meteorologia

Bacias Hidrográficas

Obra em todo lugar

Veja o que o Governo de Pernambuco está fazendo na sua região.

Blog de notícias

  • Grande Recife pede mais respeito às religiões com ação em Xambá

    | Transporte, Direitos Humanos

    A atividade reuniu representantes de diversos segmentos religiosos

    O Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa (21 de novembro) foi lembrado pelo Grande Recife Consórcio de Transportes com uma ação no Terminal Integrado Xambá. A atividade reuniu representantes de diversos segmentos religiosos que, juntos, pediram mais respeito às diferentes crenças, sobretudo, nos espaços públicos. A iniciativa partiu de uma solicitação da própria comunidade que tem sido vítima de preconceito no terminal e nos ônibus.

    Um arrastão cultural chamou a atenção de todos para o TI Xambá onde as crianças das orquestras da Igreja Batista dos Bultrins e Tambores de Xambá tocaram músicas clássicas e africanas. Entre uma música e outra, membros das igrejas católica, evangélica e anglicana, além de praticantes do candomblé, umbanda, doutrina espírita, entre outras vertentes religiosas, saudavam os usuários do terminal com mensagens de amor e paz.

    “Desde o Concílio Vaticano II, na década de 1960, a igreja católica orienta para a abertura do diálogo com as diferentes religiões, de respeitarmos o direito à liberdade religiosa”, comentou o Frei Tito Figueirôa, representante do Catolicismo, na abertura da atividade. “É preciso mudar as cabeças para chegar aos corações”, disse ele sobre a necessidade de mudança no comportamento das pessoas.

    Segundo Guitinho de Xambá, morador do bairro e um dos articuladores da atividade, tudo aconteceu por uma inquietação da comunidade que muitas vezes é vítima de preconceito dentro do Terminal. “O TI é um equipamento por onde passam pessoas de diversas religiões e elas não podem ser ofendidas. Por isso, procuramos o Grande Recife e abrimos este diálogo com o poder público. Envolver as crianças através do lúdico e do litúrgico traz a visão de um mundo melhor”, argumentou sobre a participação do público.

    O pastor Saulo Guimarães, diretor da EREM Padre Francisco Carneiro que fica na área, lembrou um trecho da carta de Paulo aos Coríntios: “Ainda que eu falasse as línguas dos homens e dos anjos, e não tivesse amor, seria como o metal que soa ou como o sino que tine. Isso quer dizer que, de nada adianta termos todo um farto conhecimento teológico se não temos amor pelo nosso próximo”, completou.

    Com base no Art. 208, do Código Penal, o gerente de Relacionamento do Consórcio, Marcus Petrônio Iglesias, destacou que fiscais, motoristas e cobradores têm sido orientados a encaminhar para a delegacia casos de intolerância religiosa. “Vamos seguir o mesmo protocolo utilizado, por exemplo, para quando uma mulher é importunada nos ônibus. A viagem é suspensa, as portas do coletivo são fechadas e o motorista deve procurar a delegacia mais próxima”, explicou.

    Para encerrar a atividade, um exemplar de paineira africana foi plantada dentro do Terminal Integrado Xambá e cada um dos religiosos presentes teve a oportunidade de aguar a árvore deixando boas energias e preces.

    Cidades: Olinda
    Assuntos: secid, grande recife, sistema sei, ti xamba, combate a intolerancia religiosa
    Compartilhe: Link para o post:
  • Voo de parapente ajuda cadeirantes a superar limites

    | Direitos Humanos

     voo cadeirantes

    A ação foi promovida por um grupo de pilotos na praia do Sol, na Paraíba

    Se para você parece improvável que pessoas com deficiência física possam voar, para um grupo de pilotos de paraglider a resposta é oposta. Uma equipe de mais 10 pessoas, entre apoio técnico, instrutores e pilotos, tornou realidade à prática do voo de parapente para mais de 50 cadeirantes, esse mês, na praia do Sol, litoral da Paraíba. A ação, intitulada de “Eu não posso andar, mas posso voar”, foi coordenada pelo publicitário e piloto Claudio Cardoso, mais conhecido como Cloud, que mostrou que o céu é o limite para quem tem força de vontade.

    O projeto, que existe há três anos, surgiu do desejo de Cloud em oferecer experiências diferentes à pessoas com deficiência e as que não têm condições financeiras. Para ele, os voos são como uma forma de superação e de afirmação de autonomia. “É algo incrível, pois quando estamos lá em cima não somos cadeirantes ou andantes. Somos voantes, somos pássaros”, pontua. “Quando você começa a fazer um voo duplo, a tua emoção vai ao dobro, porque você sente a própria emoção de voar e a do outro. Quando eu voei com um cadeirante, isso foi além, pois começa a passar pela sua cabeça a superação que existe naquela pessoa”, completa o piloto que tem 18 anos de experiência com voos.

    Para facilitar o transporte, a Secretaria de Desenvolvimento Social, Criança e Juventude (SDSCJ), por meio da Superintendência de Apoio à Pessoa com Deficiência (SEAD), disponibilizou a van do programa PE Conduz para buscar alguns cadeirantes em casa e levá-los até o ponto de encontro de onde partiram dois micro-ônibus adaptados, que foram disponibilizados pela Secretaria Estadual de Educação (SEE) por meio de uma parceria entre o órgão e a SDSJ. Ao todo, foram levados até a praia 25 cadeirantes em cada dia.

    “O PE Conduz é um programa que busca as pessoas de cadeiras de rodas em suas residências para tratamentos de saúde e aos fins de semana as vans são usadas para proporcionar dias de lazer. Ele é muito importante pois oferece condição às pessoas com deficiência e isso tem mudado de forma significativa a vida delas”, afirma o superintendente da Sead, Edimilson SIlva.

    Para o secretário da SDSCJ, Cloves Benevides, o evento quebra paradigmas em torno das pessoa com deficiência. Nenhuma limitação física é maior que a força de vontade e a capacidade das pessoas de sonharem, de voarem alto, seja para desconstruir os estigmas e garantir cidadania, seja para acessar o mercado de trabalho e campos produtivos e assim por diante”, ressalta Cloves.

    Uma van adaptada foi até Casa Amarela, na Zona Leste do Recife, endereço da casa do paratleta Emídio Fernandes, um dos nomes que participou da ação.  Aos 55 anos de idade e convivendo com a deficiência desde a infância, ele conta que nunca se limitou a nada, mas que a ideia de voar era algo que acreditava ser impossível. “Sempre gostei de esportes radicais, então não iria perder essa oportunidade de voar. Faço atletismo, natação, corrida de bicicleta, sou jogador de vôlei, faço tudo. Dê uma chance, que eu aproveito”, afirma. “O defeito da sociedade é achar que nós não temos capacidade. Qualquer esporte eu posso praticar, basta apenas ser adaptado. Tive paralisia infantil aos 10 meses e sempre fui assim. Aqui não tem ninguém incapaz, mas apenas com limitações e que a gente vai ultrapassando dia após dia”, completa.

    A segunda parada da equipe do PE Conduz foi na Iputinga, bairro onde mora Walmir Barbosa. Com o sonho de ser piloto de caça da Força Aérea, ele aceitou o convite de participar da ação como uma realização do desejo de voar, algo que desde criança almejava. “Quando criança sonhava em voar para ir à caça dos extraterrestres, mas nunca imaginei que poderia fazer algo assim. Quando soube da ação, de início, fiquei um pouco receoso por conta da minha deficiência que é mais complexa. Sou tetraplégico e a expectativa maior é em saber como esse voo vai acontecer”, pontua.

    PE CONDUZ - O programa PE Conduz é um serviço gratuito do Governo do Estado que atua no Grande Recife, nos polos do Agreste Central, nas Zonas da Mata Norte e Sul e no Sertão do São Francisco, atendendo pessoas com deficiência em vans adaptadas. Nos fins de semana são promovidas rotas de lazer com os usuários. Em 2017, 45 vans percorreram os 18 municípios pernambucanos levando uma média de 600 usuários por mês.

    Assuntos: sdscj, governo de pernambuco, cadeirantes, inclusao, programa pe conduz
    Compartilhe: Link para o post:
  • Música inspira detentos a trilhar um novo caminho no Complexo do Curado

    | Direitos Humanos

    No Presídio Juiz Antonio Luiz Lins de Barros (Pjallb), no Complexo do Curado, a música é uma das aliadas no processo de recuperação dos detentos. Para isso, o Governo de Pernambuco, por meio da Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), montou na unidade prisional um estúdio de música, onde 63 reeducandos aprendem a tocar instrumentos musicais.

    Em um ambiente exclusivo para as aulas de música, os detentos contam com instrumentos como bateria, violão, contrabaixo, teclado e microfones. Para motivar o engajamento dos participantes, a direção do presídio permite que dois reeducandos ministrem as aulas que ocorrem durante os turnos da manhã e tarde, de segunda a sexta-feira. O envolvimento no grupo é voluntário, mas para ser inserido no projeto o apenado deve ter bom comportamento, seguindo as regras da unidade prisional.

    O reeducando Gilberto Guaraná, 37, dá aulas de violão aos colegas e não esconde a paixão que tem pela música. “A música é uma arte que liberta a alma e faz com que a gente se ressocialize, enxergue o mundo de uma forma diferente” conta o reeducando.

    Em parceria com Gilberto, o detento Solon Henrique, 42, conta que o estúdio é seu lugar preferido no presídio. “É um lugar que a gente fala de cultura e que nos faz interagir de forma pacífica, falando a linguagem da música, ocupando a mente, abrindo os horizontes e nos dando perspectivas de vida”, frisa o músico que cumpre pena no Pjallb há nove anos.

    Para o supervisor de Laborterapia e Apoio Pedagógico, Euclides Ferreira, que monitora as aulas e ensaios musicais “o projeto vai além dos muros do presídio porque oferece novas perspectivas de vida aos reeducandos” destaca. “Vemos futuro nos detentos, um acréscimo cultural, espiritual e profissional”, finaliza Ferreira que também é agente penitenciário.

    Cidades: Recife
    Assuntos: seres, governo de pernambuco, pjallb, complexo do curado, reeducandos, musica
    Compartilhe: Link para o post:
  • Grande Recife combate intolerância religiosa em terminal de ônibus e coletivos

    | Transporte, Direitos Humanos

    O Grande Recife, em parceria com grupos religiosos, realiza, nos dias 21 e 22 de janeiro, uma ação de combate à intolerância religiosa no Terminal Integrado Xambá. A iniciativa é uma solicitação da própria comunidade que tem sido alvo de preconceito de usuários do transporte coletivo por cultuarem santos de matrizes africanas. Coral infantil e plantio de árvore fazem parte da programação.

    O trabalho começa no domingo, Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa, às 10h, com um arrastão cultural pelo bairro até o TI Xambá. Dentro do equipamento, duplas de religiosos abordarão as pessoas nas filas de ônibus para falar sobre a necessidade do respeito às diferentes crenças.

    “As duplas serão formadas sempre por peoas de segmentos distintos. Por exemplo, um evangélico fará o trabalho acompanhado de um praticante da doutrina espírita ou um umbadista, de um católico, etc”, explica o gerente de Relacionamentos do Consórcio, Marcus Petrônio Iglesias.

    Além disso, crianças assistidas pelo Grupo Cultural Bongar e um coral da Igreja Batista dos Bultrins farão uma apresentação para os usuários do Terminal Integrado. Para celebrar o sentimento de união entre as diversas religiões uma árvore será plantada e uma oração coletiva encerra a atividade, que se repete na segunda-feira (22), a partir das 6h30.

    NOS BAIRROS – a ação faz parte do projeto Grande Recife nas Comunidades que busca ouvir da população as demandas referentes ao transporte público de passageiros nos bairros. Em outubro de 2017, o Consórcio foi procurado pelos moradores do entorno do TI Xambá que, dentre outras necessidades, relataram os episódios de preconceito sofridos dentro do Terminal e nos ônibus.

    Desde então, o Grande Recife e seus parceiros iniciaram um trabalho educativo nas escolas do bairro, com alunos e professores, orientando para o respeito às diferenças. A ação deste final de semana é a culminância das atividades iniciadas no ano passado. Com isso, motoristas, cobradores e fiscais que presenciarem atos de preconceito religioso serão orientados a direcionar o caso à delegacia mais próxima.

    Participam da ação a Universidade Católica de Pernambuco (Unicap), o Centro Cultural Bongar, o Fórum Diálogos e o Fórum da Diversidade Religiosa em Pernambuco.

    Em caso de dúvidas, sugestões ou reclamações os usuários podem entrar em contato com o Grande Recife, por meio da Central de Atendimento ao Cliente (0800 081 0158) ou WhatsApp (99488.3999), somente para reclamações.

    Cidades: Olinda
    Assuntos: secid, grande recife, sistema sei, terminal integrado xamba
    Compartilhe: Link para o post:
  • Artesanato profissionaliza detentos e aponta caminho para ressocialização

    | Direitos Humanos

    arte

    A iniciativa leva uma nova perspectiva de vida para os reeducandos

    Talento, criatividade e singularidade são algumas palavras que ajudam a definir o resultado dos trabalhos desenvolvidos por 16 detentos artesãos que cumprem pena no Presídio Juiz Antônio Luiz Lins de Barros (Pjallb), no Complexo do Curado. O projeto que ajuda como atividade laboral e até profissionalizante é uma realização do Governo de Pernambuco, através da Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres).

    A iniciativa representa não só uma ocupação produtiva que contribui com a rotina de disciplina na unidade penal, mas leva uma nova perspectiva de vida para os reeducandos que utilizam cabo de vassoura, palito e tronco de árvore como matéria-prima. Entre as peças produzidas, esculturas religiosas, pássaros e casas de madeira.

    A venda das peças produzidas ajuda no sustento das famílias dos apenados e o controle é feito com o apoio da unidade prisional que fica responsável por guardar os objetos e encaminhar para a família do reeducando vender as artes. Os preços variam de R$ 5 a R$ 3 mil, a depender do produto.

    Cristiano da Silva, 31, cumpre pena no presídio há um ano e meio e vê na arte um meio de pensar no futuro e esquecer os delitos que cometeu. “É incrível a minha sensação de bem estar em saber que, mesmo estando preso, estou produzindo, me sentindo útil e ajudando minha família”, relata o artesão.

    A psicóloga Graça Sousa acompanha de perto as atividades laborais executadas no presídio e destaca que essas práticas “provocam ganhos na atenção cognição e motivação”, explica. “Além disso, a gente percebe a diminuição da violência na unidade prisional”, completa. 

    Cidades: Recife
    Assuntos: sjdh, seres, complexo do curado, governo de pernambuco
    Compartilhe: Link para o post:
  • Entidades públicas de Garanhuns que recebem cumpridores de penas alternativas podem receber recursos da prestação pecuniária

    | Direitos Humanos

    Tais recursos são determinados pelo juiz, como pena ou medida alternativa aos cumpridores e ficam vinculados a uma conta do juizado.

    Entidades públicas ou privadas de Garanhuns, que recebem cumpridores de penas alternativas, e tenham interesse no benefício de prestação pecuniária, podem se cadastrar até o dia 02 de fevereiro, junto a Secretaria do Juizado Especial Criminal do município. 

    Podem se inscrever instituições que atuam diretamente na execução penal, que apresentem oportunidade para o voluntariado, bem como relevância social. Além disso, a instituição deve manter, por maior tempo, um número expressivo de cumpridores de prestação de serviços à comunidade ou entidade pública.

    Para se cadastrar são necessários entre outros documentos, cópia do estatuto social ou contrato social atualizado e seu registro em cartório; certificado do Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica (CNPJ); e RG e CPF dos diretores.

    O processo de seleção das entidades foi divulgado pelo Governo de Pernambuco, através da  Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) e Gerência de Penas Alternativas e Integração Social – GEPAIS.

    A análise dos projetos será realizada entre os dias 19 e 23 de fevereiro e a listagem com o resultado final será publicada no dia 28 de fevereiro, no  DJe – Diário de Justiça Eletrônico do Tribunal de Justiça de Pernambuco, disponível pelo site: www.tjpe.jus.br . A rede de Garanhuns atualmente conta com 48 instituições ligadas a Central de Penas Alternativas (Ceapa).

    Entre as que já receberam os recursos provenientes das penas pecuniárias, podemos citar: Associação de Pais e Amigos Excepcionais de Garanhuns (APAE), ONG Plenitude Viva, Desafio Jovem Trindade e Creche Santa Terezinha. 

    Cidades: Garanhuns
    Assuntos: sjdh, governo de pernambuco, gepais, prestaçao pecuniaria, cadastro
    Compartilhe: Link para o post:
  • Detentos do Presídio de Igarassu participaram do torneio de futsal

    | Direitos Humanos

    torneio de futsal  

    O esporte é usado como ferramenta para melhorar disciplina e convívio dentro do presídio

    No Presídio de Igarassu (PIG), Região Metropolitana do Recife, a prática de esportes é um dos caminhos no fortalecimento da ressocialização, integração e combate ao sedentarismo dos reeducandos. Por isso, na última terça-feira (16), o Governo de Pernambuco, através da Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), realizou um torneio de futsal para os reeducandos idosos do PIG. A competição ocorreu na quadra da unidade prisional e os participantes disputaram troféus e medalhas.

    Usado como ferramenta para melhorar disciplina e convívio dentro de presídio, o esporte foi motivo para reunir detentos que se prepararam durante semanas para o torneio. Vinte reeducandos se dividiram em quatro times de cinco integrantes, cada, com partidas de 40 minutos. Para participar da disputa, todos passaram por uma avaliação médica.

    O time que venceu o torneio ganhou medalhas e troféu, mas todos comemoraram. “Me sinto muito feliz e animado porque lembro do tempo em que jogava pelada. Faz bem para o meu coração e me dá mais energia” destacou o reeducando Nilton Antônio, 61.

    Segundo o gerente do presídio, Charles Belarmino, a atividade esportiva desenvolve disciplina, integração e organização entre as vivências, além de tirar os presos do “ócio” do cárcere. “Quando temos o esporte dentro da unidade prisional potencializado, melhora o convívio, promove o bem estar físico e é uma das  alternativas para a ressocialização desses detentos” aponta.

    Cidades: Igarassu
    Assuntos: sjdh, seres, reeducandos, governo de pernambuco, torneio de futsal
    Compartilhe: Link para o post:
  • Detentos do Presídio de Igarassu jogam torneio de futsal

    | Direitos Humanos

    tornei seres  

    No Presídio de Igarassu (PIG), Região Metropolitana do Recife, a prática de esportes é um dos caminhos no fortalecimento da ressocialização, integração e combate ao sedentarismo dos reeducandos. Por isso, nesta terça-feira (16), o Governo de Pernambuco, através da Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres), realiza um torneio de futsal para os reeducandos idosos do PIG. A competição ocorre na quadra da unidade prisional e os participantes vão disputar troféus e medalhas.

    No torneio, serão 20 reeducandos divididos em quatro times de cinco integrantes, cada, com partidas de 40 minutos. Para participar da disputa, todos passaram por uma avaliação médica.  “Esperamos um torneio animado. Essa é uma das práticas que adotamos para promover o bem estar físico e a ressocialização desses reeducandos” ressalta o gerente do presídio, Charles Belarmino.

    Serviço:

    Torneio de Futsal no Presídio de Igarassu
    Quando: terça-feira, 16/01/2018 – 15h.
    Onde: Rodovia BR 101, s/n - Zona Rural, Itapissuma – PE.​

    Cidades: Recife
    Assuntos: sjdh, seres, reeducandos, governo de pernambuco, torneio
    Compartilhe: Link para o post:
  • Patronato Penitenciário inicia cronograma de cursos 2018 para reeducandos do regime aberto e livramento condicional

    | Direitos Humanos

    Pedreiro Geral, Gesseiro e Eletricista Geral iniciaram nesta segunda-feira, 15,   no Recife, Olinda e Abreu e Lima

    Com o objetivo de qualificar reeducandos para que voltem ao mercado de trabalho e não reincidam no crime, o Governo de Pernambuco, através da Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) e Patronato Penitenciário iniciaram, nessa segunda-feira, 15, os primeiros cursos de qualificação do ano de 2018, no Recife, em Olinda e Abreu e Lima. São oportunidades nas áreas de Pedreiro Geral, Gesseiro e Eletricista Geral.

    Os cursos são realizados em parceria com a Associação Brasileira de Desenvolvimento Econômico e Social (ABDESM), e emendas parlamentares. 

    No Recife, os reeducandos vão assistir às aulas dos cursos de Gesseiro, das 08h às 14h e de Pedreiro Geral, das 14h às 20h, no Patronato Penitenciário, Bairro de São José. Também no Recife, no Centro Social Bidu Krause, vai ter curso de Gesseiro, das 08h às 14h, e de Eletricista Geral, das 14h às 20h.

    Já em Olinda, na Cooperativa das Lavadeiras, nos Bultrins, será ministrado curso também de Pedreiro Geral, de 08h às 14h, e de Gesseiro, das 14h às 20h. E em Abreu e Lima, na Agência de Desenvolvimento da Prefeitura, Eletricista Geral, das 08h às 14h. As capacitações seguem até o dia 03 de fevereiro com 84 horas/aula, cada.

    Em 2017, 1.300 pessoas do regime aberto e livramento condicional receberam palestras e cursos de qualificação através de parcerias realizadas pela Secretaria de Justiça e Direitos Humanos. Os reeducandos do regime aberto e livramento condicional interessados devem se inscrever no Patronato Penitenciário, localizado na Rua Floriano Peixoto, 141. Bairro de São José.   

    Cidades: Abreu e Lima, Olinda, Recife
    Assuntos: sjdh, governo de pernambuco, patronato penitenciario, reeducandos, cursos, qualificaçao
    Compartilhe: Link para o post:
  • Governo do Estado e TJPE firmam parceria para a ressocialização através da laborterapia

    | Direitos Humanos

     serviços a comunidade

    Acordo selado nesta segunda-feira busca propiciar a reinserção com mais dignidade aos reeducandos do sistema prisional de Pernambuco

    Com o objetivo de fortalecer a política estadual de ressocialização, o governador Paulo Câmara assinou, na manhã desta segunda-feira (15.01), um convênio entre o Governo do Estado e o Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE) que possibilitará a reintegração de reeducandos à comunidade através da prestação de serviço comunitário. O acordo permitirá, por meio do Programa de Execução da Pena de Prestação de Serviços à Comunidade, desenvolvido pela Vara de Execução de Penais Alternativas (Vepa), a ampliação da oferta da laborterapia, que propicia aos apenados o cumprimento de pena associado à realização de atividades profissionais específicas, seguindo as diretrizes da Lei de Execução Penal e do Pacto pela Vida. A parceria ampliará o acesso às instituições e aos órgãos da administração direta e indireta de Pernambuco para o encaminhamento de reeducandos à prestação de serviço comunitário.

    "A Vara de Penas Alternativas já tem uma tradição aqui em Pernambuco, é uma das primeiras do Brasil. Faz um trabalho importante de buscar alternativas. As pessoas que se envolvem com o crime muitas vezes não têm porta de saída e acabam entrando em um sistema que é totalmente aquém do necessário para ressocialização. A Vara tem dado oportunidade a muitos jovens que se envolveram com o crime de sair dessa vida. Nossos presídios estão superlotados. Estamos construindo muitas vagas, mas isso não é a solução. A saída é realmente termos uma Justiça que prenda quem precisa ser preso. E quem cometa pequenos delitos tenha portas de saída e possa, com rapidez e dignidade, cumprir a sua pena e ter outras alternativas. Buscamos isso; ampliar a possibilidade das pessoas se ressocializarem, saírem do mundo do crime, das drogas e buscarem outros caminhos", destacou o governador.

    O presidente do TJPE, desembargador Leopoldo Raposo, afirmou que a finalidade do convênio com o Governo do Estado é proporcionar uma maior dignidade para o apenado no cumprimento de sua pena fora do estabelecimento prisional. "Essa parceria é muito significativa por que irá viabilizar a ampliação do trabalho que vem sendo desenvolvido pela Vepa nas penas alternativas. A finalidade desse convênio com o Governo do Estado tem esse foco: ampliar e tornar mais profícuo esse serviço que permite que o apenado possa ser ressocializado e reeducado prestando serviço à comunidade", finalizou.

    À frente da Vepa, o juiz Flávio Augusto destacou que a nova parceria possibilitará a expansão do programa. "Sabemos que a maioria dos nossos réus precisam muito mais de serviço social do que prisão e penas. Essa parceria é um divisor de água e nós agora partiremos para uma outra fase. A nossa esperança é que agora tenhamos toda a rede da administração pública direta e indireta à nossa disposição, com o nosso monitoramento e controle de qualidade", frisou.

    Atual coordenador do Saravida - organização da sociedade civil que apoia a reintegração de pessoas à sociedade - e o primeiro beneficiado da Vepa, Edson Barbosa pontuou a importância do programa em sua vida e para a recuperação de jovens envolvidos com o crime. "Essa experiência foi muito importante na minha vida. Através da Vepa, passei por um tratamento em uma Comunidade Terapêutica e lá pude me recuperar da criminalidade e do vício das drogas, no qual eu vivia. Isso é muito positivo para as pessoas que cometem esses delitos e vão para as penitenciárias. Com esse trabalho, elas podem ter mais dignidade para cumprir a pena e até sair mais rápido. A Vepa tem sido fundamental na vida desses jovens que tem envolvimento com o crime", concluiu.

    A laborterapia desenvolvida pelos reeducandos é uma terapia ocupacional que promove a reeducação de valores, elevando a autoestima, desenvolvendo novas habilidades, disciplina, limites e regras. Além de aprimorar a conduta, caráter e organização, ajuda a desenvolver a percepção, a concentração e a reabilitação física. Com esta essência, foi criada, pela Lei Complementar Estadual nº 31, de 2 de janeiro de 2001, a Vepa. A Vara tem como principais objetivos aplicar, acompanhar e monitorar as penas alternativas, resgatando a cidadania de seus beneficiários através de seu trabalho e de suas habilidades. Nesse processo, procura-se integrar Justiça, beneficiário, família e sociedade. O resultado é o baixo índice de reincidência.

    As penas alternativas - em sua maioria, prestação de trabalhos voluntários em entidades vinculadas e órgãos públicos diversos - são aplicadas a pessoas que cometeram crimes de menor poder ofensivo. Atualmente, o acervo da Vepa possui 7 mil processos em tramitação. Por mês, cerca de 200 novos processos são recebidos.

    PARCERIAS - Atualmente, quase mil instituições são conveniadas aos projetos desenvolvidos pela Vepa na Região Metropolitana do Recife. Os beneficiários prestam serviços gratuitos em escolas, hospitais e mercados públicos; associações de moradores; Secretarias Estaduais; Corpo de Bombeiros Militar; e outros órgãos públicos. Após o cumprimento da pena e pelo trabalho diversificado executado, por muitas vezes os beneficiários conseguem emprego nos locais onde cumpriram a pena.

    Cidades: Recife
    Assuntos: sei, tjpe, governo de pernambuco, paulo camara, vepa, ressocializacao, reeducandos, sistema prisional, prestacao de servicos a comunidade
    Compartilhe: Link para o post: