Governo do estado de
Pernambuco

Blog

 

Governador participou, por videoconferência, de debate nacional sobre o processo de descarbonização e da busca por caminhos sustentáveis, promovido pela Spipa e Abema

O governador Paulo Câmara participou, na manhã desta quinta-feira (27.01), de um debate dentro da série de diálogos “Recuperação Verde: caminhos sustentáveis para os Estados”. O encontro, realizado por videoconferência, foi promovido pelo programa Strategic Partnerships for the Implementation of the Paris Agreement (Spipa), em parceria com a Associação Brasileira de Entidades Estaduais de Meio Ambiente (Abema), e discutiu ações que visam apoiar o processo de descarbonização nos Estados brasileiros, aliado à recuperação econômica verde pós-pandemia.

“Pernambuco trata com muita seriedade a emergência climática, e continuará trabalhando no sentido de alcançar a neutralidade das emissões de gases de efeito estufa até 2050. Essa conferência reafirma a importância do diálogo, da colaboração dos Estados brasileiros e dos demais entes subnacionais, que têm revelado preocupação e assumido compromissos com o enfrentamento dos problemas decorrentes das alterações climáticas no mundo todo”, destacou Paulo Câmara.

No evento, voltado para gestores públicos dos Estados, um dos temas discutidos foi “Oportunidades para mitigar as mudanças climáticas pelo intercâmbio de ideias e ações com a União Europeia”. A série conta com a participação de especialistas do Brasil e da Europa, que abordaram temas como a transição energética e a descarbonização da economia. O principal objetivo é auxiliar os governos estaduais na busca de caminhos sustentáveis para o crescimento econômico, aliado ao cumprimento das metas de redução de emissões de carbono delimitadas pelo Acordo de Paris.

Para isso, foram utilizados como base os conceitos do Pacto Ecológico Europeu, agenda que tem como ponto central garantir a neutralidade climática da Europa até 2050, data estabelecida pelo bloco europeu como meta para zerar o balanço das emissões de gases do efeito estufa. Com medidas que vão do campo às cidades, da restauração de florestas à eficiência energética, o Pacto Ecológico Europeu é uma estratégia de crescimento que pretende revolucionar a economia do bloco, gerar empregos e formar uma sociedade mais justa e conectada.

NEUTRALIDADE – Para alcançar a neutralidade climática em 2050, a União Europeia planeja implementar ações concretas para reduzir a zero o balanço das emissões de gases de efeito estufa em setores essenciais como energia, transporte e indústria, além de medidas de compensação e sequestro de carbono, como a recuperação de florestas e áreas degradadas.

O encontro contou com a participação do embaixador da União Europeia no Brasil, Ignácio Ybáñez; o secretário estadual de Meio Ambiente e Sustentabilidade, José Bertotti; a secretária executiva de Meio Ambiente e Sustentabilidade e coordenadora da Câmara Técnica do Clima da Abema, Inamara Mélo; e gestores ambientes do Brasil.

 

 

Processo permitirá a contratação de uma parceria público-privada para construção de uma unidade de captação com capacidade de 135 MW

O governador Paulo Câmara autorizou, na manhã desta segunda-feira (31.01), o início do processo de licitação na Compesa, que permitirá a contratação de uma parceria público-privada para construção de uma usina solar no Estado, com capacidade de geração de 135 MW. A iniciativa, inédita entre as empresas de saneamento do País, tira a Compesa do patamar de maior consumidora de energia elétrica de Pernambuco e a coloca como uma das maiores geradoras do Estado. No projeto, o investimento total do parceiro privado será de R$ 527 milhões, com prazo do contrato estipulado em 29 anos.

“A energia produzida vai atender 65 unidades consumidoras, entre as estações de tratamento e estações elevatórias de alta e média tensão da Compesa, representando uma economia de 37% em relação ao valor pago à distribuidora do Estado”, afirmou Paulo Câmara.

Nos quatro primeiros anos da concessão, o fornecimento será feito dentro do mercado livre de contratação, ambiente onde a energia é geralmente mais barata. “Após a assinatura do contrato, a parceira terá o prazo de seis meses para migração das unidades de consumo para o mercado livre de contratação e elaboração do projeto para construção da usina em até quatro anos”, explicou a presidente da Compesa, Manuela Marinho. Ela estima que, no total, durante o período de vigência do contrato, a economia real para a companhia será de R$ 1 bilhão.

O gasto com energia elétrica é bastante significativo para as companhias de saneamento. No Brasil, cerca de 98% delas têm entre seus três maiores custos as despesas com esse insumo. Ainda de acordo com Manuela Marinho, em 2021 a Compesa foi responsável por 4% de toda a energia consumida em Pernambuco, número maior que os consumos individuais de 177 municípios do Estado. “Dessa forma, precisamos buscar fontes de energia renováveis e mais baratas para atender a nossa demanda e garantir que essa economia interna seja convertida em investimentos e em saneamento”, argumentou.

No rol de investimentos para geração de energia renovável, a Compesa já licitou e assinou ordem de serviço para implantação de três usinas solares no município de Flores, no Sertão do Pajeú, que somam juntas uma potência de 1,1 MWp e vão produzir energia na modalidade de geração distribuída por autoconsumo remoto para 38 unidades consumidoras, como escritórios e lojas de atendimento da Compesa. Com a iniciativa, a expectativa é de uma economia de até R$ 2 milhões ao longo dos cinco anos de contrato.

A companhia também está em vias de licitar a construção de três usinas solares flutuantes nas barragens de Duas Unas, Pirapama e Tapacurá, somando uma potência de 12 MWp para atender 630 unidades da Compesa. O projeto deve começar a operar em 18 meses, após a assinatura do contrato, e vai gerar uma economia de R$ 81 milhões ao longo dos 20 anos de vigência.

 

 

 

Em seu terceiro ano de execução, benefício alcança mais de um milhão de famílias e vai injetar aproximadamente R$ 170 milhões na economia do Estado

O governador Paulo Câmara anunciou, nesta segunda-feira (07.02), o calendário de pagamento do 13º do Bolsa Família Pernambuco. Os repasses referentes a 2021 serão feitos em uma única etapa, entre os dias 14 e 25 de fevereiro, de acordo com o dígito final do Número de Identificação Social (NIS) do beneficiário. A iniciativa representa um benefício direto para 1.190.567 famílias, injetando cerca de R$ 170 milhões na economia do Estado. Na solenidade, o governador também homologou a seleção simplificada para contratação de 116 profissionais para atuarem na assistência social.

“Essa é uma iniciativa importante para beneficiar as pessoas que realmente estão em situação de vulnerabilidade e que precisam de um olhar atento do Estado. Somando os três anos em que honramos o pagamento do benefício, são quase R$ 500 milhões investidos. Isso ajudou a minimizar o sofrimento de muitas famílias pernambucanas”, destacou Paulo Câmara.

A parcela extra para cada beneficiário pode chegar a R$ 150. O pagamento será realizado nos mesmos locais e com o cartão já utilizado por quem recebe parcelas do antigo Bolsa Família, programa substituído pelo Auxílio Brasil. É importante ressaltar que, mesmo com a mudança do programa, por decisão do governo federal, os pagamentos do benefício estadual ocorrerão normalmente, desde que o beneficiário tenha recebido o Bolsa Família durante, pelo menos, metade dos meses do período de apuração (de fevereiro de 2021 a janeiro de 2022), de forma intercalada ou em meses consecutivos.

O secretário de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude de Pernambuco, Sileno Guedes, enfatizou a importância do pagamento do benefício estadual, mais uma vez, em um período de agravamento das demandas sociais em todo o País. “É uma iniciativa que não acontece em nenhum outro Estado, mas Pernambuco tem suas contas organizadas e perseverou nesse compromisso, de ter um olhar especial para a população mais vulnerável do Estado”, reforçou.

A Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ) disponibiliza a Ouvidoria Social para que a população possa tirar dúvidas sobre o pagamento do 13º do Bolsa Família Pernambuco. O contato pode ser feito, de forma gratuita, pelo telefone 0800.081.4421, de segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.

ASSISTÊNCIA SOCIAL – Além do lançamento do calendário de 2022 do 13º do Bolsa Família, o governador Paulo Câmara também autorizou a realização de uma seleção simplificada com o objetivo de contratar 116 profissionais para atuarem na Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude, em áreas como proteção social básica, média e alta complexidade, monitoramento de programas e gerenciamento do Fundo Estadual de Assistência Social. Uma comissão será formada para elaborar o edital, a ser lançado nos próximos dias.

Outro anúncio feito na solenidade foi relativo à Escola de Formação do Sistema Único de Assistência Social (EsfoSUAS), criada em setembro do ano passado. Após os trâmites iniciais de instalação da sede, no bairro da Boa Vista, no Recife, foram anunciados os dois primeiros cursos de pós-graduação da instituição: Especialização em Políticas Sociais e Especialização em Gestão de Políticas Sociais, cada um com 60 vagas disponíveis, destinadas a gestores e técnicos da política de assistência social que atuam no Governo do Estado e nos municípios de Pernambuco. As aulas devem começar em abril, após o processo de seleção, que ocorrerá mediante atendimento dos requisitos do edital.

Estiveram presentes à cerimônia a vice-governadora Luciana Santos; os secretários estaduais Décio Padilha (Fazenda), Gilberto Freyre Neto (Cultura), Ana Elisa Sobreira (Mulher), Alberes Lopes (Trabalho, Emprego e Qualificação), Cloves Benevides (Políticas de Prevenção à Violência e as Drogas) e Alexandre Gabriel (chefe da Assessoria Especial); além dos deputados estaduais Laura Gomes e Paulo Dutra e o prefeito de Ingazeira, Luciano Torres.

Participaram ainda a presidente do Colegiado Estadual de Gestores Municipais da Assistência Social, Ana Rita Suassuna; a presidente do Conselho Estadual de Assistência Social (CEAS), Edjane Santana; e a representante do Fórum Estadual de Trabalhadores do Sistema Único de Assistência Social de Pernambuco (FETSUAS/PE), Priscilla Viégas.

 

 

 

Com prazo de conclusão previsto para o final deste ano, a expansão tem investimentos estimados em cerca de R$ 660 milhões 

O governador Paulo Câmara visitou, nesta sexta-feira (04.02), as obras da segunda etapa da fábrica do Aché Laboratórios Farmacêuticos, no Complexo Industrial e Portuário de Suape, no município do Cabo de Santo Agostinho. A primeira etapa da planta, inaugurada em 2019, conta com um centro de distribuição e uma área dedicada à embalagem de produtos sólidos. Esta segunda fase possibilitará também a produção de medicamentos. O projeto completo, com previsão de conclusão para o final de 2022, totaliza cerca de R$ 660 milhões em investimentos, com a expectativa de gerar mais de três mil postos de trabalho diretos e indiretos até o final das obras. 

“Fico muito satisfeito de vir aqui e ver esta fábrica, que foi inaugurada no final de 2019, agora já finalizando uma expansão, com condições de fazer não só as embalagens, mas também de produzir os medicamentos aqui em Pernambuco. Isso reforça o potencial de se investir no Estado. Até o fim do ano vamos ter mais essa etapa concluída, gerando emprego e renda para a população”, afirmou Paulo Câmara. 

De acordo com a presidente do Aché, Vânia Machado, a evolução do projeto vai garantir o aumento da capacidade de produção. “Estamos concluindo a fase dois da nossa fábrica, gerando muitos empregos e, com isso, vamos aumentar a capacidade da empresa. Além disso, é muito bom poder contar com a mão de obra qualificada que encontramos em Pernambuco”, explicou. 

Instalado em um terreno de 250 mil metros quadrados, o laboratório do Aché vai fabricar, em Pernambuco, apenas medicamentos sólidos. Inicialmente, os produtos são trazidos de Guarulhos (SP) e aqui são embalados e distribuídos aos Estados das regiões Norte e Nordeste. Quando estiver em pleno funcionamento, a fábrica terá capacidade de produzir 700 milhões de unidades de medicamentos por ano. 

“Esse projeto totaliza R$ 660 milhões em investimentos e vai gerar empregos diretos e indiretos. Mais uma prova de que Pernambuco é um excelente lugar para investir. A empresa continua apostando no nosso Estado para expandir suas atividades e atender todo o território nacional”, frisou o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (Adepe), Roberto Abreu. 

GRUPO BRASILEIRO – O Aché Laboratórios Farmacêuticos é uma empresa 100% brasileira, com 52 anos de atuação no mercado. Conta com quatro complexos industriais: Guarulhos (SP), São Paulo (SP), Londrina (PR) e Suape (PE), além de participação na Melcon do Brasil e na Bionovis, joint-venture brasileira dedicada à pesquisa e desenvolvimento de medicamentos biotecnológicos. A companhia emprega mais de 4,7 mil colaboradores e possui uma das maiores forças de geração de demanda e de vendas do setor farmacêutico no Brasil. 

Acompanharam Paulo Câmara na visita a vice-governadora Luciana Santos; os secretários Alberes Lopes (Trabalho, Emprego e Qualificação), Alexandre Rebelo (Planejamento e Gestão), Décio Padilha (Fazenda) e Alexandre Gabriel (chefe da Assessoria Especial); o presidente da Adepe, Roberto Abreu; a presidente da Aché, Vânia Machado; o prefeito do Cabo de Santo Agostinho, Keko do Armazém; além de outros colaboradores da empresa. 

 

 

 

Intervenções, iniciadas em 22 de janeiro, visam aumentar a profundidade do atracadouro, facilitando a chegada de navios de maior tonelagem

O governador Paulo Câmara vistoriou, na manhã desta terça-feira (08.02), as obras de dragagem e serviços de desassoreamento e desobstrução dos berços de atracação, canais de acesso e bacias de evolução do Porto do Recife, na capital pernambucana. As intervenções, iniciadas em 22 de janeiro, têm o objetivo de ampliar a profundidade do porto, facilitando a manobra e atracação de navios de maior tonelagem. A previsão é de que a draga holandesa Lelystad conclua o serviço de todos os trechos previstos dentro de 40 dias.

“Essas obras vão nos dar condições de ajudar Pernambuco nessa retomada, melhorando cada vez mais o crescimento e as condições de competitividade no nosso Estado”, destacou Paulo Câmara. De acordo com o presidente do Porto do Recife, José Lindoso, há 10 anos não se fazia o serviço de dragagem no atracadouro.

“Nós estávamos com o calado comprometido. Com essas obras vamos retomar o normal, com condições ideais para receber maiores navios e número de cargas”, ressaltou Lindoso, enfatizando que, atualmente, a parte de carga do porto gera em torno de mil e trezentos empregos. “Com essa dragagem devemos criar mais trezentos ou quatrocentos empregos”, complementou.

O trecho do berço 00 ao 01 será aprofundado para 10 metros de profundidade; do berço 02 ao 06, para 11 metros de profundidade; e do berço 07 ao 09, para oito metros de profundidade. Os trechos mencionados chegarão às profundidades máximas, na maré alta, de 12,70m, 13,70m e 10,7m respectivamente. Serão aproximadamente 832.200 mil metros cúbicos de sedimentos dragados do cais acostável, canal interno e bacia de evolução.

A empresa responsável pelos serviços, a holandesa Royal Van Oord – vencedora do processo de licitação – é especializada em dragagem, recuperação de terras e construção de ilhas artificiais. Foram contratadas, também por licitação, as empresas Eicomnor e DBF para realizar a supervisão de obra e monitoramento ambiental, respectivamente. As obras estão orçadas em R$ 28,3 milhões. Após a finalização do serviço de dragagem, o calado do porto ainda passará por uma homologação da Marinha do Brasil.

Participaram da visita o capitão de mar e guerra Frederico Albuquerque (capitão dos Portos de Pernambuco); o presidente do Sindaçúcar, Renato Cunha; a chefe do Gabinete do Centro Histórico da Prefeitura do Recife, Ana Paula Vilaça; e o empresário Eduardo Monteiro.