meteorologia

Bacias Hidrográficas

Obra em todo lugar

Veja o que o Governo de Pernambuco está fazendo na sua região.

Blog de notícias

  • Encontro da Cultura Popular da Mata começa com sambada em Glória do Goitá

    | Cultura

    goitá

    Com apoio do Governo de Pernambuco, encontro vai acontecer até o dia 9 de novembro deste ano em outros quatro municípios

    Com a proposta de estimular a preservação deste bem cultural, a Associação dos Maracatus de Baque Solto de Pernambuco promove, a partir deste domingo (15), às 14h, o início do 9º Encontro da Cultura Popular da Mata. A abertura do encontro será no Engenho Thomé, na Zona Rural de Glória do Goitá, e terá a realização da Sambada das Buzinas entre os Maracatus Estrela da Tarde de Glória do Goitá e o Leão da Vitória de Vitória de Santo Antão.

    Com apoio do Governo de Pernambuco, através da Secretaria Estadual de Cultura e Fundarpe, o encontro vai acontecer até o dia 9 de novembro deste ano nos municípios de Glória do Goitá, Lagoa do Carro, Araçoiaba, Nazaré da Mata, Goiana e Buenos Aires.

    Gilberto Freyre Neto, secretário de Cultura do Estado, lembra que o Maracatu de Baque Solto é Patrimônio Imaterial do Brasil, título concedido pelo Iphan, em 2014. "Quem faz cultura são os artistas e precisamos valorizar a cultura popular, preservar e promover a rica diversidade cultural em Pernambuco", destacou o secretário.

    "Pernambuco tem feito seu dever de casa na política cultural, principalmente pelo seu compromisso com a cultura popular", frisou Canuto, que em 2014 estava presente, representando o Governo de Pernambuco, na solenidade do Iphan que titulou os Maracatus de Baque Virado e Solto como Patrimônios Imateriais do Brasil.

    Sambada das Buzinas - “Esta sambada é para relembrar como era o passado, que é pra gente não se esquecer da nossa história”, explica Manoelzinho Salustiano, um dos realizadores do encontro.

    “Só existem dois maracatus onde em seus ternos tem buzina, e a maioria dos jovens folgazões que brinca Maracatu de Baque Solto nunca ouviu falar disso. Essa sambada vai possibilitar que se entenda como era o Maracatu de Baque Solto do passado”, ressalta Manoelzinho.

    Programação - 9º Encontro da Cultura Popular da Mata

    Domingo (15/09) | 14h
    Sambada das Buzinas entre o Maracatu Estrela da Tarde de Glória do Goitá e o Maracatu Leão da Vitória    
    Terreiro no Engenho Thomé - Zona Rural de Glória do Goitá       

    Sábado (28/09) | 21h
    Sambada no Quilombola entre o Maracatu Estrela da Tarde de Lagoa do Carro e o Maracatu Onça Dourada da Chã dos Esconsos 
    Quilombola do Barro Preto - Zona Rural de Lagoa do Carro         

    Sábado (12/10) | 21h
    Sambada de Mestre Aicão entre o Maracatu Leão Coroado de Araçoiaba e o Maracatu Cambinidinha de Araçoiaba      
    Terreiro Sede do Leão Coroado em Araçoiaba       

    Sábado (19/10) | 21h
    Sambada na Terra dos Maracatus entre o Maracatu Águia Dourada de Nazaré da Mata e o Maracatu Leão Tucano de Nazaré da Mata   
    Terreiro em frente do Centro Cultural Mauro Mota em Nazaré da Mata

    Sábado (26/10) | 21h
    Sambada dos Emboladores entre o Maracatu Leão da Fortaleza de Goiana e o Maracatu Beija Flor de Aliança           
    Terreiro do Maracatu Leão da Fortaleza em Goiana         

    Sábado (9/11) | 21h
    Sambada no Sítio entre o Maracatu Leão Coroado de Buenos Aires e o Maracatu Carneiro Manso de Glória do Goitá  
    Terreiro do Maracatu Leão Coroado na Chã do Maltez Zona Rural de Buenos Aires 

    Cidades: Glória de Goitá
    Assuntos: secult, fundarpe, encontro da cultura popular da mata
    Compartilhe: Link para o post:
  • Agenda Cultural | 12 a 18 de setembro

    | Cultura

    Agenda Cultural | 12 a 18 de setembro

    Confira abaixo a programação da rede de equipamentos culturais gerenciados pela Secult-PE/Fundarpe, entre os dias 12 e 18 de setembro:

    12 a 18 de setembro
    “Memórias do Cárcere” em sessão especial no Cinema São Luiz no sábado
    O Cinema São Luiz oferece neste sábado sessão especial com “Memórias do Cárcere”, baseado em livro de Graciliano Ramos, com Carlos Vereza e Glória Pires. O filme de 1984 dirigido por Nelson Pereira dos Santos será exibido com projeção analógica em 35 mm. A exibição integra o projeto Sessão Aeso, marcada para as 16h, seguida de debate com o professor, jornalista e crítica de cinema Luiz Joaquim. A programação semanal continua pela terceira semana dominada por “Bacurau”, de Kleber Mendonça Filho e Juliano Dornelles. Completam a grade “A Serpente”, com Matheus Nachtergaele e dirigido pelo pernambucano Jura Capela, e “O Verde Está do Outro Lado”, documentário de Daniel Rubio sobre a política da água no Chile, onde o recurso é privatizado desde a década de 1980. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Às terças-feiras, a inteira sai por R$ 6 e a meia-entrada, R$ 3.
     

    13 de setembro“Manifesto Balbúrdia Poética: 80 Tiros” será lançado nesta sexta-feira no Espaço Pasárgada O Espaço Pasárgada será palco para o lançamento do “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros”, na edição de setembro do projeto Saraus em Pasárgada. Para apresentar a publicação que traz 24 poemas sobre temas que rondam a política nacional atualmente, os artistas que assinam os textos vão participar do tradicional recital do evento e de uma roda de conversa a partir das 18h, com entrada gratuita. Poetas que são de outros estados brasileiros se integrarão ao sarau, através de videochamadas ou envio de vídeos gravados com a leitura dos textos. Também haverá projeção de poesias durante o evento.ServiçoSaraus em PasárgadaLançamento do “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros”Sexta-feira, 13 de setembro, às 18hEspaço Pasárgada (R. da União, 263 - Boa Vista, Recife - PE)Entrada Franca

    14 de setembroGrupo de afoxé Ará Omim oferece oficinas na Casa da Cultura com projeto “Povo das Águas”Neste sábado acontece o segundo encontro mensal do projeto Povo das Águas, idealizado pelo grupo de afoxé Ará Omim, na Casa da Cultura. A agenda deste fim de semana terá duas oficinas, de dança e de percussão, além de apresentações de afoxé e maracatu. O evento começa às 14h, na área externa, e segue até as 17h. A entrada é gratuita e as inscrições podem ser feitas aqui (https://www.sympla.com.br/oficina-de-percussao__642841), para percussão, e aqui (https://www.sympla.com.br/oficina-de-danca__642776), para dança. A programação da iniciativa prevê encontros mensais até maio de 2020, com mesas de formação e shows, além das oficinas.

    14 e 15 de setembro"Um pano que limpa o tempo" retorna ao palco do Teatro Arraial Ariano Suassuna Depois de uma temporada de sucesso no mês de julho, a Compassos Cia. de Danças volta ao palco do Teatro Arraial Ariano Suassuna. O grupo encena, nos dias 14 e 15 setembro, às 19h, o espetáculo "Um pano que limpa o tempo". A montagem, que é uma adaptação do conto “Inundação”, do escritor moçambicano Mia Couto, é interpretada pelos bailarinos Patrícia Costa e Fernando Rybka. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada), e estarão à venda na bilheteria do teatro duas horas antes das apresentações.Serviço“Um pano que limpa o tempo”, da Compassos Cia. de DançasTeatro Arraial Ariano Suassuna – Rua da Aurora, 457, Boa Vista (Recife, PE)14 e 15 de setembro, às 19hR$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia), à venda na bilheteria do teatro nos dias das apresentaçõesInformações: (81) 99994-5629

    Até 20 de setembroMuseu do Barro traz o olhar de estudantes sobre riqueza cultural de Caruaru O Museu do Barro segue com a exposição “Caruaru: Cidade, Patrimônio e Poesia”. A mostra apresenta o olhar de alunos da Escola Municipal Professor Rubem de Lima Barros, localizada na periferia caruaruense, a respeito da riqueza cultural da cidade. O material exposto foi criado a partir de uma oficina de fotografia ministrada para os estudantes pelo fotógrafo Antônio Preggo.Os estudantes participantes da formação estão entre os 12 e os 16 anos. A oficina durou uma semana e dá continuidade à parceria de cinco anos entre o Museu do Barro e a Escola Rubem de Lima Barros, que começou em 2014 com a exposição “O São João de Caruaru: um olhar contemporâneo”.ServiçoExposição “Caruaru: Cidade, Patrimônio e Poesia”Museu do Barro de Caruaru (Praça Coronel José de Vasconcelos, 100, Centro)Até 31 de agosto (terça a sábado, das 8h às 17h, e domingos, das 9h às 13h)Entrada: R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia-entrada)

    Até 22 de setembro“Coquetel Malakoff: Ocupação Gráfica Lenta” expõe gravuras artesanais no Recife Antigo A Torre Malakoff sedia, até o dia 22 de setembro, uma exposição que mostrará aos visitantes do espaço a produção de um dos mais relevantes coletivos de artistas do Recife. “Coquetel Malakoff: Ocupação Gráfica Lenta” vai mostrar peças do grupo que há cinco anos se dedica à produção e ensino da arte da gravura artesanal. Além deles, participarão os ateliês Contraprova, de Lisboa, e o Grupo Matrix, de Fortaleza com HidroGráficas, conjunto de peças inspiradas nos rios que cortam suas respectivas cidades (o Tejo, em Portugal, e o Cocó, no Nordeste brasileiro). Ao todo, serão pelo menos 250 peças expostas na ocupação. O número de artistas envolvidos no processo ultrapassa 50.ServiçoCoquetel Malakoff: Ocupação Gráfica LentaTorre Malakoff (Praça do Arsenal, Bairro do Recife)Visitação: de 11 de agosto a 22 de setembroHorários: terça a sexta, das 10h às 17h; sábado das 15h às 18h; e domingo das 15h às 20hEntrada gratuita

    Até 29 de setembroMuseu do Estado prorroga a mostra “João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiro”O Museu do Estado de Pernambuco segue até o dia 29 de setembro com a exposição “João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiro”. A mostra, que oferece ao público o contato com um conjunto representativo das pesquisas visuais desenvolvidas pelo artista por meio de um vigoroso conjunto de pinturas em grande formato.O projeto João Câmara: Trajetória e Obra de um artista brasileiro prevê como desdobramentos, a produção de um catálogo que incluirá, também, registros da exposição e um encontro com o artista moderado por um crítico de arte, aberto ao público em geral. Esse encontro acontecerá em São Paulo e no Recife, no período de cada uma das exposições. Para mediar os conteúdos expositivos junto aos visitantes, a equipe de educadores do Museu Afro Brasil construirá roteiros específicos, adequados aos diferentes segmentos de público e faixas de idade e, no Museu do Estado de Pernambuco uma equipe de educadores será especialmente contratada, para a mesma finalidade.ServiçoExposição João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiroMuseu do Estado de Pernambuco – MEPE  (Av. Rui Barbosa, 960 – Graças, Recife)Até 29 de setembroVisitação: A mostra fica em cartaz até o dia 24 de agosto, de terça a sexta-feira, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 14h às 17h.

    Cidades: Caruaru, Recife
    Assuntos: secult, agenda cultural
    Compartilhe: Link para o post:
  • Grupo de afoxé Ará Omim oferece oficinas na Casa da Cultura com projeto “Povo das Águas”

    | Cultura

    Iniciativa oferecerá aulas de dança e percussão, além de apresentações culturais. Evento mensal segue até maio do ano que vem, sempre aos sábados e com entrada gratuita

    A Casa da Cultura, equipamento cultural gerenciado pela Secult-PE/Fundarpe, recebe neste sábado (14/9) o segundo encontro mensal do projeto Povo das Águas, idealizado pelo grupo de afoxé Ará Omim. A agenda deste fim de semana terá duas oficinas, de dança e de percussão, além de apresentações de afoxé e maracatu. O evento começa às 14h, na área externa, e segue até as 17h. A entrada é gratuita e as inscrições podem ser feitas aqui (https://www.sympla.com.br/oficina-de-percussao__642841), para percussão, e aqui (https://www.sympla.com.br/oficina-de-danca__642776), para dança. A programação da iniciativa prevê encontros mensais até maio de 2020, com mesas de formação e shows, além das oficinas.

    Na edição do sábado, as atividades começam com uma oficina de dança com Lourival Santos, das 14h às 15h, no Anfiteatro Nelson Ferreira. No mesmo horário e também na área externa, mas neste caso no estacionamento, ocorrerá a oficina de percussão com Maycon Ferreira. Logo depois, das 15h às 16h, no anfiteatro, haverá a apresentação dos anfitriões do evento, o Afoxé Ará Omim. Encerrando a programação do dia, das 16h às 17h, será a vez do Maracatu Raízes de Pai Adão se apresentar.

    Os eventos do projeto Povo das Águas ocorrerão sempre aos sábados e com entrada gratuita. Estão previstas as participações de outros grupos, como o Coco do Gavião, de Rio Doce, o Samba-reggae Obá Nijé, de Água Fria, e a Escola Pernambucana de Circo, da Macaxeira. As oficinas de dança e percussão, assim como as mesas de formação (esperadas para novembro e maio), emitirão certificados. Acompanhe a abertura de inscrições no perfil do grupo no Instagram: @afoxe_ara_omim

    Confira abaixo a programação completa para os próximos meses:

    05/10/2019
    14h às 15h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    14h às 15h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Coco das Estrelas – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    09/11/2019
    09h às 12h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    09h às 12h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    14h às 15h – Mesa: “Por uma questão de consciência e resistência negra: As dificuldades de se fazer cultura popular no cenário cultural pernambucano” com a participação dos convidados: Dário Junior – Presidente do Afoxé Omonilê Ogunjá e Lady Selma Albernaz – Professora Doutora em Antropologia, com mediação de Gabriela Pimentel – mestra em antropologia. – Área interna: Sala Jota Soares, Raio Sul da Casa da Cultura – 2º Andar
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Afoxé Omonilê Ogunjá – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    21/12/2019
    14h às 15h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    14h às 15h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Boi Treloso – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    18/01/2020
    14h às 15h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    14h às 15h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Escola Pernambucana de Circo – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    11/04/2020
    14h às 15h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    14h às 15h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Coco do Gavião – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    09/05/2020
    09h às 12h – Oficina de Dança (Lourival Santos) – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    09h às 12h – Oficina de Percussão (Maycon Ferreira) – Área externa: Estacionamento
    14h às 15h – Mesa: “13 de maio não é dia de negro: A arte-educação como processo de resistência e conscientização” com a participação dos convidados: Genivaldo Francisco – Arte-Educador e responsável pelo Movimento Cultural Fazendo Arte e Jorge Arruda – Professor Doutor, com mediação de Gabriela Pimentel – mestra em antropologia. – Área interna: Sala Jota Soares, Raio Sul da Casa da Cultura – 2o Andar
    15h às 16h – Afoxé Ará Omim – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira
    16h às 17h – Banda Afro – Área externa: Concha/ Anfiteatro Nelson Ferreira

    Cidades: Recife
    Assuntos: secult, fundarpe, casa da cultura
    Compartilhe: Link para o post:
  • “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 Tiros” será lançado nesta sexta-feira (13), no Espaço Pasárgada

    | Cultura

     manifesto

    Coletânea com 24 poesias de 24 poetas de vários estados brasileiros será o tema do projeto Saraus em Pasárgada deste mês. O evento, que é aberto ao público, contará com recital, roda de conversa e participação dos autores por videoconferência

    O Espaço Pasárgada, equipamento cultural gerenciado pela Secult-PE/Fundarpe, recebe o lançamento do “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros”, na edição de setembro do projeto Saraus em Pasárgada. Para apresentar a publicação que traz 24 poemas sobre temas que rondam a política nacional atualmente, os artistas que assinam os textos vão participar do tradicional recital do evento e de uma roda de conversa na próxima sexta-feira (13/9), a partir das 18h, com entrada gratuita. Poetas que são de outros estados brasileiros se integrarão ao sarau, através de videochamadas ou envio de vídeos gravados com a leitura dos textos. Também haverá projeção de poesias durante o evento.

    A ideia de publicar o “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 Tiros” nasceu de uma conversa entre amigos. “Tivemos a vontade de expressar toda a nossa frustração diante situação em que o país se encontra. Quisemos responder com poesia, responder do jeito que a gente sabe. É uma forma de resistência, principalmente, quando a gente vê uma obra censurada, pessoas agredindo umas às outras por sua condição sexual, a classe acadêmica humilhada. O manifesto é contra o discurso fascista e a onda intolerante. Contra as pessoas que se acham no direito de dizer o que outra pessoa pode ser”, explica Taciana Oliveira, organizadora da publicação.

    O projeto Saraus em Pasárgada tem como principal objetivo promover a interlocução entre escritores, poetas e o público. O microfone aberto proporciona esse encontro. A parceria com os organizadores do “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 Tiros” é importante na medida que reforça a luta pela democracia e pela liberdade de expressão. A palavra é uma potência e a arte tem que circular livremente”, afirmou Marília Mendes, gestora do Espaço Pasárgada.

    Para o sarau, estão confirmadas as presenças de Raimundo de Moraes (que será o mediador do evento), João Gomes, Tania Consuelo, Bell Puã, Flávia Gomes e Taciana Oliveira. De outros estados, enviarão vídeos gravados Adriane Garcia, Casé Lontra Marques, Baga Defente, Leonardo Antunes Álvaro Santi e David Alves. Os autores de Fortaleza conversarão via chat: Rebeca Gadelha, Lisiane Forte, Cândido Rolim e Ana Argentina Castro.

    O manifesto de 64 páginas está disponível para leitura em https://archive.org/details/manifestobalburdia e é gratuito. Publicado pela Editora CGA, de Natal, no Rio Grande do Norte, a obra é assinada por 24 artistas de diferentes regiões do Brasil

    Serviço
    Saraus em Pasárgada
    Lançamento do “Manifesto Balbúrdia Poética: 80 tiros”
    Sexta-feira, 13 de setembro, às 18h
    Espaço Pasárgada (R. da União, 263 - Boa Vista, Recife - PE)
    Entrada Franca

    Cidades: Recife
    Assuntos: secult, espaco passargada, lancamento, manifesto balburdia poetica
    Compartilhe: Link para o post:
  • Agenda Cultural | 5 a 11 de setembro

    | Cultura

     secult

    Confira abaixo a programação da rede de equipamentos culturais gerenciados pela Secult-PE/Fundarpe, entre os dias 5 e 11 de setembro:

    5 de setembro

    Marília Parente apresenta álbum autoral no palco do Teatro Arraial

    Um dos nomes da nova cena musical feminina nacional, a cantora e compositora Marília Parente sobe ao palco do Teatro Arraial Ariano Suassuna nesta quinta-feira (5), às 20h. O show marcará o lançamento de seu primeiro álbum autoral, “Meu Céu, Meu Chão e Seus Cacos de Vidro”. Quem comparecer ao espetáculo poderá conferir o repertório que a artista criou a partir de sua busca pelo encontro da musicalidade de Exu, cidade natal de Luiz Gonzaga e de parte de sua família, localizada no Sertão pernambucano, com clássicos da MPB e som internacional. Os ingressos custam R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia-entrada).

    Nas composições, a cantora diz que apresenta um registro único do Exu de sua infância e do conterrâneo Luiz Gonzaga. Novenas, vaqueiros, aboios, rezadeiras do Cariri, influências de nomes como Elba Ramalho, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Marinês convivem em harmonia com a música oriental e referências como Bob Dylan, Black Sabbath, Beatles, Beach Boys.

    Serviço

    Marília Parente lança o álbum “Meu Céu, Meu Chão e Seus Cacos de Vidro”.
    Teatro Arraial Ariano Suassuna (Rua da Aurora, 457, Boa Vista – Recife/PE)
    Quinta-feira, 5 de setembro, às 20h
    Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada)

    5 a 11 de setembro

    “Bacurau”, “A Serpente” e “O Verde Está do Outro Lado” seguem esta semana no Cinema São Luiz

    A agenda do Cinema São Luiz segue esta semana com “Bacurau”, “A Serpente” e “O Verde Está do Outro Lado”. Os três longas metragens estrearam há duas semanas e permanecem até o dia 11 de setembro. Os ingressos custam R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia-entrada). Às terças-feiras, a inteira sai por R$ 6 e a meia-entrada, R$ 3.

    6 de setembro

    Pesquisadoras lançam livros que contam história do cordel no Espaço Pasárgada

    O Espaço Pasárgada recebe nesta sexta-feira (6), às 19h, o lançamento de dois livros que utilizam a metalinguagem como ferramenta para contar a história da literatura de cordel. A memória da linguagem, que é Patrimônio Imaterial Cultural Brasileiro, é resgatada sob o ponto de vista da participação das mulheres como autoras e contada, em muitos trechos, a partir da própria estética retratada nos textos. Os dois livros, “O Mapa da Rima” e “O Cordel de Escrita Feminina em Pernambuco”, que contam com incentivo do Governo do Estado, por meio dos recursos do Funcultura, são assinados pelas pesquisadoras Eulina Fraca e Shirley Rodrigues e já foram lançados em Portugal, França e Espanha.

    As pesquisas para escrever os dois livros duraram um ano e oito meses. O processo de levantamento de dados incluiu visitas a arquivos de cordéis e entrevistas com cordelistas de Pernambuco, Rio Grande do Norte, Ceará e Rio de Janeiro. O resultado final é a conclusão de uma ideia desde os tempos de graduação da dupla de pesquisadoras, quando elas se interessaram pela literatura de cordel e decidiram se dedicar a projetos com este tema.

    Serviço

    Lançamento dos livros “O Mapa da Rima” e “O Cordel de Escrita Feminina”
    Espaço Pasárgada (Rua da União, 263. Boa Vista)
    Sexta-feira (06/09), 19h30
    Entrada: gratuita

    6 de setembro

    Torre Malakoff recebe pré-lançamento da Som na Rural TV

    Nesta sexta-feira, a Torre Malakoff recebe o pré-lançamento da Som na Rural TV, projeto de comunicação independente de Roger de Renor e seu palco itinerante. A partir das 19h, com entrada gratuita, haverá apresentação de vídeos, descrição do projeto e roda aberta e informal de conversa com o objetivo de levantar ideias e sugestões do público interessado em participar da configuração da iniciativa. A programação inclui ainda música após o encontro, com DJ Carlota e DJ Mozão.

    Até 14 de setembro

    Museu Regional de Olinda segue com exposição Sawabana

    Segue até o dia 14 de setembro a exposição Sawabona Art, da artista plástica Danielly Bertoldo, no Museu Regional de Olinda. Com parte da renda revertida para a Aliança das Mães e Famílias Raras, a mostra de entrada gratuita traz à venda peças de roupas e acessórios com a temática da aceitação e respeito às diferenças. Sawabona é um cumprimento usado por povos da África do Sul que significa “eu respeito você, eu valorizo você e você é importante para mim”.

    Serviço

    Exposição Sawabona Art
    Museu Regional de Olinda – Rua do Amparo, 128 – Amparo, Olinda – PE
    Até o dia 14 de setembro.
    Horários: Terça a sexta-feira, das 9h às 13h e das 14h às 17h, e aos sábados e domingos, das 14h às 17h.
    Entrada gratuita

    Até 20 de setembro

    Museu do Barro traz o olhar de estudantes sobre riqueza cultural de Caruaru

    O Museu do Barro segue com a exposição “Caruaru: Cidade, Patrimônio e Poesia”. A mostra apresenta o olhar de alunos da Escola Municipal Professor Rubem de Lima Barros, localizada na periferia caruaruense, a respeito da riqueza cultural da cidade. O material exposto foi criado a partir de uma oficina de fotografia ministrada para os estudantes pelo fotógrafo Antônio Preggo.

    Os estudantes participantes da formação estão entre os 12 e os 16 anos. A oficina durou uma semana e dá continuidade à parceria de cinco anos entre o Museu do Barro e a Escola Rubem de Lima Barros, que começou em 2014 com a exposição “O São João de Caruaru: um olhar contemporâneo”.

    Serviço

    Exposição “Caruaru: Cidade, Patrimônio e Poesia”
    Museu do Barro de Caruaru (Praça Coronel José de Vasconcelos, 100, Centro)
    Até 31 de agosto (terça a sábado, das 8h às 17h, e domingos, das 9h às 13h)
    Entrada: R$ 2 (inteira) e R$ 1 (meia-entrada)

    Até 22 de setembro

    “Coquetel Malakoff: Ocupação Gráfica Lenta” expõe gravuras artesanais no Recife Antigo

    A Torre Malakoff sedia, até o dia 22 de setembro, uma exposição que mostrará aos visitantes do espaço a produção de um dos mais relevantes coletivos de artistas do Recife. “Coquetel Malakoff: Ocupação Gráfica Lenta” vai mostrar peças do grupo que há cinco anos se dedica à produção e ensino da arte da gravura artesanal. Além deles, participarão os ateliês Contraprova, de Lisboa, e o Grupo Matrix, de Fortaleza com HidroGráficas, conjunto de peças inspiradas nos rios que cortam suas respectivas cidades (o Tejo, em Portugal, e o Cocó, no Nordeste brasileiro). Ao todo, serão pelo menos 250 peças expostas na ocupação. O número de artistas envolvidos no processo ultrapassa 50.

    Serviço

    Coquetel Malakoff: Ocupação Gráfica Lenta
    Torre Malakoff (Praça do Arsenal, Bairro do Recife)
    Visitação: de 11 de agosto a 22 de setembro
    Horários: terça a sexta, das 10h às 17h; sábado das 15h às 18h; e domingo das 15h às 20h
    Entrada gratuita

    Até 29 de setembro

    Museu do Estado prorroga a mostra “João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiro”

    O Museu do Estado de Pernambuco segue até o dia 29 de setembro com a exposição “João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiro”. A mostra, que oferece ao público o contato com um conjunto representativo das pesquisas visuais desenvolvidas pelo artista por meio de um vigoroso conjunto de pinturas em grande formato.

    O projeto João Câmara: Trajetória e Obra de um artista brasileiro prevê como desdobramentos, a produção de um catálogo que incluirá, também, registros da exposição e um encontro com o artista moderado por um crítico de arte, aberto ao público em geral. Esse encontro acontecerá em São Paulo e no Recife, no período de cada uma das exposições. Para mediar os conteúdos expositivos junto aos visitantes, a equipe de educadores do Museu Afro Brasil construirá roteiros específicos, adequados aos diferentes segmentos de público e faixas de idade e, no Museu do Estado de Pernambuco uma equipe de educadores será especialmente contratada, para a mesma finalidade.

    Serviço

    Exposição João Câmara: trajetória e obra de um artista brasileiro
    Museu do Estado de Pernambuco – MEPE  (Av. Rui Barbosa, 960 – Graças, Recife)
    Até 29 de setembro
    Visitação: A mostra fica em cartaz até o dia 24 de agosto, de terça a sexta-feira, das 9h às 17h; sábados e domingos, das 14h às 17h.

    Assuntos: secult, agenda cultural, programacao
    Compartilhe: Link para o post:
  • Governo do Estado lança o 2º Prêmio Pernambuco de Fotografia

    | Cultura

     Nesta edição, a premiação terá como tema "Diversidade Cultural" e distribuirá R$ 90 mil entre 15 vencedores. O período das inscrições é de 16 de setembro a 14 de outubro de 2019 

    O Governo do Estado de Pernambuco lança o edital do 2º Prêmio Pernambuco de Fotografia. A iniciativa, capitaneada pela Secretaria de Cultura e pela Fundarpe, destina-se a reconhecer, valorizar, incentivar e difundir a produção fotográfica amadora e profissional do Estado e a revelar novo(a)s fotógrafo(a)s. As inscrições podem ser realizadas, por meio da plataforma Mapa Cultural de Pernambuco, de 16 de setembro a 14 de outubro de 2019. Clique aqui e confira o edital.

    Ao todo, 15 fotografias serão selecionadas para uma exposição coletiva e a edição de um catálogo. Os autores também receberão um prêmio em dinheiro, no valor de R$ 6 mil por fotografia. Cada fotógrafo pode inscrever até quatro imagens. A publicação do resultado final sairá no dia 29 de novembro deste ano.

    Para participar, é preciso ter mais de 18 anos e ser pernambucano ou morar no Estado há, pelo menos, seis meses. Nesta edição, serão aceitas fotografias dentro da temática da "Diversidade Cultural" que, de acordo com o regulamento, engloba "os diferentes costumes da nossa sociedade, dentre os quais podemos citar: vestimenta, culinária, manifestações religiosas, tradições, entre outros aspectos". Na análise de mérito artístico e cultural das imagens inscritas, serão avaliados critérios como valor artístico e cultural da obra para a linguagem fotográfica, originalidade, criatividade e inovação.

    O secretário estadual de Cultura, Gilberto Freyre Neto, destaca que a premiação, além de notabilizar a produção dos fotógrafos pernambucanos, busca evidenciar a riqueza e diversidade cultural do Estado. "Do Litoral ao Sertão, Pernambuco é um celeiro de grandes artistas. A ideia do prêmio é mostrar/revelar esses talentos e, principalmente, reverenciar nossas tradições culturais", diz o gestor.

    Já o presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto, ressalta o caráter democrático do prêmio (as inscrições são gratuitas, on-line e são voltadas a fotógrafos profissionais e amadores) e a adesão do segmento à premiação. 

    "Na primeira edição, tivemos um total de 147 pessoas inscritas, oriundas de todas as Macrorregiões do Estado, e mais de 490 fotos concorreram ao prêmio. Como as inscrições são feitas gratuitamente pela plataforma do Mapa Cultural de Pernambuco, qualquer pessoa, independente se mora na Região Metropolitana ou não, pode participar e se inscrever, fato que amplia e democratiza seu acesso", frisa Canuto.

    Para Jarbas Araújo, assessor de Fotografia da Secult-PE, o Prêmio Pernambuco de Fotografia é mais uma demonstração do compromisso da Gestão Estadual em reconhecer e incentivar os artistas pernambucanos. “Esta é uma premiação que estimula ainda mais a criação artística e o desenvolvimento profissional do setor no Estado, e este ano traz uma justa homenagem a dois precursores da fotografia pernambucana”, destaca o gestor.

    Os interessados podem se inscrever até o até 30 de setembro de 2019. Mais informações poderão ser obtidas através do e-mail: fotografiasecultpe@gmail.com ou pelo telefone (81) 3184.3072.

    José Pedro da Silva – Nasceu em 1925, na Cidade de Afogados da Ingazeira, Sertão do Pajeú. Passou parte da vida na comunidade Rural de Poço da Pedra do município mencionado, e daí ganha o apelido de Peda.  Ainda na juventude, muda-se para o Recife, dando origem ao Bairro São Francisco, hoje conhecida como Rua Nova.

    Zé Peda é o que hoje conhecemos com fotógrafo de rua. Com seu jeito irreverente de fazer fotografia, era a figura certa nos carnavais, festas e feiras da cidade, tornando-se assim, com seu jeito único de fotografar, uma figura lembrada até hoje pelos moradores da sua região.

    José de Morais Veras - Nascido em 10 de março de 1921, em Tabira, e falecido em 29 de outubro de 1979, é conhecido como o pioneiro da fotografia do Pajeú. Já dominando a arte de fotografar, tornou-se um dos mais solicitados a fotografar festas no interior, campanhas políticas e a famosa Festa de Santo Antônio da Serra da Colônia, no Município de Carnaíba.

    Montada em sua burra, a “Lua Branca”, subia e descia a Serra da Borborema para realizar seus registros, numa época em que boa parte das casas da região tinha na sala um retrato familiar revelado por ele. Como pioneiro na arte da fotografia, montou um laboratório de revelação, transmitindo a muitos, os ensinamentos e formando uma legião de fotógrafos.

    Assuntos: secult, fundarpe, premio pernambuco de fotografia
    Compartilhe: Link para o post:
  • Fenearte leva prêmio nacional em preservação cultural promovido pelo IPHAN

    | Cultura

    fenearte

    A Fenearte, maior feira de artesanato da América Latina, palco onde os saberes populares são preservados como forma de perpetuação do nosso patrimônio material e imaterial cultural, recebe a maior premiação na área de preservação, promovido pelo Instituto de Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (IPHAN), o prêmio Rodrigo de Melo Franco.

    A Feira Nacional de Artesanato – Fenearte foi a grande vencedora da categoria “Iniciativas de Execução no Campo do Patrimônio Cultural Imaterial” no 32º Prêmio Rodrigo Melo Franco. O prêmio é responsável por selecionar projetos representativos para o Patrimônio Cultural de todo o País, e já laureou ações como a Semana do Patrimônio Cultural de Pernambuco e o XII Festival de Bumba Meu Boi de Zabumba do Maranhão.

    O Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) é uma autarquia federal vinculada ao Ministério da Cidadania que responde pela preservação do Patrimônio Cultural Brasileiro. Cabe ao Iphan proteger e promover os bens culturais do País, assegurando sua permanência e usufruto para as gerações presentes e futuras.

    O incentivo e promoção à cultura significam também entender a importância da preservação como ação fundamental para perpetuação do nosso patrimônio imaterial. Nesse contexto, a AD Diper, por meio da Diretoria de Promoção do Artesanato e da Economia Criativa, responsável pela coordenação da Fenearte, recebe essa notícia com muito orgulho. “A Fenearte, juntamente com o Centro de Artesanato de Pernambuco, entre outras iniciativas do Governo do Estado de Pernambuco, é, atualmente, a principal plataforma de geração de negócios do setor e consolida-se como o maior evento da América Latina. A Feira tem como objetivo valorizar e difundir os saberes tradicionais, estimular o potencial de crescimento dos artesãos e artesãs, funcionando como importante elemento estruturador da Cadeia Produtiva do artesanato local”, explica Márcia Souto, coordenadora geral da Feira e diretora de Promoção do Artesanato e da Economia Criativa, da AD Diper.

    A feira reverbera cultura o tempo todo e ao longo de todo o ano, não apenas nos 12 dias de sua realização. Ela cumpre o papel fundamental de fomentar a Política Pública de Cultura do Estado ajudando a resgatar e valorizar a Cultura Popular pernambucana, através do incentivo aos Mestres e fazedores do ofício artesanal que são, sobretudo, afirmação da nossa identidade e mensageiros do saber, mas ela também funciona como um instrumento de geração de emprego e renda e auxilia nos negócios diretos dos fazedores de arte de Pernambuco.

    Fenearte - A primeira Fenearte foi realizada no período em Julho de 2000, por iniciativa do Governo do Estado de Pernambuco, através da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Turismo e Esportes, e desde então carregamos o título de Maior Feira do Artesanato da América Latina, e a preferida no coração dos Pernambucanos.

    A última edição, 20ª, que aconteceu entre os dias 03 e 14 de julho, no pavilhão do Centro de Convenções, em Olinda, homenageia Mestre Baracho, falecido em 1988, Dona Duda e Lia de Itamaracá, Patrimônio Vivo de Pernambuco. Ao longo de doze dias, esta importante catalizadora de talentos recebeu mais de 5 mil expositores distribuídos em 800 espaços em uma área de 30 mil m². Com investimento de R$ 5,5 milhões, o evento gerou em torno de 2,5 mil vagas de empregos temporários e superou as expectativas de movimentação financeira atingindo um valor de R$ 45 milhões.

    PERNAMBUCO - A produção artesanal do Estado, sempre plural em sua essência, é ressaltada na Alameda dos Mestres pelos 64 artistas de todas as regiões pernambucanas. Nesta edição, 82 representações de prefeituras locais também marcam presença, além de 300 estandes de expositores pernambucanos. Ao todo, Pernambuco contou com 70% de participação no evento.

    Prêmio Rodrigo Melo Franco - Promovido pelo Iphan, desde 1987, o Prêmio Rodrigo Melo Franco de Andrade prestigia, em caráter nacional, as ações de preservação do patrimônio cultural brasileiro que, em razão da originalidade, vulto ou caráter exemplar, mereçam registro, divulgação e reconhecimento público. A premiação é oferecida, anualmente, a empresas, instituições e pessoas de todo o Brasil, e tem destacado, ao longo dos anos, a diversidade e a riqueza do Patrimônio Cultural Brasileiro (Material e Imaterial) em suas manifestações culturais, antigas e modernas curvas da arquitetura nacional ou em grandiosas paisagens arqueológicas e naturais.

    O nome do Prêmio é uma homenagem ao fundador do Iphan, para destacar as iniciativas que compartilham dos mesmos ideais. O advogado, jornalista e escritor Rodrigo Melo Franco de Andrade nasceu em 1898, em Belo Horizonte (MG). Redator-chefe e diretor da Revista do Brasil, Rodrigo iniciou a vida política como chefe de gabinete de Francisco Campos, atuando na equipe que integrou o Ministério da Educação e Saúde, durante o governo de Getúlio Vargas. Entre 1934 e 1945, período em que Gustavo Capanema era ministro da Educação, Rodrigo integrou o grupo formado por intelectuais e artistas herdeiros dos ideais da Semana de 1922, quando se tornou o maior responsável pela consolidação jurídica do tema Patrimônio Cultural no Brasil. Em 1937. fundou o Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Sphan), atual Iphan, o qual presidiu por 30 anos.

    Assuntos: sdec, addiper, fenearte, premio
    Compartilhe: Link para o post:
  • Projeto Livros Livres espalha diversas publicações pelo bairro do Ipsep

    | Cultura

     secult

    Ação do Governo de Pernambuco, através da Secult-PE/Fundarpe, vai distribuir 100 livros em praças e ruas na Zona Sul do Recife

    O Governo de Pernambuco realiza, nesta sexta-feira (6), mais uma edição do projeto Livros Livres. Coordenado pela Secretaria Estadual de Cultura e Fundarpe (Secult-PE/Fundarpe), a iniciativa irá espalhar 100 livros pelas ruas e praças do Ipsep, na Zona Sul do Recife. A partir das 6h, os moradores da região já poderão encontrar publicações em vários lugares do bairro.

    Criado pela coordenadoria de Literatura da Secult/Fundarpe durante o Festival de Inverno de Garanhuns, em 2012, o projeto reúne livros doados, títulos vencedores do Prêmio Pernambuco de Literatura e publicações incentivadas pelo Funcultura, colaborando com a difusão da literatura e de novos autores pernambucanos.

    De acordo com Roberto Azoubel, coordenador de Literatura da Secult-PE, a ideia do Livros Livres é transformar a região que recebe o projeto numa grande biblioteca. “A proposta é fomentar o acesso à leitura em edições que aconteçam mensalmente e em diferentes regiões”, explica o gestor.

    Os livros espalhados são devidamente etiquetados com um selo explicativo, incentivando a prática do compartilhamento da leitura. Desde a sua criação, em 2012, até hoje, o projeto já “libertou” mais de cinco mil publicações baseado no conceito de ‘bookcrossing’, o ato de deixar livros em lugares públicos para que outras pessoas possam lê-los - e, eventualmente, deixá-los em outro lugar.

    Serviço:

    Livros Livres (distribuição gratuita de 100 livros)
    Sexta-feira (6) | 6h
    Bairro do Ipsep (Recife)

    Cidades: Recife
    Assuntos: secult, fundarpe, projeto livros livres
    Compartilhe: Link para o post:
  • Marília Parente apresenta álbum autoral no palco do Teatro Arraial nesta quinta-feira (5)

    | Cultura

     cultura

    Cantora e compositora da nova cena feminina brasileira interpreta “Meu Céu, Meu Chão e Seus Cacos de Vidro”, onde busca o encontro da musicalidade de Exu, sua cidade natal, com a MPB e o som internacional

    Um dos nomes da nova cena musical feminina nacional, a cantora e compositora Marília Parente sobe, nesta quinta-feira (5), ao palco do Teatro Arraial Ariano Suassuna, equipamento cultural gerenciado pela Secult-PE/Fundarpe. O show marcará o lançamento de seu primeiro álbum autoral, “Meu Céu, Meu Chão e Seus Cacos de Vidro”. Quem comparecer ao espetáculo poderá conferir o repertório que a artista criou a partir de sua busca pelo encontro da musicalidade de Exu, cidade natal de Luiz Gonzaga e de parte de sua família, localizada no Sertão pernambucano, com clássicos da MPB e som internacional.

    “As canções que escolhi para o disco fotografam a forma como vejo o momento que a gente está passando no país e desafiam os limites do que é sertão e do que é cidade. Busco o universal que há no regional e o universal nunca precisou tanto da espiritualidade, da verdade e da organicidade do regional. Essa é nossa esperança. Quero que minha geração volte a sonhar”, comenta Marília.

    Nas composições, a cantora diz que apresenta um registro único do Exu de sua infância e do conterrâneo Luiz Gonzaga. Novenas, vaqueiros, aboios, rezadeiras do Cariri, influências de nomes como Elba Ramalho, Dominguinhos, Geraldo Azevedo e Marinês convivem em harmonia com a música oriental e referências como Bob Dylan, Black Sabbath, Beatles, Beach Boys.

    Marília Parente se dedica ao trabalho autoral desde 2017, quando deixou o Coco Raízes do Capibaribe, com quem chegou a se apresentar em festivais locais e gravar um EP de proposta experimental. O projeto atual conta com produção de D’Mingus e Juvenil Silva (que também é guitarra e segunda voz), além das guitarras de Regis Damasceno (Cidadão Instigado) e das violas do Feiticeiro Julião. Gil R assume a bateria e Diego Gonzaga toca o baixo.

    SERVIÇO

    Marília Parente lança o álbum “Meu Céu, Meu Chão e Seus Cacos de Vidro”.
    Quinta-feira, 5 de setembro, às 20h
    Teatro Arraial Ariano Suassuna (Rua da Aurora, 457, Boa Vista)
    Ingressos: R$ 20 (inteira) e R$ 10 (meia entrada)    

    Cidades: Recife
    Assuntos: secult, fundarpe, teatro arraial ariano suassuna
    Compartilhe: Link para o post:
  • Outras Palavras leva escritora e Patrimônio Vivo para conversar com estudantes de Amaraji

    | Cultura

     secult

    Rejane Paschoal e Mestre Galo Preto participam da iniciativa promovida pela Secult-PE/Fundarpe nesta terça-feira (3)

    O Outras Palavras, projeto de integração entre a cultura e a educação promovido pelo Governo do Estado, segue com sua agenda nesta terça-feira (3). Desta vez, a Secretaria Estadual de Cultura e a Fundarpe – responsáveis pela iniciativa – vão levar a escritora Rejane Paschoal e o Mestre Galo Preto (Patrimônio Vivo de Pernambuco) para conversar com os estudantes da EREM Antônio Alves de Araújo, no município de Amaraji, Zona da Mata Sul. A atividade será realizada no Clube Municipal dos Tamarindos, a partir das 14h.

    Na conversa, os estudantes vão ter a oportunidade de conhecer mais sobre a relação de Rejane Paschoal com a literatura. Em 2015, por exemplo, ela foi uma das vencedoras do III Prêmio Pernambuco de Literatura. Na sequência, os jovens poderão ver de perto o Mestre Galo Preto em ação. Além de Patrimônio Vivo de Pernambuco, Galo Preto é uma das principais referências pernambucanas quando o assunto é coco de roda.

    O secretário de Cultura, Gilberto Freyre Neto, avalia que este é um dos programas mais relevantes, voltado aos jovens estudantes da rede pública. “Não é segredo que arte e cultura andam lado a lado com a cidadania. Então, faz todo o sentido que elas estejam juntas nesse projeto que, até o final do ano, circulará por várias escolas e regiões do Estado”, disse.

    Presidente da Fundarpe, Marcelo Canuto acredita que “é muito gratificante colaborar para que os jovens estejam em contato com a cultura de uma maneira tão enriquecedora como a que o Outras Palavras proporciona. Esse contato direto com os artistas alarga as experiências escolares e expande os horizontes dos alunos”.

    Tarciana Portella, gerente de Formação e Projetos Especiais da Secult-PE, explica que o Outras Palavras sempre vai além do objetivo central de divulgar a literatura. “O projeto traz para esses jovens das escolas publicas o contato com as manifestações diversas da nossa cultura, de Patrimônios Vivos a Pontos de Cultura, e de grupos que trabalham com as expressões do patrimônio cultural imaterial de Pernambuco”, detalha.

    O balanço das ações, divulgado no final do ano passado, mostra que foram realizados mais de cem atividades, incluindo oficinas, espetáculos de teatro, ópera, visitas guiadas a exposições, ações em parceria com o Programa Mãe Coruja, exibição de filmes e participações em eventos, literários. 

    “O Outras Palavras é um projeto já consolidado no ambiente escolar, sempre deixando estudantes e educadores felizes com a sua chegada. Os nossos artistas também se revigoram no contato com esse público. Para a edição 2019, o que queremos é honrar a continuidade de um modelo já testado e aprovado, contribuindo com sua consolidação e evolução”, afirma Andréa Mota, coordenadora do projeto.

    Voltado para estudantes da rede pública estadual de ensino, em quatro anos de existência o programa já atingiu 615 escolas pernambucanas, beneficiou 18.456 estudantes e distribuiu 6.514 livros nas bibliotecas por onde passou.

    A ação é realizada em parceria com a Secretaria de Educação e, durante o mês de setembro, terá outras quatro edições: no EREM Nóbrega, no Recife, na próxima quinta-feira (5); Na Escola Municipal Governador Miguel Arraes de Alencar, em João Alfredo, no dia 17; Na Festa Literária do Alto do Moura, em Caruaru, dia 20; e no EREM Central de Barreiros, no dia 25.

    AGENDA DE ATIVIDADES DO OUTRAS PALAVRAS

    5/9 – RECIFE - EREM Nóbrega

    17/9 – JOÃO ALFREDO - Escola Municipal Gov Miguel Arraes de Alencar 

    20/9 – CARUARU - FLAL - Festa Literária do Alto do Moura

    25/9 – BARREIROS – EREM Central

    Serviço:
    Edição do projeto Outras Palavras (com a escritora Rejane Paschoal e Mestre Galo Preto (Patrimônio Vivo de Pernambuco)

    Terça-feira (3/09), às 14h
    Clube Municipal dos Tamarindos (Av. Santo Amaro, 11, Centro, Amaraji-PE)
    Gratuito

    Cidades: Amaraji
    Assuntos: secult, fundarpe, see, projeto outras palavras
    Compartilhe: Link para o post: