas 12 Regionais da Saúde, um assistente e um coordenador no Nível Central, é responsável por monitorar e acompanhar, de modo regionalizado, as crianças notificadas durante toda a linha do cuidado, além de prestar apoio às famílias e desenvolver estratégias para garantir seus direitos. 

    Assim, faz parceria com a Secretaria Estadual de Desenvolvimento Social, Secretaria Estadual de Defesa Social, INSS, Programa Mãe Coruja, UMA (União de Mãe de Anjos) e em especial com as Secretarias Municipais de Saúde, elaborando estratégias para atender as famílias e buscando soluções para as problemáticas já existentes. 

    Cidades: Recife
    Assuntos: ses, microcefalia
    Compartilhe: Link para o post:
  • SES reúne profissionais de saúde para discutir assistência à vítima de violência sexual

    | Saúde

    Setecentos profissionais de saúde vão se reunir no auditório do Instituto Materno Infantil Professor Fernando Figueira (Imip), nesta quinta-feira (20.07), das 8h às 17h, para discutir o atendimento às vítimas de violência sexual. Entre os temas que serão abordados na capacitação, estão a importância dos registros de notificação compulsória da violência, Lei Maria da Penha, aborto legal, acolhimento humanizado e medidas preventivas de preservação da saúde da vítima.

    O tema vem sendo discutido, há um ano, pela Gerência de Atenção à Saúde da Mulher da Secretaria Estadual de Saúde (SES) com a finalidade de otimizar o trabalho desenvolvido na rede de atendimento à pessoa vítima de violência sexual no Estado. O trabalho abrange diversos setores, como Saúde da Mulher, do Homem, da Criança, do Idoso e da População LGBT.  O objetivo é capacitar todas as unidades de referência do Estado para o correto atendimento a essa população.  

    De janeiro deste ano até o dia 17 de julho, os hospitais pernambucanos notificaram 613 atendimentos a vítimas de violência sexual, sendo 575 delas do sexo feminino e 38 do sexo masculino. As principais unidades notificadoras foram o Hospital Agamenon Magalhães (Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa – Recife), o Hospital Dom Malan (Petrolina), o Imip (Recife), o Hospital da Mulher do Recife (Pró-Marias – Recife) e o Hospital Jesus Nazareno (Caruaru).

    “A pessoa vítima de violência sexual, seja mulher ou homem, precisa ser acolhida nos serviços de saúde e os profissionais devem estar aptos para seguir o protocolo de atendimento clínico, tanto para a parte física quanto para evitar as infecções sexualmente transmissíveis. A vítima também precisa saber que, além da denúncia policial, indispensável para a construção de políticas públicas, há serviços que podem acolhê-las e que isso é essencial para sua saúde”, explica a gerente de Atenção à Saúde da Mulher da SES, Leticia Katz.

    A gerente ressalta que, em alguns casos, após a violência sexual, é preciso seguir o protocolo que inclui o coquetel para as infecções sexualmente transmissíveis, como HIV, e os exames subsequentes. No caso de vítima feminina, ainda é feito o contraceptivo de emergência e, se necessário, o aborto previsto em lei. Todas as medidas são rigorosamente analisadas pelos médicos e equipes de plantão. “Cada público tem um protocolo de medicamentos específicos, que deve ser seguido pelos profissionais de saúde”, ressalta.

    Outro tema da capacitação é o acolhimento à criança vítima de violência sexual, para que os profissionais possam identificar os sinais desse agravo e, com isso, prosseguir com o protocolo de atendimento. De acordo com a médica Carmelita Maia, que atua na Policlínica Lessa de Andrade, nem sempre é possível fazer o tratamento profilático nesse público, devido ao tempo de ocorrência do caso.

    “Só é possível tomar todas as medidas profiláticas se a criança chegar ao serviço em até 72 horas após a ocorrência. Ultrapassado esse período é preciso realizar todos os exames necessários para saber se a vítima foi infectada com alguma doença, como HIV e sífilis. Em caso positivo, o tratamento deve ser iniciado”, ressalta a médica, que também reforça a importância do acompanhamento ambulatorial interdisciplinar da criança e de seus familiares.

    SERVIÇOS – Em todo o Estado, há diversas unidades de referência que realizam o atendimento integral às vítimas de violência sexual. São elas:

    I GERES: Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam – Pró-Marias) – Recife; Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) – Recife; Hospital da Mulher do Recife (Centro de Atenção à Mulher Vítima de Violência Sony Santos) – Recife; Hospital Agamenon Magalhães (Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa) – Recife; Hospital e Maternidade Petronila Campos - São Lourenço da Mata; Maternidade Arnaldo Marques  - Recife; Maternidade Bandeira Filho – Recife; Unidade Mista Prof Barros Lima – Recife.

    IV GERES: Hospital Jesus Nazareno – Caruaru.

    VII GERES: Hospital Regional Inácio de Sá – Salgueiro.

    VIII GERES: Hospital Dom Malan – Petrolina.

    XI GERES: Hospital Professor Agamenon Magalhães – Serra Talhada.

    Cidades: Caruaru, Petrolina, Recife, Salgueiro, São Lourenço da Mata
    Assuntos: ses, imip
    Compartilhe: Link para o post:
  • HAM conta com serviço de hemodinâmica em tempo integral

    | Saúde

    Setor é para realizar diagnóstico e tratamento de problemas cardíacos

    O Hospital Agamenon Magalhães (HAM), um dos mais importantes suportes ao Sistema Único de Saúde (SUS) em Pernambuco, passa a contar com o serviço de hemodinâmica com atendimento em tempo integral destinado para pacientes da unidade ou referenciados por meio da Central de Regulação de Leitos da Secretaria Estadual de Saúde (SES). Com realização de procedimentos considerados minimamente invasivos ou endovasculares, as técnicas utilizadas buscam diagnosticar ou tratar problemas cardiológicos.

    O serviço de alta complexidade está em funcionamento desde 2007, mas foi a partir de julho que passou a ser disponibilizado por 24h. No mês de maio, foram realizados 197 procedimentos. Desse número, 121 foram cardíacos e 52 angioplastias coronarianas. A demanda do setor se divide em pacientes com alterações cardíacas e procedimento vascular periférico. “O Agamenon é um dos grandes serviços de cardiologia do Estado. Nosso diferencial é ter possibilidade de tratar de imediato as síndromes coronarianas agudas, como os infartos do miocárdio ou angina do peito, e assim desobstruir as artérias sem precisar abrir toda área”, comenta o médico cardiologista hemodinamicista e coordenador do serviço de hemodinâmica do HAM, Flávio Japyassu.

    Dentro do quadro de procedimentos realizados, está o diagnóstico por meio do cateterismo cardíaco e o tratamento por meio de angioplastia com implante de stent (tubo para desobstrução de artérias). A equipe do Agamenon Magalhães conta com profissionais cardiologistas intervencionistas e cirurgiões vasculares que atuam em procedimentos diversos das patologias do infarto e anginas do peito, quando as artérias coronárias tornam-se estreitas para o fornecimento de sangue suficiente para o funcionamento do coração. 

    Na Região Metropolitana do Recife (RMR), o serviço de hemodinâmica também funciona nos hospitais da Restauração (HR), Dom Helder Câmara e Pelópidas Silveira. No interior, desde dezembro de 2016, também é ofertado no Hospital Mestre Vitalino, em Caruaru. Referência em cardiologia no Estado, o Hospital Agamenon Magalhães realiza, por mês, 800 atendimentos na sua Emergência Cardiológica.
    Cidades: Caruaru, Recife
    Assuntos: sus, ses, hospital agamenon magalhaes
    Compartilhe: Link para o post: