meteorologia

Bacias Hidrográficas

Obra em todo lugar

Veja o que o Governo de Pernambuco está fazendo na sua região.

Blog de notícias

  • Comandante da Capitania dos Portos é homenageado em Suape

    | Suape

    Comandante Suape  

    O presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape, Marcos Baptista, homenageou, na última segunda-feira (8), o capitão de Mar e Guerra Marcelo Petrille Pacheco, que deixará o comando da Capitania dos Portos de Pernambuco neste mês de janeiro. Em seu lugar, assume o capitão de Mar e Guerra Maurício Bravo, que também participou da solenidade, realizada na sala da presidência do porto.

    Na solenidade, o presidente presenteou o comandante Petrille com uma medalha e uma peça tradicional do artesanato pernambucano. Marcos agradeceu ao representante da Marinha do Brasil pelo trabalho realizado durante os quase dois anos que esteve à frente da Capitania dos Portos pela presteza que demonstrou em todos os temas relacionados à área portuária do complexo. “Essa parceria é importante pois é interessante que os portos estejam preparados para o crescimento. Vamos continuar nesse caminho, trabalhando sempre juntos”, salientou o presidente.

    Petrille também destacou a proximidade entre as duas instituições e o clima colaborativo que sempre permeou a relação entre Suape e a Capitania. “A gente tem sempre que ter a segurança como questão primordial e sempre levamos essa questão muito a sério. As coisas planejadas com antecedência trazem resultados positivos e evitam problemas. Esse trabalho foi bem realizado aqui e agradecemos ao porto que sempre entendeu a posição da autoridade marítima”, ponderou.

    Na ocasião, o presidente Marcos Baptista também recebeu o convite da solenidade de posse do novo capitão de Mar e Guerra, comandante Maurício Bravo, que acontece no próximo dia 16 de janeiro. Também participaram da homenagem da última segunda-feira (8), o diretor de Gestão Portuária, Paulo Coimbra, o coordenador de Operações Portuárias, Felipe Fonseca, e o Chefe de Segurança do Tráfego Aquaviário na Capitania dos Portos de Pernambuco, Comandante Hélio Araújo.

    História
    A Capitania dos Portos de Pernambuco foi criada pelo Decreto Imperial nº 447, de 19 de maio de 1846, funcionando inicialmente numa dependência da Intendência da Marinha, a quem ficou subordinada. Em 1853, tornou-se autônoma, passando a funcionar no torreão octogonal de três pavimentos que existia no Cais da Lingueta (atual Praça Rio Branco ou "Marco Zero").

    Em 1857, a Capitania foi instalada, interinamente, em uma sala térrea ao lado do portão do Arsenal de Marinha, mas a partir do ano de 1903, foi transferida para o 1º andar do prédio denominado, Torre Malakoff.

    Por meio da Ordem do Dia nº 0057 de 19 de novembro 1976, do Comando do 3º Distrito Naval foi transferida para as atuais instalações, na Rua de São Jorge, nº 25, Bairro do Recife Antigo. Estas edificações abrigaram, anteriormente, a Escola de Aprendizes-Marinheiros de Pernambuco e o Grupamento de Fuzileiros Navais de Recife.

    Pelo do Decreto nº 81.591, de 20 de abril de 1978, foi alterada sua denominação de “Capitania dos Portos do Estado de Pernambuco” para “Capitania dos Portos do Estado de Pernambuco e do Território Federal de Fernando de Noronha”. Em 1989, o Decreto nº 97.537 de 21 de fevereiro altera a nomenclatura de “Capitania dos Portos do Estado de Pernambuco e Território Federal de Fernando de Noronha” para “Capitania dos Portos do Estado de Pernambuco”. A denominação atual de “Capitania dos Portos de Pernambuco” foi alterada pela Portaria nº276 do Ministro de Estado da Marinha em 19 de setembro de 1997.

    O novo comandante Maurício Bravo é formado pela Escola Naval do Rio de Janeiro e tem mestrado pela Escola de Guerra Naval. É especialista na área de aviação naval, tendo feito parte de várias comissões sobre o tema. O capitão de Mar e Guerra também possui condecorações importantes, como a Medalha de Mérito Marinheiro e Medalha de Mérito Santos Dumont.

    Cidades: Ipojuca
    Assuntos: sdec, suape, comandante homenageado
    Compartilhe: Link para o post:
  • Investimentos privados em tancagem chegam a R$ 540 milhões em Suape

    | Suape

    O ano mal começou e junto a ele chegam as primeiras boas notícias. O Porto de Suape fechou 2017 com mais um investimento em seu parque de tancagem de combustíveis, o quarto em todo o ano. Dirigentes do Grupo Temape solicitaram ao Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil, por meio da Secretaria Nacional dos Portos, o aumento da capacidade estática para armazenagem de combustíveis (gasolina, óleo diesel e etanol), e a reforma e modernização da estrutura do empreendimento. O plano de investimentos da empresa, orçado em R$ 72,8 milhões, já foi aprovado pela administração do porto. O terminal, agora, aguarda o posicionamento do governo federal. Junto às expansões da Pandenor, Decal e Tequimar são aproximadamente R$ 540 milhões em investimentos privados para ampliação da tancagem em Suape.

    Após essa aprovação, o Temape dará início a elaboração do projeto executivo das obras. A previsão é que os serviços comecem no 1º semestre de 2020. Com a expansão da estrutura, o terminal caminha para atender à crescente demanda operacional do empreendimento, que opera em Suape desde 1999. “Precisamos agir antecipadamente em relação ao mercado. Estamos saindo de um longo período de crise e os combustíveis movimentam o Brasil. Este é um momento assertivo e acreditamos que em breve voltaremos a movimentar os números praticados antes dos problemas econômicos”, comentou Fernando Guerra, Superintendente do Temape. Ao longo de 2017, o terminal movimentou aproximadamente 1 milhão de m³ em produtos.

    A empresa ampliará sua capacidade de estoque, passando dos atuais 58 mil m³ para 80 mil m³ de combustíveis, com a construção de três novos tanques. Os investimentos englobam, ainda, a construção de uma nova subestação de energia, a ampliação do sistema de combate a incêndios, novas balanças para caminhões, pavimentação e reforma do prédio administrativo, do almoxarifado e da oficina. “Trabalhamos com produtos que exigem máxima atenção e cuidado. Nossa modernização irá refletir em melhores condições de segurança para todos que trabalham no terminal”, reforçou, Fernando.

    AMPLIAÇÃO - Ao longo de 2017, quatro terminais de armazenamento de granéis líquidos instalados em Suape anunciaram projetos de expansão. Juntos, os terminais Pandenor, Decal, Tequimar e Temape somam R$ aproximadamente 540 milhões em investimentos privados. Atualmente, os parques de tancagem localizados no porto organizado de Suape têm capacidade de armazenamento de aproximadamente 700 mil m³. Com as expansões, ultrapassará 1 milhão de m³.

    A empresa Pandenor Importação e Exportação anunciou em fevereiro o investimento de R$ 70 milhões para a ampliação do seu parque de tancagem. O terminal está construindo oito novos tanques de armazenagem de graneis líquidos. Após a expansão, a Pandenor terá capacidade para armazenar 122 mil m³ de combustíveis líquidos. As obras já foram iniciadas e devem ser concluídas em julho de 2018.

    Em junho, a Decal noticiou o investimento de R$ 313 milhões para ampliação do seu parque de tancagem em Suape. Após as obras, a empresa passará a ter capacidade de comportar até 391 mil m³. As obras vão gerar 200 empregos diretos e indiretos, segundo a empresa.

    Já o Tequimar, controlado pelo Grupo Ultra, foi o terceiro a anunciar seu plano de expansão. O empreendimento possui capacidade estática de armazenamento de 160 mil m³ em produtos. Após obter a autorização para o seu plano de investimentos, a empresa irá ampliar em 40 mil m³ o seu potencial de estoque. Com isso, poderá armazenar, no total, 200 mil m³ de combustíveis com a construção de quatro novos tanques. O investimento ultrapassa os R$ 84 milhões.

    LIDERANÇA - Suape ocupa a primeira colocação entre os portos públicos do Brasil na movimentação de granéis líquidos, que compreendem produtos químicos e derivados de petróleo, como gasolina, diesel, álcool e óleo combustível, e é responsável pelo abastecimento de combustíveis em todo o Norte e Nordeste.

    De janeiro a novembro de 2017, do total de 21,3 milhões de toneladas movimentadas, os granéis líquidos foram responsáveis por mais de 15,7 milhões de toneladas dos produtos que circularam em Suape.  “A ampliação destes terminais de armazenamento de combustíveis é reflexo do potencial de Suape para receber essas cargas. Para o porto, a notícia de novos investimentos é proveitosa de todas as formas, pois irá refletir na movimentação de navios, na geração de novos empregos e no ganho da operação”, comentou Marcos Baptista, presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape.

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca
    Assuntos: sdec, suape, porto de suape, movimentaçao, capacidade de estoque, temape
    Compartilhe: Link para o post:
  • Suape registra em outubro melhor movimentação mensal de sua história

    | Suape

    De acordo com os dados registrados pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq), o Porto de Suape registrou em outubro a sua melhor movimentação histórica mensal. Foram 2.326.798 toneladas no período. Desde 2010, quando o órgão iniciou o processo de acompanhamento da movimentação de cargas dos portos públicos brasileiros, esta é a melhor marca alcançada pelo atracadouro pernambucano.  

    Essa recorde se deu, sobretudo, pela movimentação de granéis líquidos (combustíveis, álcool, óleos, gás e produtos químicos) e pelo aumento exponencial da circulação de veículos. Esses dois tipos de carga também tiveram a melhor marca já registrada pela Antaq em Suape.  O crescimento da carga e descarga de contêineres foi outro fator que contribuiu para a elevação dos números.

    Os granéis líquidos, principal carga movimentada em Suape, responderam por 1.802.986 toneladas no mês de outubro. Na comparação com o mesmo período de 2016, quando 1.525.465 toneladas foram movimentadas, o crescimento percentual foi de 18,19%. No total, o porto já acumula 14.029.179 toneladas operadas desse tipo de carga em 2017, mantendo Suape na liderança nacional. 

    VEÍCULOS - Com crescimento percentual de 182% na movimentação de veículos em relação a outubro de 2016, Suape registrou a chegada e saída de 10.320 carros no período. No ano passado, o número alcançado foi de 3.657 unidades. A marca consolida o atracadouro como o hub port de veículos para o Norte/Nordeste do país. As montadoras Jeep, GM, Toyota e Volkswagen utilizam o ancoradouro como porta de entrada e saída dos seus automóveis, distribuindo para concessionárias da região ou exportando para países da América Latina. Ao longo de todo o ano, já passaram por Suape 63.931 unidades. De janeiro a outubro, a alta é de 54% em relação ao mesmo período do ano passado.

    CONTÊINERES - A movimentação de contêineres no Porto de Suape se manteve na margem positiva em outubro. Foram 38.769 TEUs (unidade relativa a um contêiner de 20 pés) registrados, número maior que o apurado no mesmo mês de 2016 quando 37.944 TEUs foram calculados. No acumulado do ano (janeiro a outubro), 379.466 TEUs foram movimentados. O aumento é de 19,5% em relação aos mesmos meses de 2016.

    ACUMULADO - No total, até outubro de 2017, o porto alcançou a movimentação de 19.041.578 de toneladas, mantendo a 5ª posição entre os portos públicos de maior destaque na movimentação nacional. As principais operações continuam sendo as de cabotagem, com 12.418.579 de toneladas, seguidas pelas importações com 5.314.381 de toneladas e as exportações com 1.308.619 de toneladas. No período, 1.339 atracações foram operacionalizadas no atracadouro.

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho
    Assuntos: sdec, suape, movimentaçao, porto de suape, antaq
    Compartilhe: Link para o post:
  • Suape investe em prevenção de acidentes e capacitação ambiental no porto

    | Suape

    Como parte da sua política de prevenção de acidentes de trabalho e ambientais, a administração do Complexo Industrial Portuário de Suape executou, em parceria com as empresas Pandenor e Transpetro, mais um simulado do Plano de Controle e Emergência de Suape. O treinamento foi realizado na terça-feira (28), no Píer de Granéis Líquidos Nº 1 (PGL 1), localizado no Porto Organizado de Suape. Na ocasião, as equipes simularam um princípio de incêndio no local. No PGL 1 operam, de forma compartilhada, as empresas de combustíveis Transpetro, Pandenor, Ultracargo e Temape.

    Toda a operação foi orquestrada pelas equipes técnicas de Suape, em parceria com equipes da Pandenor e da Transpetro, que devem agir de imediato nestes casos. O simulado foi iniciado às 14h. O cenário escolhido foi o de um princípio de incêndio no PGL 1, com evacuação de área, resgate de vítima e atividades de primeiros socorros.

    A atividade ainda contou com o apoio da equipe de rebocadores da empresa Saam Smit, que resgatou as vítimas pelo mar e levou todos os envolvidos na simulação até o Cais 4. No cais, a vítima do treinamento foi atendida na ambulância de Suape e encaminhada até a unidade hospitalar, na Unidade de Pronto-Atendimento (UPA) do Cabo de Santo Agostinho. 

    Nesta edição, o simulado do plano de emergência teve como objetivo avaliar o fluxo de resposta ao combate de incêndio no PGL 1, onde navios descarregam cargas de granéis líquidos como diesel, gasolina, querosene de aviação e químicos como butadieno e paraxileno. Este tipo de simulado é um dos mais críticos cenários testados pelas equipes.

    PLANO DE EMERGÊNCIA INDIVIDUAL (PEI) Na última sexta-feira (23), as equipes de Suape em parceria com a empresa Decal, realizaram o Simulado Anual do Plano de Emergência Individual (PEI). O cenário foi de derramamento de óleo diesel no Píer de Graneis Líquidos N° 2 (PGL 2), onde, atualmente, operam as empresas Transpetro e Decal.

    Participaram do PEI as equipes técnicas de Suape e da DECAL, o presidente de Suape, Marcos Baptista, e o Diretor de Gestão Portuária de Suape, Paulo Coimbra, além de representantes da CPRH, Marinha do Brasil, Ibama e Antaq. Toda a operação foi orquestrada pela empresa Hidroclean - Bravante, contratada tanto pelo Porto de Suape quanto pela Decal para agir nesses casos de derramamento.

    SIPATMA - Em paralelo aos simulados e atividades de prevenção realizadas pelo Complexo de Suape nos últimos dias, a administração da empresa iniciou na segunda-feira (27), a Semana Interna de Prevenção de Acidentes do Trabalho e Meio Ambiente (Sipatma) 2017. O tema desta edição é “Por que se arriscar? Segurança em primeiro lugar” e tem o objetivo de orientar e conscientizar sobre a saúde e a segurança no trabalho.

    A palestrante Karla Júlia Marcelino, vice-presidente da Associação Brasileira de Ouvidores/Ombudsman, ministrou a palestra de abertura da semana com o tema Ética na Gestão Pública, abordando assuntos como liderança, assédio moral e corrupção. Karla que foi responsável por implantar a Ouvidoria Geral do Estado e a Rede de Ouvidorias. O evento será encerrado na próxima sexta-feira (1º).

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca
    Assuntos: sdec, suape, prevençao de acidentes, capacitaçao ambiental, complexo industrial portuario
    Compartilhe: Link para o post:
  • CPRH inicia tratativas para elaboração do Plano de Área do Porto de Suape

    | Meio Ambiente, Suape

    Reunião inicial, nesta segunda (20), teve a participação de empresas do Complexo de Suape

    Atendendo a convocação da Agência Estadual de Meio Ambiente (CPRH), gestores de empresas que compõem o Complexo de Suape participaram, nesta segunda (20), de uma reunião com técnicos do órgão ambiental para tratar dos seus Planos de Emergência Individuais (PEIs) e dos estudos para futura elaboração do Plano de Área (PA) do Porto de Suape.  Focado na prevenção, o PA terá a junção de todos os PEIs, inclusive o do Porto. Trata-se de uma exigência legal para eventuais casos de incidentes de poluição, com derrame de óleo no mar.

    Os Planos de Emergências Individuais e o Plano de Área são exigências contidas na resolução 398 do Conselho Nacional do Meio Ambiente (Conama) e no decreto federal nº 8127, que institui o Plano Nacional de Contingência para Incidentes de Poluição por Óleo em Águas sob jurisdição Nacional. No caso do Porto de Suape,  será elaborado com a coordenação da CPRH, entidade fiscalizadora, e deverá ser concluído no prazo de um ano.

    Um dos objetivos iniciais do trabalho, discutido na reunião realizada no Prédio da Autoridade Portuária, será a busca de uma padronização dos planos de emergência, visando iniciar os estudos para a futura elaboração do PA. Da CPRH, participaram técnicos da Diretoria de Controle de Fontes Poluidoras (DCFP) – as analistas ambientais Stella Araújo e Mirella Moraes, e a técnica ambiental Patrícia Martins. Da administração do Porto, a gestora Danielle Cássia e a oceanógrafa Danielle Mallmann. Foi apresentado às empresas o planejamento que será seguido para que o PA esteja concluído dentro do previsto.  

    EFLUENTES – Ainda na reunião, a CPRH aproveitou para apresentar às empresas a nova padronização para o envio à Agência do automonitoramento de efluentes industriais, via e-mail. A gestora Graça Cruz, da Unidade de Monitoramento de Fontes Poiluidoras (UMFP), fez a apresentação do sistema, que objetiva melhorar e facilitar a gestão dos dados recebidos pela Agência.               

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca
    Assuntos: semas, cprh, complexo de suape, plano de area
    Compartilhe: Link para o post:
  • Suape realiza audiência pública para empresas interessadas na exploração de GLP

    | Suape

    O Complexo Industrial Portuário de Suape realizará, no próximo dia 30, audiência pública para empresas interessadas em explorar a atividade de envase e distribuição de gás liquefeito de petróleo (GLP). O evento é a primeira etapa antes da abertura de concorrência para cessão de uso onerosa de uma área de 24 mil metros quadrados, localizada no polo de graneis líquidos, em área não afeta à operação portuária. Os estudos e minutas estão disponíveis no www.suape.pe.gov.br e poderão ser objeto de contribuições dos participantes. A audiência será realizada na sede administrativa, em Ipojuca.

    O valor estimado do investimento é de R$ 66,3 milhões, mas poderá variar de acordo com as contribuições apresentadas. O prazo de outorga ou tempo do contrato será de 15 anos. O cessionário que vencer a licitação ficará responsável pela ampliação e desenvolvimento da infraestrutura, benfeitorias ou substituições necessárias e manutenções na infraestrutura existente.

    O pedido para realização da licitação já foi apresentado ao governo federal. Na última segunda-feira (13), o Ministério dos Transportes, Portos e Aviação Civil publicou portaria (943/2017) no Diário Oficial da União autorizando a cessão do terreno. Além dos investimentos, o vencedor da concorrência terá que arcar com o valor estabelecido, resultante do estudo simplificado, para contrato de cessão onerosa, que é de, no mínimo, de R$ 5,65/m² por mês. Isso totaliza um valor global estimado mínimo de R$ 24,4 milhões a ser pago a Suape ao longo dos 15 anos. Vencerá a licitação aquele que oferecer o maior valor à autoridade portuária.

    A empresa que vier a fazer uso dos serviços oferecidos pela autoridade portuária se submeterá ao cumprimento das obrigações contidas em tabela pública de tarifas, devendo ainda cumprir com o disposto na minuta de contrato, em especial uma performance mínima de 60 mil toneladas/ano (consumo aparente), considerando-se os dois segmentos de mercado (domiciliar, granel e outros envasados). O GLP é comercializado de duas formas: em botijões de 13kg, para consumo domiciliar, ou a granel, destinado a indústrias, comércio, serviços e condomínios.

    Os estudos preliminares revelaram que as bases de envase localizadas em Suape operam 24% do recorte nacional de consumo de GLP. Essas bases, objeto da licitação, atendem aos estados de Pernambuco, Alagoas, Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará, o que em números de 2016 representam 53% do market share de toda a região Nordeste.

    “Suape distribui atualmente 655 mil toneladas de GLP/ano e somente Pernambuco consome 310 mil toneladas/ano. Tudo isso mostra a importância e a necessidade de modernizarmos nossas instalações, o que também trará reflexos positivos em nossa movimentação portuária”, ponderou o vice-presidente de Suape, Marcelo Bruto. O atracadouro pernambucano ocupa a primeira posição nacional na movimentação de graneis líquidos entre todos os portos públicos do país, com 17,3 milhões de toneladas (2016).

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho, Ipojuca
    Assuntos: sdec, suape, exploraçao, glp, audiencia publica
    Compartilhe: Link para o post:
  • Suape completa 39 anos de história com os olhos voltados para o futuro

    | Suape

    Suape completa, nesta terça-feira (07), 39 anos de uma história construída com o suor de muitos pernambucanos que lutaram para ver nascer um porto industrial no Estado. Quase quatro décadas depois, é notável a consolidação da zona industrial, abrigando fábricas de diversos setores que contribuem significativamente para o crescimento econômico de Pernambuco. O Porto de Suape, o mais importante e estratégico das regiões Norte e Nordeste, acumula recordes de movimentação de cargas ao longo dos últimos anos, firmando-se entre os principais atracadouros do país.

    O porto-indústria abriga 100 empreendimentos instalados ou em fase de implantação, que geram mais de 18 mil empregos diretos. Outras indústrias e grandes projetos estão a caminho. O Aché Laboratório Farmacêutico vai instalar a maior fábrica do grupo no Complexo de Suape, com aporte de R$ 500 milhões, o maior anúncio de investimento privado no Brasil no ano passado. Serão 500 empregos diretos e 2,5 mil indiretos. O segundo terminal de contêineres (Tecon 2) está bem próximo de tornar-se uma realidade, com previsão de investimento da iniciativa privada da ordem de R$ 1 bilhão. Com a conclusão do Estudo de Viabilidade Técnica, Econômica e Ambiental (EVTEA), o projeto agora aguarda os trâmites do governo federal e deve estar no mercado no ano que vem.

    Outros projetos devem ser concluídos em breve. É o caso dos parques de tancagem da Pandenor e da Decal, que já receberam autorização para ampliação através do Programa de Parceria de Investimentos (PPI) do governo federal, o que deverá aumentar de forma expressiva a movimentação de graneis líquidos no Porto de Suape. O mesmo PPI também contemplou a ampliação do Terminal de Açúcar da Agrovia, que passará a movimentar outros grãos. Um investimento de R$ 40 milhões que trará novas oportunidades de negócios.

    Suape também já recebeu as propostas dos interessados em explorar o truck center, pátio de caminhões com 500 vagas estáticas e infraestrutura necessária para reduzir o tempo de descarregamento e embarque das cargas provenientes dos terminais localizados no porto. Há, ainda, uma série de outros projetos que devem sair do papel, como o terminal de regaseificação, o arrendamento do pátio de veículos e o terminal de minérios, que depende da conclusão da ferrovia Transnordestina.

    Tudo isso mostra a importância e o potencial de Suape para o Estado e as regiões Norte e Nordeste. Em 2016, o porto fechou o ano com o recorde de 22,74 milhões de toneladas de cargas movimentadas, crescendo quase 15% em relação ao ano anterior. Essa taxa foi a maior entre os 10 maiores portos públicos do país, o que alavancou Suape para a 5ª posição no ranking nacional de movimentação de cargas. Este ano, os contêineres cresceram 22% no período de janeiro a setembro, um dos maiores recordes já registrados desde o início da operação do Tecon Suape em 2002.

    “Seguimos aguardando a tão almejada devolução da nossa autonomia para que possamos tocar, com a rapidez que o momento requer, os projetos que ficaram estagnados desde a sanção da Lei dos Portos em 2013. Enquanto isso, seguimos planejando o nosso futuro. É primordial que tenhamos a estrutura pronta que, aliada à qualidade de nossa mão de obra, fruto de maciços investimentos do governo Paulo Câmara em educação, nos permitirá continuar a receber grandes empreendimentos”, ponderou o presidente de Suape, Marcos Baptista.

    Suape também cuida das pessoas e do meio ambiente. Mais de mil hectares de mata atlântica, restinga e mangue estão em processo de recuperação, dentro de sua Zona de Preservação Ecológica, que possui 59% dos 13,5 mil hectares do território. O maior projeto habitacional em construção no Estado está sendo erguido no Complexo. Mais de 2,6 mil famílias serão beneficiadas com uma residência num local com infraestrutura e próximo de serviços públicos, como posto de saúde, transporte e escolas.

    Olhando o passado e visando o futuro, o Complexo Industrial Portuário de Suape está colhendo os frutos do esforço do povo pernambucano e dos governos que acreditaram no potencial deste grande ativo da economia do Estado. “Por tudo isso, acreditamos que o futuro reserva tempos ainda melhores para o nosso complexo, ratificando sua vocação de ser um dos melhores ambientes de negócios do Brasil”, acrescentou o presidente Marcos Baptista.

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho
    Assuntos: sdec, suape, porto industrial, aniversario, completo idustrial
    Compartilhe: Link para o post:
  • Movimentação de cargas no Porto de Suape registra melhor marca do ano

    | Suape

    O Porto de Suape fechou o mês de setembro com a melhor marca na movimentação de cargas de 2017. O atracadouro, que é reconhecido por sua liderança nacional na movimentação de granéis líquidos e na movimentação de cabotagem, apresentou crescimento de 9% nas suas operações. No período, foram 2.118.030 de toneladas de produtos, ante 1.942.437 de toneladas em setembro de 2016. Os dados foram divulgados pela Agência Nacional de Transportes Aquaviários (Antaq).

    Este resultado foi impulsionado pela movimentação dos granéis líquidos, com 1.608.550 toneladas dos produtos que chegaram e saíram por Suape. O alcance representou o crescimento de 3% em relação a setembro de 2016, quando este tipo de carga registrou 1.552.997 de toneladas. Também a melhor marca de 2017.

    Dentro deste grupo de cargas, os combustíveis Diesel S-10 (451.404 de toneladas) e o Diesel S-500 (41.298 de toneladas), que somados representam 492.702 de toneladas, foram os produtos mais movimentados. As mercadorias em questão atendem ao mercado nordestino.

    Já o petróleo, segunda carga mais movimentada no porto, apresentou crescimento de 30% em relação ao mesmo período de 2016. Foram 464.797 de toneladas em setembro de 2017, ante 356.932 de toneladas no mesmo mês de 2016. O petróleo tem como destino a Refinaria Abreu e Lima. Outras cargas, como o óleo combustível, a gasolina, o etanol e o Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), complementam a lista.

    ACUMULADONo total, até setembro de 2017, o porto alcançou a movimentação de 16.714.780 de toneladas, mantendo a 5ª posição entre os portos públicos de maior destaque na movimentação nacional. As principais operações continuam sendo as de cabotagem, com 10.927.410 de toneladas, seguidas pelas importações com 4.673.677 de toneladas e as exportações com 1.113.694 de toneladas.

    VEÍCULOSAs operações de importação e exportação de veículos pelo Porto de Suape continuam em plena expansão. As montadoras apostam cada vez mais no transporte marítimo para movimentar seus carros. O crescimento já chega a alcançar a marca de 61% apenas em setembro. Foram 7.321 veículos no mês passado, superando a marca de 4.544 carros em setembro de 2016. Ao longo de todo o ano, já passaram por Suape 53.611 unidades. De janeiro a setembro a alta é de 42% em relação ao mesmo período do ano passado.

    CONTÊINERESCom o final do ano se aproximando, a movimentação de contêineres tem apresentado crescente circulação no porto. O índice de aumento chegou a 28% só em setembro, com 39.435 TEUs registrados, número maior que o apurado no mesmo mês de 2016 quando 30.752 TEUs foram registrados. No acumulado do ano (janeiro a setembro), o aumento é de 21,9% em relação aos mesmos meses de 2016. 

    Cidades: Cabo de Santo Agostinho
    Assuntos: sdec, suape, antaq, movimentaçao de cargas
    Compartilhe: Link para o post:
  • Jeep Compass completa um ano e chega ao mercado argentino por Suape

    | Suape

    Jeep Compass

    Mais um produto 100% pernambucano chega com destaque ao mercado externo. O Jeep Compass, terceiro modelo fabricado na unidade da Fiat Chrysler Automobiles (FCA), no Polo Automotivo de Goiana, completou um ano do início de sua produção e começou a ser comercializado em larga escala na Argentina há algumas semanas. Os veículos saem pelo Porto de Suape com destino ao Porto de Zárate, nas cercanias de Buenos Aires, capital do país vizinho.

     A montadora utiliza o atracadouro pernambucano como porta de saída de suas mercadorias desde 2015, quando outros veículos da marca começaram a ser exportados para países como a Costa Rica, Panamá, Peru, Uruguai e Chile. Em um ano, desde o início de sua fabricação em Pernambuco, 45 mil unidades já foram vendidas. O modelo é a aposta da montadora no mercado de utilitários esportivos.

     O mix de carros da FCA é responsável por 82,9% de todas as operações de veículos no Porto de Suape. Em 2017, a montadora já embarcou mais de 40 mil veículos com destino ao exterior. As demais movimentações acontecem com veículos das montadoras GM, responsável por 2,8% das operações, Toyota (13,4%) e Volkswagen (0,9%).

     De janeiro a setembro de 2017, já passaram por Suape 53.610 veículos. O número já supera em 42% o número de carros que circularam no atracadouro em todo o ano de 2016, quando 37.843 unidades foram movimentadas.

    RENEGADE NO MÉXICO

    Em abril deste ano, a Jeep iniciou uma nova estratégia de mercado com exportações para o México do Jeep Renegade, também fabricado em Goiana (PE). O sucesso e o crescimento contínuo dessas operações portuárias está atrelado diretamente à capacidade que o Porto possui para receber esses carros e abrigá-los em uma área com infraestrutura adequada.

     Em 2014, Suape ampliou o Pátio Público de Veículos de 3,7 para 18,7 hectares e capacidade para movimentar 250 mil veículos por ano. Mais de 70 pessoas estão envolvidas em todo o processo de logística na movimentação deste tipo de carga, incluindo profissionais da administração do Complexo de Suape, órgãos anuentes, trabalhadores portuários do Órgão Gestor de Mão de Obra (OGMO) Suape e empresas de logística. Atualmente, a administração realiza um estudo de viabilidade para o arrendamento do pátio de veículos. A licitação deverá ocorrer em meados do ano que vem.

    Assuntos: SDEC, suape, jeep, comercio exterior, emprego
    Compartilhe: Link para o post:
  • Portos do Açu e de Suape firmam parceria estratégica

    | Suape

    Porto de Açu

    Dois dos maiores complexos industriais portuários do Brasil, os Portos de Suape (PE) e do Açu (RJ), formalizaram, nesta sexta-feira (27), um acordo de cooperação técnica para promover a troca de informações e experiências. O acordo foi firmado, durante a manhã, na sede do Complexo Industrial Portuário de Suape, em Ipojuca (PE), e contou com a participação de diretores das duas empresas.

    “Estamos muito felizes em iniciar a parceria com o Porto de Suape. Além de possibilitar o desenvolvimento de iniciativas comerciais em conjunto, ela poderá contribuir com o desenvolvimento do país, pois integra dois dos principais mercados brasileiros: o Sudeste e o Nordeste”, explicou José Magela, presidente da Prumo Logística, empresa que opera e desenvolve o Porto do Açu. O diretor de diretor de Regulação e Sustentabilidade, Eduardo Xavier, representou o presidente na assinatura do acordo.

    O presidente do Complexo Industrial Portuário de Suape, Marcos Baptista, corroborou a importância da parceria. “A assinatura deste memorando é o passo inicial para realizarmos estudos conjuntos sobre o setor portuário, parcerias comerciais, troca de experiências de gestão, entre outras possibilidades, considerando que um porto é entrada para o Nordeste e outro para o Sudeste”, salientou.

    Entre as possíveis sinergias previstas com a parceria entre os dois complexos, está o desenvolvimento de infraestrutura portuária. Além de compartilhar dados estratégicos sobre a movimentação de cargas dos dois portos, será possível também que o Porto do Açu seja fornecedor de GNL, via cabotagem, para o complexo pernambucano.  

    Conheça o Porto do Açu

    Localizado em São João da Barra, no norte do estado do Rio de Janeiro, o Porto do Açu conta com terminais portuários em áreas onshore e offshore, além de uma extensa retroárea com 90 km² para receber indústrias de diversos setores. Em operação desde 2014, no 1º semestre deste ano o Açu foi o 4º terminal privado em movimentação de cargas (dados Antaq). O número representa um marco para o empreendimento que, em 2015, estava na 15º posição.

    A área offshore é dedicada à movimentação de minério de ferro e petróleo. Em operação desde outubro de 2014, o terminal exporta minério para a Anglo American e já movimentou mais de 37 milhões de toneladas. Neste terminal também está localizado o Terminal de Petróleo (T-OIL), parceria com a alemã Oiltanking, já em operação e que possui capacidade para movimentar 1,2 milhão de barris de petróleo por dia. Com atuais 25 metros de profundidade em seu acesso marítimo e berços, o terminal pode receber navios capesizes e VLCCs. 

    A área onshore está instalada no entorno de um canal para navegação com 6,5 km de extensão, 300 metros de largura e até 14,5 metros de profundidade. As empresas TechnipFMC, NOV, InterMoor, Wartsila, Edison Chouest e BP Prumo (parceria da Prumo com a BP, e que comercializa combustível marítimo) já estão operando suas unidades no terminal. Além disso, também é nesta área que está localizado o Terminal Multicargas, com capacidade para movimentar 4 milhões de toneladas por ano (entre granéis sólidos e carga geral). Atualmente, o terminal já realiza a movimentação de bauxita, coque, carvão e carga geral, entre outros.

     Conheça o Porto de Suape

    O Complexo Industrial Portuário de Suape é um dos melhores ambientes de negócios do país e um dos principais portos públicos brasileiros, sendo hub portpara as regiões Norte e Nordeste. Localizado no munícipio de Ipojuca, em Pernambuco, está situado a 40 quilômetros da capital Recife. Com 38 anos de existência, Suape conta com mais de 100 empresas instaladas e em processo de implantação em seu território de 13,5 mil hectares. Esses empreendimentos somam mais de R$ 50 bilhões em investimentos privados, empregando um total de 18 mil trabalhadores diretamente.

    O Porto de Suape está conectado aos principais atracadouros do mundo. Em 2016, contabilizou 22,74 milhões de toneladas de cargas movimentadas, encerrando o ano com crescimento de 15% em relação a 2015. Essa taxa foi a maior entre os 10 principais portos públicos do país, o que alavancou Suape para a 5ª posição no ranking nacional de movimentação de cargas.

    Ao longo dos anos o Porto de Suape vem se consolidando como movimentador de granéis líquidos (óleo diesel, gasolina, querosene de aviação, óleo bruto de petróleo, etc.) e manteve a liderança nacional na movimentação desse perfil de carga em 2016. Os granéis líquidos aumentaram 21,8% em relação a 2015, alcançando a marca de 17,28 milhões de toneladas. Essa carga é responsável por 76% de toda movimentação no Porto de Suape. 

    Liderando a movimentação de contêineres na região Nordeste, Suape registrou 21,9% de crescimento em TEUs no acumulado de janeiro a setembro, comparando-se com o mesmo período de 2016. As operações de importação no Terminal de Contêineres Suape (Tecon Suape), operado pelo grupo ICTSI, têm crescido, assim como a capacidade da oferta de navios e a diversificação na armazenagem de cargas.

    Assuntos: SDEC, SUAPE, porto do açu, industria, cooperaçao
    Compartilhe: Link para o post: