meteorologia

Bacias Hidrográficas

Obra em todo lugar

Veja o que o Governo de Pernambuco está fazendo na sua região.

Blog de notícias

  • Audiências públicas para defesa oral dos candidatos ao título de Patrimônio Vivo começam nesta segunda-feira (9)

    | Cultura

    O Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural (CEPPC) dá início na próxima semana às audiências públicas para a defesa oral dos 59 candidatos habilitados ao 13º Concurso de Registro de Patrimônio Vivo. As apresentações, que acontecerão no plenário do antigo prédio da Alepe, vão começar na segunda-feira (9), a partir das 9h, e serão uma oportunidade de todos os candidatos mostrarem aos conselheiros o trabalho que desenvolvem em seus grupos e comunidades. As audiências terão continuidade nos dias 10, 11, 12 e 13 de julho, sempre das 9h às 13h. O evento é aberto ao público e à imprensa.

    Confira abaixo a lista dos candidatos inscritos e os dias das apresentações:

    Segunda-feira (9), das 9h às 13h

    1 – Banda 1º de novembro – Pé de Cará
    2 – Mestre Zé de Bibi
    3 – Dona Minininha
    4 – Amaro Poeta
    5 – Índio Matinho
    6 – Mestre Severina Lopes
    7 – Mister Denis
    8 – Maracambuco
    9 – Maria Digna
    10 – Noé da Ciranda
    11 – Apolinário
    12 – Filarmônica 28 de Junho

    Terça-feira (10), das 9h às 13h

    1 – José Manoel da Silva
    2 – Getúlio Cavalcanti
    3 – Mestre Biu do Gazá
    4 – Clube Carnavalesco Misto Reizado Imperial
    5 – Mestre Toinho
    6 – José Evangelista Rodrigues
    7 – Maestro Oseas
    8 – Ivan Marinho
    9 – Agostinho do Acordeon
    10 – Clube Carnavalesco Misto Toureiros de Santo Antônio
    11 – Clube Carnavalesco Misto Prato Misterioso
    12 – Beth de Oxum 

    Quarta-feira (11), das 9h às 13h

    1 – Mestre Jorge Ferreira
    2 – Tribo Indígenas Tapirapé
    3 – Mestre Teté
    4 – Afoxé Alafin Oyó
    5 – Mágico Alakazan
    6 – Valdeck Farias
    7 – Dona Glorinha do Coco
    8 – Dona Aurinha
    9 – Cristina Andrade
    10 – Casa Xambá
    11 – Coral do Carmo
    12 – Clube Carnavalesco Misto Elefante de Olinda

    Quinta-feira (12), das 9h às 13h

    1 – Maracatu Piaba de Ouro
    2 – Roberto do Maracatu
    3 – Caboclinho Carijós do Recife
    4 – Terezinha do Acordeon
    5 – Xirumba
    6 – Maviael
    7 – Ricardo Diniz
    8 – Gonzanga de Garanhuns
    9 – Estrela de Ouro
    10 – Caboclinho 7 Flexas de Goiana
    11 – Jota Michilles
    12 – Lau do Maracatu 

    Sexta-feira (13), das 9h às 13h

    1 – Zé de Teté
    2 – Banda Musical Saboeira
    3 – Cambinda Brasileira
    4 – Caboclinho Cahetés de Goiana
    5 – Mestre Zuza
    6 – Mestre Santino Cirandeiro
    7 – Bloco Caravana Andaluza
    8 – Assisão
    9 – Mestre Aprígio
    10 – Clube Carnavalesco Misto Bola de Ouro
    11 – Banda 15 de Agosto

    Serviço

    Audiências para defesa oral dos candidatos ao título de Patrimônio Vivo de Pernambuco
    Quando: 9, 10, 11, 12 e 13 de julho, das 9h às 13h
    Onde: Plenário do Museu Palácio Joaquim Nabuco – Edf. Histórico da Assembleia Legislativa do Estado de Pernambuco (Alepe) – Rua da União, 397 – Boa Vista, Recife – PE
    Aberto ao público

    Assuntos: secult, audiencia publica, patrimonio vivo, candidatos, defesa,
    Compartilhe: Link para o post:
  • Governo de Pernambuco inaugura segundo módulo do Centro Cultural Cais do Sertão

    | Cultura

    O espaço foi projetado para dialogar tradição e inovação, imergindo o visitante na atmosfera do Sertão.

    O Governo de Pernambuco entregou, na manhã desta sexta-feira (06.07), o segundo módulo do Centro Cultural Cais do Sertão – Museu Luiz Gonzaga. O equipamento, um prédio de aproximadamente 5,5 mil metros quadrados, localizado no antigo Armazém 10 do Porto do Recife, busca dialogar tradição e inovação, imergindo o visitante no universo sertanejo.

    O Centro Cultural, projetado para trabalhar a atmosfera do Sertão, conta com salas de aula para cursos, auditório multiuso com 232 lugares, espaço para exposições temporárias, jardim suspenso, um café bar e um restaurante na cobertura, com vista para o mar, para o Porto do Recife e para a cidade. Com um investimento de R$ 25,4 milhões, as obras foram executadas pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, por meio do Prodetur, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID), com patrocínio da Compesa, da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe) e de Suape.

    “O Cais do Sertão é um grande equipamento que vem coroar todo o nosso potencial cultural. O espaço vem complementar o Cais I, deixando de ser só um museu e acompanhando essa tendência mundial, que tem o museu permanente, a exposição temporária, de café, de restaurante e de auditório. Então aqui é uma área para múltiplas apresentações e ações, tanto na área de cultura quanto na área de turismo. São muitas potencialidades num equipamento só”, afirmou Manoela Marinho, secretária executiva do Prodetur.

    O espaço de exposição, que conta com três das quatro salas ocupadas, também foi inaugurado. As mostras são: “Ela musa artista”, uma coletânea de arte feminina; “Autovacilo”, com pinturas do coletivo Vacilante; e “Avoenga”, com trabalhos de Ariano e Dantas Suassuna. As três exibições terão duração de dois meses (julho e agosto) e estarão abertas para visitação no horário de funcionamento do museu.

    O coordenador do Centro Cultural, Toinho Mendes, registrou a importância do espaço para a cultura local. “O Centro Cultural vai continuar sendo a expressão de tudo aquilo que a gente gostaria que o museu fosse. E será aqui, no Centro Cultural, que as nossas ideias, as nossas conquistas vão tomar vida, em todos os espaços que a gente tem espalhados aqui”.

    O funcionamento do complexo cultural será das 9h às 17h, de terça a sexta, e das 13h às 17h aos sábados e domingos. A entrada será gratuita nas terças-feiras. Nos demais dias, os ingressos custam R$ 10,00 (inteira) e R$ 5,00 (meia), para estudantes de até 24 anos que apresentarem comprovação. Idosos a partir de 60 anos, crianças até 5 anos, pessoas com deficiência, professores, profissionais de museus e de turismo não pagam.

    Assuntos: sei, governo de pernambuco, cais do sertao, nova etapa, cultura, investimento
    Compartilhe: Link para o post:
  • Governo de Pernambuco entrega novo Centro Cultural Mercado Eufrásio Barbosa em Olinda

    | Cultura

    mercado

    Equipamento foi transformado em Centro de Cultura Popular, com salas de exposição permanentes e temporárias, espaços para dança, artesanato e gastronomia.

     O Governo de Pernambuco entrega, nesta quinta-feira (5/07), o novo Mercado Eufrásio Barbosa. Depois de uma completa requalificação estrutural, o equipamento foi transformando em um grande Centro de Cultura Popular, um verdadeiro cartão-postal para a cidade de Olinda. O espaço de 6 mil metros quadrados conta agora com salas de exposição permanentes e temporárias, salas para oficinas de artesanato, dança e gastronomia, local para feiras sazonais, um novo Teatro Fernando Santa Cruz, 22 novas lojas, restaurante com paisagismo e uma livraria da Companhia Editora de Pernambuco (Cepe). As obras, orçadas em R$ 19,4 milhões, foram executadas pela Secretaria de Turismo, Esportes e Lazer, por meio do Prodetur, com recursos do Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID).

    A transformação estrutural do Mercado Eufrásio promoveu o resgate da história do equipamento. O icônico Teatro Fernando Santa Cruz, com capacidade para 161 lugares, ganhou novas poltronas, acústica, climatização e cenografia. O novo centro cultural está sendo inaugurado também já com quatro grandes exposições, ocupando cinco das seis salas voltadas a este fim: “Tânia Carneiro Leão – Pinturas”, da filha de Eufrásio Barbosa; “Olhares Pioneiros”, uma coletânea de artistas olindenses dos anos 1960 e 1970; exposição de quadros do multiartista pernambucano Bajado; e o Museu do Mamulengo, em funcionamento há mais de 20 anos na Cidade Alta, agora transferido de forma permanente para o novo centro cultural.

    Além dos grandes espaços, agora também são atração do novo mercado elementos que contam a história do equipamento: um grande forno da antiga fábrica de doces e conservas Amorim da Costa, que funcionou no local entre as décadas de 1960 e 1990; e um painel de azulejo com figura de leão, que foi retirado do local para requalificação. A reforma incluiu ainda a climatização de parte dos espaços, acessibilidade, iluminação, paisagismo e revitalização do piso e das cobertas. O modelo de gestão do novo Eufrásio Barbosa foi definido através de um projeto de lei que garantiu a cessão de gestão compartilhada entre a Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper) e a Prefeitura de Olinda.

    Para o secretário de Turismo, Esportes e Lazer de Pernambuco, Márcio stefanni, a requalificação do equipamento é significativa para a manutenção da cultura popular do Estado. “A transformação estrutural do Mercado Eufrásio Barbosa promoveu o resgate histórico do equipamento. Entregamos uma obra fundamental para a preservação da cultura pernambucana, que vai também fomentar o turismo atraindo novos visitantes, gerando emprego e renda para a população”, destacou Stefanni.

    HISTÓRIA – Ponto turístico de Olinda, o Mercado Eufrásio Barbosa teve sua construção datada dos séculos XVII e XVIII. Entre 1894 e 1960 funcionou a primeira Casa da Alfândega de Pernambuco. Entre as décadas de 1960 e 1990, funcionou como fábrica de doce e, em 1990, foi reaberto como mercado público. O equipamento é tombado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan).

    ESCUTA PÚBLICA – Em 2014, em atendimento às exigências do Prodetur Nacional PE, foi realizada uma audiência pública com a população olindense. Entre os 310 presentes, estiveram representantes de entidades como Associação Carnavalesca de Olinda, Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL), agremiações carnavalescas, Mosteiro de São Bento e da Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca). Na ocasião, foi apresentado o projeto de requalificação do Mercado Eufrásio Barbosa, que previa a instalação de um Centro Cultural contendo áreas de exposições temporárias de artesanato e cultura local.

    OBRAS COMPLEMENTARES – Durante a obra de requalificação do Mercado Eufrásio Barbosa foram realizados ajustes no projeto original para atender às exigências dos órgãos envolvidos na fiscalização e monitoramento (Iphan, Prefeitura de Olinda e BID), o que fundamentou a necessidade da realização de obras complementares. A nova etapa das obras incluiu a recuperação estrutural dos boxes de exposição, reservatório e pilares internos; urbanização do jardim; construção do restaurante; recuperação do azulejo português e de peças da antiga fábrica de doces; construção de muro externo e recuperação do canal de água corrente no interior do mercado.

    PROGRAMAÇÃO

    EXPOSIÇÕES – O novo Mercado Eufrásio será inaugurado com quatro exposições, ocupando cinco das seis salas previstas para exposições no equipamento. As mostras são gratuitas e funcionarão de terça-feira a sábado, das 9h às 13h.

    ARTES PLÁSTICAS – O Centro Cultural Mercado Eufrásio Barbosa terá duas galerias de artes plásticas, sob a curadoria do artista plástico Raul Córdula, que é paraibano mas escolheu Olinda para fixar residência. A primeira exposição será “Olhares Pioneiros”, em referência aos primeiros movimentos coletivos na cidade-patrimônio surgidos nas décadas de 1960 e 1970, destacando o Movimento da Ribeira, criado a partir da parceria do prefeito Eufrásio Barbosa, em 1965, com um grupo de artistas formado por Adão Pinheiro, Ypiranga Filho, José Barbosa, Tiago Amorim, Guita Charifker, José Tavares, entre outros. A segunda exposição é a mostra “Tânia Carneiro Leão – Pinturas”, da filha de Eufrásio Barbosa, que acompanhou desde cedo o nascimento desses movimentos.

    MUSEU DO MAMULENGO – Em funcionamento há mais de 20 anos em Olinda, o Museu do Mamulengo – Espaço Tiridá foi trazido da rua Laura Nigro, na Cidade Alta, para ocupar outras duas salas do novo Mercado Eufrásio.

    ESPAÇO BAJADO – Uma das salas do Mercado Eufrásio também abrigará uma exposição com 40 quadros do multiartista Bajado. O acervo está locado atualmente no gabinete da Prefeitura de Olinda.

    PÓS-INAUGURAÇÃO – Ainda estão previstas, até o fim do ano, a montagem do Espaço Janete Costa, com peças da arquiteta e curadoria da filha Roberta Borsoi; uma exposição de alegorias de carnaval; oficinas de dança, artesanato e gastronomia (consultoria do chef César Santos); além de uma área para feiras sazonais (de produtos orgânicos e antiguidades, dentre outras), onde antes funcionava o Bar da Rampa.

    Assuntos: sei, governo de pernambuco, mercado, eufrasio barbosa, cultura, centro popular, cepe, historia, inalguracao
    Compartilhe: Link para o post:
  • Fenearte terá quiosque da Rede de Municípios Saudáveis

    | Cultura

    Espaço viabilizado pela Agência Condepe/Fidem funcionará no stand 406, na Rua 18. 

    O quiosque dos artesãos ligados à Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis da 19º Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte) estará localizado, este ano, no stand 406, na Rua 18 (próximo à Praça da Alimentação na área interna). No local, estarão expostos produtos elaborados a partir da fibra de bananeira, palha de milho, papel reciclado, tecido e fita, entre outros.

    Quatro municípios têm artesãos habilitados a comercializar seus produtos no estande viabilizado pela Agência Estadual de Planejamento e Pesquisas de Pernambuco (Condepe/Fidem): Barra de Guabiraba, Goiana, Palmares e Salgueiro. Outros municípios, entre os 24 integrantes da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis, também terão alguns produtos expostos no local.

    O artesanato foi identificado como um dos principais instrumentos impulsionadores para a geração de renda e para inserção no mercado de trabalho das comunidades. Os artesãos que participam da feira foram selecionados a partir de critérios preestabelecidos. Eles participam preliminarmente de cursos de capacitação na área de design, com a finalidade de estimular a criatividade com foco na identidade local.

    A Fenearte começou na última terça-feira (04) e segue até o dia 15 de julho, no Centro de Convenções, em Olinda. O homenageado é o Mestre Salu, artista que é referência da cultura popular pernambucana. A feira é uma boa opção para se divertir com a família, já que a programação oferece desde exposição até desfiles de passarela.  

    SERVIÇO
    O que – 19º Feira Nacional de Negócios do Artesanato – Fenearte
    Quando: 4 a 15 de Julho
    Onde: Centro de Convenções de Pernambuco
    Participação - Exposição de produtos dos Artesãos de Municípios da Rede Pernambucana de Municípios Saudáveis
    Quiosque da Agência Condepe/Fidem - stand 406 na rua 18 (próximo à Praça da Alimentação na área interna).

     

    Assuntos: seplag, condepe, fidem fenearte, rede de municipios saudaveis, artesanato,
    Compartilhe: Link para o post:
  • Galeria Reciclada Cepe participa da Fenearte

    | Cultura

    cepe

    Pela primeira vez a Cepe Editora terá estande na maior feira de artesanato da América Latina, onde exibirá peças produzidas com resíduos de sua indústria gráfica.

    Transformar resíduos sólidos em algo produtivo é o grande desafio do mundo contemporâneo. A indústria gráfica, por exemplo, gera uma quantidade considerável de papel triturado resultante da máquina encadernadora. Na Cepe, esse suposto ‘lixo’ virou obra de arte graças à adição de cola e de muita criatividade para modelar esculturas e painéis.  ​​​​​​

    Assim nasceu a Galeria Reciclada Cepe, que agora expõe os trabalhos resultantes da iniciativa pioneira da gráfica pernambucana no Brasil na 19ª edição da Feira Nacional de Negócios do Artesanato (Fenearte), de 4 a 15 de julho, no Centro de Convenções. Trata-se da primeira participação da Cepe no evento, onde terá um espaço de 37 metros quadrados, ocupados por cerca de 16 peças.

    O criador do acervo é o superintendente de produção gráfica, Júlio Gonçalves, que começou a colocar a mão na massa, literalmente, em março do ano passado. “A partir do momento em que tomei contato com o resíduo da máquina encadernadora, comecei a fazer testes com ele para ver no que poderia dar”, conta Júlio, artista autodidata autor de esculturas, painéis e peças utilitárias (bandejas, fruteiras) com inspiração pássaros, peixes, flores e figuras totêmicas. No repertório dos suportes para criação também entram o papelão das embalagens, madeirites, rolos de fita durex e até vasilhames de detergente.

    Para executar as obras, feitas no ateliê-laboratório dentro da Cepe, Júlio conta  com a ajuda do auxiliar de acabamento gráfico Sílvio Capistrano, e Lígia Régis, da equipe do Diário Oficial.

    O próximo passo é transmitir o conhecimento a comunidades e criar uma fonte de renda a partir dos resíduos. Ao ver o resultado, quem sabe outras indústrias não se animam a fazer o mesmo?

    Assuntos: ccivil, cepe, fenearte, reciclagem, papel, acervo, pecas
    Compartilhe: Link para o post:
  • FIG 2018 é vitrine para a diversidade e a liberdade criativa que identificam o povo brasileiro

    | Turismo, Cultura

    fig

    Programação do 28º Festival de Inverno de Garanhuns – Um Viva à Liberdade, anunciada pelo Governo de Pernambuco, reúne mais de 500 atrações, em 21 polos de todas as linguagens artísticas, durante dez dias, confirmando o evento como o maior festival de artes do Brasil. 

    A partir das 19 horas do próximo dia 19 e até o amanhecer do dia 29 de julho, o agreste pernambucano vai se transformar novamente em destino certo para a vivência do que há de mais belo e pulsante na arte e na cultura do Brasil. No momento em que a companhia teatral carioca Barca do Corações Partidos subir ao palco do Centro Cultural Alfredo Leite Cavalcanti para apresentar - pela primeira vez em Pernambuco - o espetáculo "Auê", estará oficialmente aberta a 28ª edição do FIG, o Festival de Inverno de Garanhuns. 

    Confira aqui a programação completa (link alternativo).

    Vencedor do Prêmio Shell 2016 na categoria de melhor direção, o espetáculo que mistura dança, performance, música e teatro é uma celebração da diversidade cultural brasileira e reflete bem o tema e a grande homenageada desta edição do FIG: a liberdade.

    Liberdade de criação artística e de pensamento que vai ganhar os palcos para shows musicais e apresentações de teatro e dança; as salas para exposições de artes visuais, design, moda e fotografia; a tela do cinema; os espaços literários, de artesanato e gastronomia; a lona do circo, as ruas e parques de Garanhuns.

    “Nesses tempos em que a regressão civilizatória do neoliberalismo tenta impor o pensamento conservador e moralista ao aparelho de Estado, aos meios de comunicação e à cultura atacando a livre manifestação artística, estimulando a intolerância, promovendo a perseguição política e absurdos como boicotes, punições a mostras, filmes e a outras obras de arte, estamos garantindo que o FIG será novamente um território livre para fruição da nossa diversidade, da liberdade criativa e de todas as vivências artísticas e culturais, expressão da nossa própria identidade como povo”, defende Marcelino Granja, Secretário Estadual de Cultura.

    Para a presidente da Fundarpe, Márcia Souto, "o grande diferencial do FIG é seu compromisso com a política pública para a cultura em Pernambuco, por ser realizado exclusivamente com recursos públicos e pelo Governo do Estado". Ainda de acordo com a gestora, "a programação artística - construída a muitas mãos e a partir de um Edital Nacional - permite o encontro dos pernambucanos e turistas com artistas admirados em todo o País, com todas as manifestações da nossa cultura popular, com alguns Patrimônios Vivos do Estado, mas também com o que há de novidade nas mais diversas expressões culturais".

    De acordo com o coordenador executivo e artístico do FIG, André Brasileiro, “a programação é um recorte precioso do que há de atual e urgente nas diversas cenas da arte brasileira, o que contribui para consolidar o Festival como o maior evento de fruição da nossa cultura, em pleno agreste pernambucano, e que também abre espaço para os artistas desta região e de todos os cantos do Estado”. 

    Realizado pelo Governo de Pernambuco, por meio da Secult-PE e da Fundarpe, o FIG conta com a parceria da Prefeitura de Garanhuns, da Cepe Editora, do SESC Pernambuco, do SEBRAE, do Conservatório Pernambucano de Música e do Festival Virtuosi. 

    PROMOÇÃO DAS LIBERDADES

    Todos os polos do FIG vão revelar o compromisso do Governo de Pernambuco com a promoção das liberdades artística, estética, política, religiosa e de expressão, como um marco de enfrentamento dos preconceitos, da intolerância e da afirmação do Estado democrático de direito. 

    programação de teatro figura entre os destaques desta proposta curatorial. Vinte e quatro premiados espetáculos da atualidade brasileira, de grupos de prestígio internacional, estão confirmados. O combate à intolerância e à discriminação vai ganhar força com a apresentação das obras selecionadas. Entre elas, O Evangelho segundo Jesus, a Rainha do Céu, alvo de protestos pelo País e que chegou a ter sessões canceladas por decisão judicial, evidenciando o preconceito contra as pessoas transexuais.

    As montagens também abordarão questões de gênero, como o espetáculo potiguar Violetas. A partir de obras protagonizadas por negros e que evidenciam a cultura negra, como Contos Negreiros do BrasilPoeta Preto e Histórias Bordadas em Mim, o racismo também será discutido. O teatro documentário também estará presente na programação em quase todas as peças, a exemplo do infantil As Três Marias, também com o gaúcho Caio do Céu, o paulista Carta 1: A Infância Promessa de Mãe, o olindense Solo de Guerra, e o recifense Salmo 91.

    A liberdade de expressão da religiosidade por meio de danças e ritos culturais também está garantida no Festival. O palco de Cultura Popular Ariano Suassuna recebe uma programação diversa, agregando grupos de afoxé, maracatu, caboclinhos, reisados e tantas outras manifestações que expressam a diversidade cultural pernambucana, como bois, blocos líricos, escolas de samba, ciranda, clubes de frevo, coco e cavalo marinho, demonstrando a resistência da classe trabalhadora e dos setores populares da sociedade.

    PLATAFORMA FIG
    Pelo segundo ano consecutivo, o Festival promove a ação especial Plataforma FIG, um encontro entre artistas do Estado com programadores de importantes festivais de música do Brasil, além de jornalistas especializados e outros agentes da cadeia produtiva da música.

    Direitos Autorais, o mercado digital, a relação entre produtos audiovisuais e a música, além das políticas públicas para o setor são alguns dos temas dos debates programados, que acontecerão entre os dias 26 e 28/7.

    PALCO MESTRE DOMINGUINHOS
    Maior polo do Festival, o Palco Mestre Dominguinhos recebe em mais uma edição toda a diversidade de ritmos que marca a música brasileira. A primeira noite de shows, a sexta-feira (20), será comandada pelos pernambucanos do Cordel do Fogo Encantado, da Orquestra Santa Massa, além de Siba e a Fuloresta, Anderson do Pife com a tradicional banda de pífano Zé do Estado.

    Até o sábado (28), o palco recebe atrações como Maria RitaVanessa da MataGaby AmarantosJohnny Hooker, Nação ZumbiDiogo NogueiraFlávio VenturiniSantannaCoco de Umbigada, o rapper Emicida e a banda baiana ÀTTØØXXÁ.

    A noite da segunda-feira (23), que será encerrada pelo cantor Odair José, vai ser também de reverência a grandes cantoras brasileiras com os shows: “Gonzaga Leal e Áurea Martins cantam Dalva de Oliveira”, “Cristina Amaral canta Núbia Lafayette” e “Bárbara Eugênia canta Diana”

    Ainda entre os destaques do polo, o show Nova Cena Pernambucana tem direção musical de Juliano Holanda e apresenta Aninha MartinsFlaira Ferro, Isaar, Isadora Melo, Martins, Almério, Romero Ferro e Amaro Freitas. Muito bem recebido no Rio Creative Conference (Rio2C 2018), o show traz um recorte da cena musical pernambucana em evidência e reflete a vasta gama de sonoridades que tão bem simboliza a nossa música. Além de evidenciar o repertório próprio dos artistas no palco, o show conta com homenagens a Luiz Gonzaga, Alceu Valença, Lia de Itamaracá, Reginaldo Rossi; e também projeções visuais desenvolvidas pelo VJ Gabriel Furtado dos filmes em Super8 de Jommard Muniz de Brito. 

    CIRCO E DANÇA
    Pela primeira vez na história do Festival, a dança contemporânea alternativa ganha uma mostra específica, que acontece no Salão Jaime Pincho (SESC). Espetáculos como os pernambucanos Segunda PeleMeia Noite e O Grito, assim como os paulistas Porque somos mutantes e Devolve duas horas da minha vida são alguns destaques da programação.

    Já pela lona do circo, passarão artistas tradicionais e também representantes de expressões mais contemporâneas. Entre as atrações confirmadas, destaque para a 2ª Mostra de Números Tradicionais, resultado do Projeto Formação de Jovens Circenses no âmbito da Cooperação Brasil/França iniciado em 2017. Os circos familiares (Vidal, Nawellington, American Circus, Itinerante Alves) também vão arrastar milhares de adultos e crianças ao Parque Euclides Dourado, já a partir do sábado (21).

    LITERATURA
    Mais de 60 atrações, entre recitais, debates, lançamentos de livros e leituras dramáticas integram a programação do polo de literatura do Festival que, nesta edição, recebe o nome de Praça da Palavra Raimundo Carrero. A homenagem faz parte de um roteiro de tributos organizado pelo Governo de Pernambuco para marcar os 70 anos do escritor, um dos mais premiados do País. Já no sábado (21), acontece o lançamento da tetralogia “Condenados à Vida" (Cepe Editora), que reúne quatro romances importantes de Carrero: ‘Maçã Agreste’, ‘Somos pedras que se consomem’, ‘O amor não tem bons sentimentos’, e ‘Tangolomango’. A partir das 19h, o escritor conversa com o jornalista Marcelo Pereira. 

    Ainda entre os destaques do polo, o debate "Três Olhares para Literatura Infantojuvenil", com os escritores Cleyton Cabral, Cícero Belmar e Paulo André Viana, que acontece no sábado (28); a Mesa de Glosas "Mulheres de Repente", com Dayanne Rocha, Elenilda Amaral, Erivoneide Amaral, Francisca Araújo e Luna Vitrolira; o debate com os vencedores do V Prêmio Pernambuco de Literatura: Ezter Liu, Enoo Miranda, Amâncio Siqueira, Fred Caju e Walter Cavalcanti Costa; além de toda uma programação alusiva ao protagonismo feminino na literatura, como o Recital SLAM das Minas, com Patrícia Naia, Bell Puã e Olga Pinheiro.

    PALCO POP
    Música autoral e contemporânea, que trafega por circuitos mais alternativos de divulgação, é a pegada do Palco Pop. A partir da terça-feira (24) e até o sábado (28), passam por lá atrações como a cantora baiana Xênia França, a rapper paulista Tássia Reis, os cantores recifenses Juvenil Silva e Publius Lentulus, o baiano Giovanni Cidreira, a banda cearense Jonnata Doll e Os Garotos Solventes, a goianense Boogarins e a icônica Tribo de Jah.

    FOTOGRAFIA
    Quatro exposições, além de uma intervenção urbana e um relançamento de livro fotográfico estão na programação do FIG. Entre os temas abordados, destaque para a relação do homem com a natureza; o cotidiano em comunidades quilombolas e indígenas na América Latina; o Carnaval Pernambucano e a tradição milenar das loiceiras de Tacaratu. 

    DESIGN E MODA
    Promover o consumo consciente, evidenciar paisagens e hábitos do Agreste pernambucano, enaltecer produtores locais, e até refletir sobre os logotipos utilizados ao longo da história do FIG estão entre os objetivos da programação de Design e Moda do Festival. São oito ações que abrem ao público a partir do sábado (21), incluindo um mercado de moda com marcas pernambucanas, independentes e autorais.

    PALCO INSTRUMENTAL
    A música instrumental está presente em mais uma edição do Festival de Inverno de Garanhuns. O palco no Parque Ruber van der Linden recebe, a partir da terça-feira (24), atrações como o Maestro Duda, a Banda Musical Curica e o Maestro Ademir Araújo (três Patrimônios Vivos de Pernambuco), o pianista Vitor Araújo, o saxofonista Leo Gandelman, e o guitarrista baiano Armandinho, que encerra a programação do polo no sábado (28), em um show com o arcodeonista Beto Hortis. 

    ARTESANATO
    A parceria com o SEBRAE está garantindo mais uma edição do Armazém das Artes e Negócios. Este ano, serão setenta e seis estandes ocupados pelos artesãos selecionados pelo SEBRAE, pela Convocatória para ocupação de espaços da Secult/Fundarpe ou convidados pela organização. Mestre NidoMestra Cida, a Associação das Artesãs de Passira e a Associação dos Mamulengueiros de Glória do Goitá estão entre as atrações.

    PALCO FORRÓ
    Nádia MaiaIrah CaldeiraAzulão, Cezzinha e Gennaro são algumas das atrações que vão esquentar o palco Forró do FIG 2018. As apresentações acontecem de terça-feira (24) até o sábado (28).

    SOM NA RURAL
    A mistura de gêneros que tem atraído cada vez mais público ao polo Som na Rural, localizado no Parque Euclides Dourado, está reforçada nesta edição do FIG. A programação por lá já abre na sexta-feira (21), a partir das 18h, e segue até o sábado (28). Entre as atrações confirmadas estão o Mestre Luiz Paixão, os cantores olindenses Gilu Amaral e TinéBande Dessinée, a cantora mineira Ceumar, a pernambucana Isaar e outros nomes de destaque da nova música pernambucana, como Vertin MouraGabi da Pele Preta e Helton Moura.

    MÚSICA NA CATEDRAL
    A Catedral de Santo Antônio segue como polo para apreciação de instrumentistas  e cantores que chegam a Garanhuns com as programações do Conservatório Pernambucano de Música (CPM) e Festival Virtuosi, parceiros do FIG.

    As atrações sob a curadoria do CPM começam já na quinta-feira (19), com Wagner Tiso Trio. Entre os destaques da programação estão ainda o grupo SaGRAMA, as cantoras Ná Ozzetti e Mônica SalmasoFrancis Himme e Olívia Himme, e o show “10 Anos sem Caymmi”, com presença de Danilo Caymmi e instrumentistas.

    Já o Festival Virtuosi chega à sua 15ª edição na Serra trazendo instrumentistas de excelência como o pianista Victor Asuncion, os integrantes do Quinteto Sopro BrasilSexteto BrassilOrquestra Jovem de Pernambuco sob a regência de Rafael Garcia e do contratenor João Paulo Ferreira. Na sexta-feira (27), o Virtuosi promove o concerto ‘Canto de Uma Nação’, com canções típicas brasileiras do compositor Heitor Villa-Lobos.

    GASTRONOMIA
    A gastronomia do agreste pernambucano é destaque na programação do FIG. A mostra “Panela de Barro, Cultura no Prato” agrega atividades como exposição das loiceiras de Belo Jardim, vivência com as Mestras Delma, Cida e Neguinha, além de lançamento de livros, debates e “cozinha show” com chefs de Garanhuns selecionados através de curadoria específica.

    ARTES VISUAIS
    Quatro exposições e uma performance integram a programação de Artes Visuais do FIG 2018. A partir do contato com o trabalho dos artistas Tonfil, França Bonzion, Ana Flávia Mendonça e Priscila Rezende, o público do Festival poderá refletir sobre temas como o preconceito na sociedade, padrões de beleza e comportamento impostos às mulheres e injustiças sociais. Uma instalação de Thelmo Cristovam convida ainda para uma imersão sonora em obras desenvolvidas a partir de princípios da matemática e aspectos da bioacústica.

    PATRIMÔNIO
    De 19 a 28 de julho, o Instituto Histórico, Geográfico e Cultural de Garanhuns – IHGCG promove ações como lançamento da revista “Ruber”, palestras, recital de canto gregoriano e apresentações teatrais. Já a exposição Museu Afro Digital destaca o acervo da Coleção Missão Folclórica de Mário de Andrade, com peças de terreiros de Pernambuco confiscadas nos anos 1930, através de recursos interativos e holográficos.

    AUDIOVISUAL
    A recente produção cinematográfica do Estado será mais uma vez o destaque da programação de audiovisual. As sessões serão gratuitas, para todas as idades, seguidas por debates com realizadores. 

    Confira a programação atualizada e outras notícias sobre o Festival em www.cultura.pe.gov.br/fig2018

    Assuntos: secult, seturel, governo de pernambuco, fig, garanhuns, atracoes, programacao, categorias, cultura, liberdade, diversidade, criatividade, design, moda, fotografia
    Compartilhe: Link para o post:
  • Festa do Fogo marca sincretismo religioso, no Pátio de São Pedro

    | Cultura

    grande público

    Religiões de Matriz Africana e tradicionalismo junino local são celebrados no período junino.

    Já inserida no calendário cultural pernambucano, a Festa do Fogo celebra a divindade de Xangô – na tradição iorubana, conhecido por ser o Rei, relacionado aos elementos de raios e trovões e que tem representatividade nas fogueiras acesas no período junino, também em menção ao santo católico, São João. A celebração acontece hoje (27), às 18h, no Pátio de São Pedro, no bairro de Santo Antônio, Grande Recife.

    “Para as religiões de matriz africana, o mês de junho tem uma singularidade, por reverenciar o nosso Xangô, que é sinônimo de festa e fartura à mesa. Também encontramos nessa sincronia com São João uma maneira de quebra de paradigmas e preconceitos, à medida que mostramos que nossa crença faz reverência a tudo que vem da natureza; todas criadas por Deus”, explica Mãe Elza t’Yemojá, assessora técnica da coordenadoria de Igualdade Racial da Secretaria Executiva de Segmentos Sociais (SESES), da pasta da Justiça e Direitos Humanos (SJDH) de Pernambuco.

    Ainda segundo a assessora, o ciclo junino também é o momento em que a culinária tradicional, popular nas festas de São João pernambucanas, seja utilizada como alinhamento entre os dois credos. Canjica, bolo de milho, bolo de macaxeira, milho verde, arroz doce e tapioca são alguns exemplos registrados como sagrados pelos povos de matriz africana e que também estão diretamente ligadas à gastronomia no culto cristão. “O milho foi o grande interlocutor deste diálogo entre as religiões, uma vez que é visto como símbolo de fartura”, destaca.

    A Festa do Fogo tem realização do Governo do Estado, da Prefeitura da Cidade do Recife e da Articulação da Caminhada de Terreiros. A escolha do local de realização do evento também traz um dado emblemático para o povo negro de Pernambuco. Foi, também, o local onde se registrou o maior público numa Festa do Fogo já realizada na cidade do Recife. “Nós entendemos que a partir do momento em que a sociedade passa a compartilhar destas comemorações, o preconceito se desarma”, finaliza Mãe Elza.

    Serviço:Coordenadoria de Igualdade Racial
    Endereço: Praça do Arsenal da Marinha, s/n, Bairro do Recife
    Telefone: 3182-7642
    Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH)
    Telefone: 3182-7625
    Colaboração:Ilé Asé Egbé Awo – Comunidade do Segredo, Salgadinho – Olinda

    Assuntos: sjdh, seses, festa do fogo, sao joao, patio de sao pedro, gastronomia, colaboracao
    Compartilhe: Link para o post:
  • Paulo Câmara prestigia São João dos municípios de Limoeiro e Carpina

    | Cultura

     Limoeiro

    O governador Paulo Câmara participou, neste sábado (23.06), do São João de Limoeiro, no Agreste Setentrional, e de Carpina, na Zona da Mata Norte. Ambas as festas são consideradas expressões fortes da cultura popular do Estado. Com as ruas de acesso aos polos lotadas, as cidades esperam receber, aproximadamente, 600 mil pessoas entre moradores e turistas nos polos de animação que seguem até 1º de julho.

    "Estou feliz que Pernambuco está sendo, mais uma vez, o melhor São João do Brasil. A festa ocorre em vários municípios, várias regiões, mantendo as nossas tradições, com as pessoas aproveitando em paz. Um São João que realmente remete as nossas origens", afirmou Paulo.

    Em Limoeiro, a festa conta com dois polos: o da Rua da Alegria e o do Palco Principal. Os homenageados do ano são a doceira Maria do Confeito, o coquista Paulo Faustino e Vicente Andarilho, figura que faz parte da história do município. A expectativa é de que o evento receba mais de 400 mil pessoas durante os oito dias de festividades, entre 23 de junho até 1° de julho.

    "É um prazer poder estar realizando essa festa aqui em Limoeiro, resgatando as nossas tradições com o forró pé de serra. Gostaríamos de agradecer a sensibilidade do governador de contribuir, através da Fundarpe e Empetur, para que a gente pudesse realizar esse evento", disse o prefeito de Limoeiro, Joãozinho.

    Carpina

    Já no município de Carpina, a expectativa é receber de 140 mil pessoas durante todo evento, que ocorrerá do dia 22 a 28 de junho.  Neste ano, a festa, tem como homenageado o músico e comunicador Hildebrando Marques, conhecido forrozeiro da região. A programação inclui diversas atrações com destaque nacional e regional. 

    O prefeito de Carpina, Botafogo, agradeceu a atenção do governador. "É honroso o governador vir aqui prestigiar o São João e também se propor a trabalharmos em conjunto, em prol da saúde e da educação. Foi um prazer recebê-lo em nossa cidade".

    Também estiveram presentes no evento os deputados federais Fernando Monteiro e Luciana Santos; os deputados estaduais Aluísio Lessa e Vinícius Labanca; o chefe de gabinete Gustavo Negromonte; e o vice prefeito de Limoeiro, Marcelo Mota.

    Fotos: Hélia Scheppa/SEI

    Assuntos: sei, sao joao, carpina, limoeiro, paulo camara,
    Compartilhe: Link para o post:
  • Governo de Pernambuco realiza entrega do 3° Prêmio Ariano Suassuna

    | Cultura

    premio

    Na edição deste ano foram registradas um total de 164 inscrições. 

    Em seu terceiro ano, o Prêmio Ariano Suassuna de Cultura Popular e Dramaturgia foi entregue nesta quinta-feira (21.06), em solenidade realizada no Palácio do Campo das Princesas. O evento, comandado pelo governador Paulo Câmara, contemplou 8 vencedores na categoria Cultura Popular e 6 no segmento Dramaturgia. Na ocasião, o governador também assinou decreto autorizando a realização do Prêmio Palhaço Cascudo de Incentivo às Artes Circenses.

    “Apesar de todas as dificuldades a gente conseguiu fazer com que a nossa cultura não tivesse nenhum tipo de corte. Pelo contrário. Temos feito tudo que sabemos ser necessário para que a cultura, que é a base do nosso Estado, junto com o nosso patrimônio e com a nossa história, seja cada vez mais valorizada”, afirmou o governador.

    A atual edição do prêmio registrou um total de 164 inscrições, sendo 101 na categoria Dramaturgia e 63 em Cultura Popular. Este último abrange as categorias Mestres e Grupos, que foram bonificados com R$ 10 mil e R$ 15 mil, respectivamente. Na área de Dramaturgia, o primeiro colocado recebeu R$ 10 mil e o segundo R$ 7 mil.

    “Somado aos prêmios Hermilo Borba Filho de Literatura, ao Ayrton de Almeida Carvalho de Preservação do Patrimônio Cultural, e aos três novíssimos prêmios que estamos lançando – o Pernalonga de Teatro, o Pernambuco de Fotografia e, agora, o de Circo – podemos dizer que temos um conjunto forte de iniciativas que reconhecem o trabalho dos nossos artistas, seus saberes e práticas que só fortalecem a política cultural”, comenta o secretário de Cultura do Estado, Marcelino Granja.

    Com o investimento de R$ 150 mil, o Prêmio Palhaço Cascudo, anunciado durante a cerimônia, é uma homenagem ao circense Francisco Chagas da Costa, o Palhaço Cascudo, e visa incentivar as expressões de arte circense realizadas em Pernambuco. O filho do artista, Cícero Romão, expressou a felicidade da família e a importância da criação do prêmio.

    “A gente recebe essa homenagem com muito prazer e com muita alegria. Sabemos que o prêmio vai contribuir em vários setores, não só na cultura. Como foi dito pelo governador, esse incentivo à cultura também motiva crianças a saírem das ruas e ocuparem suas cabeças”, frisou.

    Participaram do evento, a deputada federal Luciana Santos; os deputados estaduais Waldemar Borges, Henrique Queiroz e Aluísio Lessa; os secretários estaduais José Neto (Chefe de Gabinete) e Alexandre Valença (Micro e Pequena Empresa, Trabalho e Qualificação); a presidente da  Fundação do Patrimônio Histórico e Artístico de Pernambuco (Fundarpe) e do Conselho Estadual de Preservação do Patrimônio Cultural, Márcia Souto; a secretária de Cultura do Recife, Leda Alves, representando o prefeito Geraldo Julio; Mariana Suassuna, representando a família do mestre Ariano Suassuna; e Cicero Romão Batista, filho de Francisco Chagas da Costa.

    Assuntos: sei, paulo camara, premio ariano suassuna, cultura popolar, dramaturgia, palhaco cascudo, premios,
    Compartilhe: Link para o post:
  • “Outras Palavras” anuncia programação para o mês de junho

    | Cultura
    Cinco edições do projeto vão estimular interação de estudantes com cinema, teatro e cultura popular. O primeiro encontro é nesta quinta-feira (7), com sessão de cinema no Museu do Trem

    Durante o mês de junho, o Outras Palavras vai circular pela Região Metropolitana do Recife com outras cinco edições, desta vez promovendo uma interação entre estudantes de escolas públicas e outras linguagens artísticas além da literatura, como cinema, teatro, música e cultura popular. A maratona inicia já na próxima quinta-feira (7), às 14h, com uma sessão do Cine Estação, no Museu do Trem, e segue até o dia 19, com outros artistas previstos na programação, como a coquista Dona Glorinha do Coco.

    “Nós podemos afirmar, sem medo de errar, que o Outras Palavras está consolidado enquanto política pública de integração entre a cultura e a educação. O retorno que recebemos dos gestores e professores revela um enorme impacto do projeto entre os estudantes que participaram das várias edições realizadas, tanto por iniciativa da Secult-PE e Fundarpe, em articulação com as Gerências Regionais de Educação e a Secretaria de Educação, como por solicitações de escolas e municípios”, opina Antonieta Trindade, vice-presidente da Fundarpe e gestora do projeto.

    Na quinta (7), quarenta jovens da Escola Eurídice Cadaval, do Recife, vão conhecer de perto o Museu do Trem, um dos museus mais visitados de Pernambuco. Os jovens vão conferir também uma sessão do filme Janela Molhada  e, em seguida, conversar com Marcos Enrique Lopes, diretor do longa. “Recebemos com frequência a visita de grupos, e isso é essencial para a formação de novos públicos. E o Museu do Trem, na minha opinião, tem uma característica interessante porque mexe com a memória celular da sociedade. Crianças que nunca andaram de trem se empolgaram bastante vendo os carros e trilhos. Tem gente que chega aqui e chora de emoção. Não é à toa que em quatro anos recebemos mais de 100 mil visitas”, opina Márcio Almeida, gestor do equipamento cultural.

    A segunda edição prevista está marcada para o Dia dos Namorados, no dia 12 de junho, às 8h, na EREM Prof. Benedito da Cunha Melo, em Jaboatão dos Guararapes. Na ocasião, a conversa com os estudantes será feita pelo escritor Marcelo Mário Melo e o cantor Lucas Oliveira, que também é professor e pesquisador da cultura popular e da música de cantadeiras e cantadores do Brasil.

    Na sequência, o Outras Palavras vai levar jovens de escolas articuladas pela Gerência de Educação Profissional e pela GRE Metronorte para uma vivência com as artes cênicas, através de um bate-papo com o ator José Jorge Vicente de Paula e a diretora Cira Ramos. As ações acontecem, respectivamente, no dia 13, no Teatro Hermilo Borba Filho e no dia 14 de junho, no Teatro Arraial Ariano Suassuna.

    A programação de junho encerra no dia 19 de junho, com uma edição pela manhã na Escola Técnica Estadual Prof. Lucilo Ávila Pessoa, e a presença do autor Adalberto Monteiro e da mestra Dona Glorinha do Coco, que já participou de uma outra edição do projeto e é um símbolo da cultura popular do Amaro Branco, em Olinda. “Como eu costumo dizer, esse é um projeto de resistência, cujo objetivo é possibilitar o acesso da nossa juventude das escolas públicas ao que há de melhor nas artes e na cultura pernambucana. É a oportunidade de ouvir Outras Palavras, que os provoque a ocupar o protagonismo na vida social”, destaca Antonieta Trindade.

    Números do Outras Palavras - Em quase três anos, o projeto da Secult-PE e Fundarpe mudou a realidade do ambiente escolar para melhor e revolucionou a vida de muita gente. O projeto já atingiu mais de 510 escolas de várias regiões do estado (RMR, Sertão do Moxotó, Sertão do São Francisco, Agreste Meridional, Agreste Central, Agreste Setentrional, Mata Norte e Mata Sul), envolvendo cerca de 12 mil alunos e distribuindo nas instituições de ensino mais de 5.100 livros – boa parte deles são publicações vencedoras do Prêmio Pernambuco de Literatura ou produzidas com incentivo do Funcultura.

    Confira a programação do mês de junho do Outras Palavras:

    7 de junho | 14h    
    Museu do Trem
    Exibição de Filme Janela Molhada
    Participação: Marcos Enrique Lopes (diretor do filme)
    Grupo de alunos da Escola Eurídice Cadaval

    12 de junho | 8h
    EREM Prof. Benedito da Cunha Melo (Conj. Residencial Praia do Sol, s/n, Barra de Jangada, Jaboatão dos Guararapes)
    Autor: Marcelo Mário Melo
    Cultura: Lucas Oliveira (cantor, compositor, violonista, professor e pesquisador da cultura popular e da música de cantadeiras e cantadores do Brasil)

    13 de junho
    Teatro Hermilo Borba Filho
    Vivência em teatro com escolas articuladas pela Gerência de Educação Profissional
    Ator: José Jorge Vicente de Paula
    Diretora: Cira Ramos

    14 de junho
    Teatro Arraial Ariano Suassuna
    Vivência em teatro com escolas articuladas pela GRE Metronorte
    Ator: José Jorge Vicente de Paula
    Diretora: Cira Ramos

    19 de junho | 8h
    Escola Técnica Estadual Prof. Lucilo Ávila Pessoa (Av. Caxangá, 3345 – Iputinga, Recife)
    Autor: Adalberto Monteiro
    Cultura: Dona Glorinha do Coco

    Assuntos: secult, projeto outras palavras, cinema, teatro,
    Compartilhe: Link para o post: